topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Aug   September 2016   Oct
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
252627282930 
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Ho Chi Min (2) Imprimir E-mail
Escrito por Wladimir Pomar   
Terça, 08 de Junho de 2010
Recomendar

 

Desde a descoberta e a leitura do texto de Lênin, Ho Chi Min voltou-se com todas as suas forças para o estudo das obras de Marx e do próprio Lênin, adotando o marxismo e o leninismo como seus guias de ação. Nas discussões internas no Partido Socialista e no congresso que discutiu o ingresso desse partido na Terceira Internacional, saindo da Segunda Internacional, Ho Chi Min se colocou fervorosamente ao lado dos que advogavam a adesão à Terceira, ou Internacional Comunista.

 

A recusa da maioria do Partido Socialista em ingressar na Terceira Internacional levou à fundação do Partido Comunista da França. Ho Chi Min se tornou, assim, um dos fundadores desse partido e, sem dúvida, o primeiro vietnamita comunista. Com isso, ele supunha ter, finalmente, encontrado os instrumentos para delinear o caminho de libertação do povo vietnamita. Caminho que tinha como perspectiva tanto a organização interna dos operários e camponeses vietnamitas como a solidariedade ativa dos operários e comunistas franceses - e o apoio da União Soviética.

 

No entanto, ele achou que ainda era cedo para retornar ao Vietnã. Para criar um caminho próprio de libertação de seu povo, considerou que ainda seria necessário realizar um longo e complexo trabalho de preparação. Precisava estudar mais profundamente as experiências de luta dos outros povos, combinar o trabalho teórico com o trabalho prático de preparação de quadros nacionais e desenvolver um pensamento independente, que levasse em conta a cultura e a experiência de luta do próprio povo do Vietnã.

 

As atividades em prol da libertação dos povos coloniais levaram Ho Chi Min, além de participar da direção do partido comunista francês, a fundar a União Intercolonial, em Paris. Voltou-se para a formação de quadros revolucionários das colônias, editou o jornal Le Paria a partir de 1922 e fundou o jornal Viet Nam Hon, dirigido explicitamente ao povo vietnamita. Concentrou-se, então, nas atividades de publicista anti-colonialista.

 

Em meados de 1923, Ho finalmente conheceu a União Soviética, onde foi participar do quinto congresso da IC e, depois, do congresso da Internacional Camponesa. Permaneceu na União Soviética até 1924, inclusive participando das discussões sobre o papel dos camponeses nas revoluções e lutas de libertação.

 

Nesse período, havia uma forte tendência dentro dos partidos comunistas, em especial nos países industrializados, que negava ou subestimava o papel do campesinato nos processos revolucionários. Para Ho Chi Min, tendo em conta que o campesinato do Vietnã e de muitos outros países colonizados constituía mais de 90% da população, negar a ele um papel revolucionário era o mesmo que decretar a impossibilidade de qualquer luta revolucionária antes que o capitalismo se desenvolvesse nesses países.

 

Ho Chi Min tinha claro que, nos países agrários, os camponeses eram a força fundamental na luta de libertação e independência nacional. E, tomando como exemplo o poder soviético, concluiu que apenas o socialismo seria capaz de conquistar e garantir a independência. Foi tendo isso em mente que se deslocou para a China, em 1924, como intérprete da delegação de Borodin, enviada por solicitação de Sun Iatsen. Sun queria que os soviéticos assessorassem o Kuomindang e sua república revolucionária de Cantão nos preparativos políticos e militares da Expedição Militar contra os senhores de guerra do norte.

 

Ho Chi Min aproveitou sua estada na China para realizar contatos com organizações patrióticas do Vietnã, que possuíam braços em Cantão, e com jovens vietnamitas que haviam emigrado para lá. Organizou uma escola de treinamento de quadros políticos e encaminhou vários deles para a academia militar de Wuanpoa, onde os chineses preparavam seus quadros militares. Ho também se dedicou a escrever sugestões sobre a linha política a ser seguida na revolução vietnamita, reunindo-as em O caminho revolucionário, no qual advogava uma relação estreita entre a libertação nacional e o socialismo.

 

Em 1927, diante do golpe militar de Chiang Kaishek contra os comunistas, Ho Chi Min retornou à União Soviética, onde permaneceu até 1928. Deslocou-se então para o Sião (hoje Tailândia), para trabalhar com os emigrados vietnamitas e organizar o movimento revolucionário no Vietnã, através da Associação dos Jovens Camaradas Revolucionários, que ajudara a fundar durante sua estada na China.

 

A essa altura, já havia diversos círculos comunistas no Vietnã, cada um defendendo linhas próprias. Em 1929, Ho Chi Min se deslocou a Hong Kong, como representante da IC, para unificar esses círculos e fundar o PC do Vietnã, ao invés de Partido Comunista da Indochina, como alguns propunham. Argumentou que os outros povos da Indochina tinham direito de organizar seus próprios partidos nacionais e que não deviam ser compelidos a juntar-se ao partido majoritariamente vietnamita.

 

A conferência de fundação do PCV, em 1930, aprovou o programa proposto por Ho, que definia a revolução vietnamita como democrática nacional popular, devendo avançar para o socialismo sem passar pelo estágio capitalista. Ela deveria derrubar o domínio colonialista francês e o domínio dos latifundiários, conquistando a independência nacional, dando a terra aos camponeses, instituindo um Estado dos operários, camponeses e soldados e organizando um exército operário-camponês. Ao PC cabia o papel de liderar essa revolução.

 

A IC, porém, instruiu o PCV a mudar seu nome para Partido Comunista da Indochina. Nesse momento ocorriam várias insurreições no Vietnã, mas de forma dispersa e desarticulada. Em vista disso, Ho congratulou-se com elas, mas as alertou para o fato de que estavam limitadas a apenas algumas regiões. Seria necessário acumular mais forças antes de enfrentar diretamente as forças militares do imperialismo francês. Com base nessa avaliação, Ho propôs ao PC levar à prática uma ampla política de frente única, tendo por base os operários e camponeses, atraindo as classes médias, parte da burguesia nacional e, inclusive, setores do mandarinato.

 

As intensas atividades de Ho Chi Min acabaram por ser detectadas pelos serviços secretos francês e inglês. Ho foi preso em Hong Kong, em junho de 1931. Apesar dos esforços do governo francês para que Ho fosse entregue a ele, a Liga Anti-Imperialista pela Independência Nacional conseguiu pressionar o governo britânico e, através da Cruz Vermelha Internacional, obter sua soltura, em 1933. Entre 1934 e 1938, Ho Chi Min permaneceu na União Soviética, estudando e realizando atividades relacionadas com a IC. Preparava-se para enfrentar os grandes desafios que o quadro internacional de nova disputa inter-imperialista, através da guerra, colocaria diante de seu povo.

 

Wladimir Pomar é escritor e analista político.

 

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates