topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Aug   September 2016   Oct
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
252627282930 
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

A Pensão da Dona Loló Imprimir E-mail
Escrito por Julio Cesar de Castro   
Sábado, 22 de Maio de 2010
Recomendar

 

Ah, o mundo sempre foi/ Um circo sem igual
Onde todos representam/ Bem ou mal
Onde a farsa de um palhaço/ É natural...

 

Sonhos de um palhaço (Antonio Marcos/ Sérgio Sá).

 

Existiu no início dos anos de 1980, no bairro da Bela Vista, capital de São Paulo, uma distinta mulher, cinqüentona corpulenta, tipo polaca, cabelos desalinhados, que se dizia "viúva de comunista", deslumbrada com a eclosão de lutas sociais pela "nova esquerda". E quando se falava em PT e CUT ainda, ela era olhos receptivos de entusiasmo só. Sobrevivia de pensão do falecido e, aparentemente, não tinha filhos. Orgulhava-se de não ter de pagar aluguel, pois possuía bem imóvel.

 

Dona de uma casa de cômodos grandes e arejados, sobretudo a cozinha bem-equipada, e com sanitários amplos, amava recepcionar "militantes socialistas". Generosa e de visão romântica da transformação social por organizações populares e sindicais em curso, costumava oferecer "de grátis" refeições reforçadas àqueles(as) que se identificavam por "companheiro(a)". Assim, nos horários de almoço e de jantar, observava-se movimentação crescente naquela casa, quase sempre sem contrapartida alguma pelos que ali se fartavam ‘do bom e do melhor’.

 

Os freqüentadores "socialistas", nas esquinas das ruas ao entorno do Teatro Municipal de São Paulo (onde havia uma barraquinha de produtos promocionais do PT), se incumbiam de alardear aos ares: "Quem quiser pegar um rango esperto com direito a soneca num sofá, sem desembolsar um níquel, é só ir à Pensão da Dona Loló". "A senha de acesso à boca livre é afixar um botom com a estrela do PT na camiseta vermelha ou usar boné do partido, e se anunciar num grito de guerra Pátria livre! Salve a Classe Trabalhadora!". "Quem souber assobiar a Internacional (hino) então, será bem-vindo lá". "E... pronto! Estará o companheiro de estômago forrado, cafezinho quente, à vista de boa televisão; como manda o trato da Revolução".

 

Ressalta-se que os ingratos aproveitadores daquela casa, em sua maioria rudes, mal-educados, de pouca formação política, boquirrotos e errantes, de vida dolce far niente (agradável ociosidade), sequer ajudavam na lavação dos utensílios de cozinha, não davam descarga no sanitário, jogavam papéis sujos e guimbas pelo chão... E exigiam "porteira aberta", sem tranca à chave, num entra-e-sai como que casa de mãe Joana. E quando utilizavam a sala de visitas daquele imóvel, sob o pretexto de "reuniões de encaminhamento" - leia-se ‘repone’ -, geralmente até altas horas da noite, quando saíam, o ambiente era desolador: cheiro de cigarro, desarrumação dos móveis e sujeira por todo canto. Até as canecas de café por lavar largavam sobre os parapeitos da casa.

 

Contudo, como era de se esperar, sem receita para as despesas de alimentação, energia elétrica, água e limpeza, aquela "revolucionária de coração" foi à decadência. Por conseguinte, aos montes e de fininho, sumiram todos os "socialistas", ignorando a existência da Pensão da Dona Loló. Tempos depois, por bocas miúdas, soube-se que aquela hospitaleira senhora havia passado dessa para a melhor; em cujo enterro não deram o ar da graça os que juraram honrar a luta dos explorados e oprimidos. Para muitos desses velhacos, o rumo foi... "saída pela Direita".

 

Julio Cesar de Castro, Belo Horizonte/MG.

 

Contato: jota.castro(0)yahoo.com.br

 

Recomendar
Última atualização em Quarta, 23 de Junho de 2010
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates