topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
A eleição presidencial e os seus riscos Imprimir E-mail
Escrito por Paulo Passarinho   
Sexta, 14 de Maio de 2010
Recomendar

 

Formalmente, não entramos ainda na fase de campanha eleitoral. Mas, levando-se em conta a legislação, temos os chamados pré-candidatos e, particularmente, os candidatos extra-oficiais, arbitrados pela imprensa dominante. As páginas dos jornais de grande circulação, os telejornais e outros programas televisivos, além de estações de rádios, já deram início à fase de cobertura jornalística da dita corrida presidencial, restringindo a disputa a apenas três postulantes à presidência da República.

 

Dilma Roussef, José Serra e Marina Silva foram os eleitos pelo oligopólio que controla a mídia, coerente com os interesses de quem financia predominantemente esses meios de comunicação, e que, coincidentemente, também se constituem como os principais financiadores das campanhas eleitorais. São bancos, construtoras, seguradoras, mineradoras, siderúrgicas, empresas ligadas ao agronegócio, além de transnacionais de outras áreas.

 

Esses setores vão jogar dinheiro nesses candidatos, pois todos eles oferecem sólidas garantias de manutenção de todo o arcabouço jurídico-institucional que se construiu no país, a partir dos governos de FHC, bem como da política macroeconômica sob controle de bancos e instituições financeiras.

 

Desses três diferentes candidatos, duas são mulheres – ex-ministras do governo Lula – e o outro é o tucano postulante à presidência, já derrotado uma vez, em 2002.

 

Dilma é a candidata do governo; Serra seria a oposição à direita; e Marina, correndo por fora, a alternativa verde, com seu programa eco-capitalista, independentemente do que possamos entender o que isso significa.

 

Para os mais críticos, essa disputa teria uma natureza meio Lexotan, possibilitando doses cavalares de sono, além da garantia – já percebida pelos financiadores de campanha – de que tudo, em suas linhas gerais, continuará na mais perfeita ordem dos que dominam o país.

 

Contudo, muitas vezes o inusitado acontece, nem que seja por conta do próprio sono ou pelo horário matinal das entrevistas realizadas com esses candidatos.

 

Foi o que ocorreu com o tucano Serra, nesta última segunda-feira, dia 10 de maio.

 

Entrevistado pela rádio CBN, de propriedade das Organizações Globo, Serra se envolveu em uma discussão com a jornalista Miriam Leitão, por conta de suas opiniões em relação ao Banco Central, espécie de bunker da política econômica recomendada pelos tais setores dominantes, financiadores da mídia e dos políticos de confiança do mundo do capital.

 

Serra criticou a condução da política monetária, as altas taxas de juros e especialmente a ação do Banco Central, no segundo semestre de 2008, em meio à crise financeira global.

 

Questionado pela jornalista se, caso eleito, iria respeitar a autonomia do Banco Central, Serra se mostrou bastante irritado, respondendo que seria uma grande bobagem um presidente observar que o seu banco central erra e nada fazer. O tucano chegou a afirmar que "o Banco Central não é a Santa Sé" – como que suas medidas não pudessem ser questionadas -, ponderando, entretanto, que isso não significa não dar condições de autonomia e trabalho à instituição.

 

Foi o suficiente para que as editorias dos jornais encontrassem, nessas declarações, a centelha que faltaria para esquentar o debate entre os presidenciáveis eleitos pelos donos da mídia dominante. O jornal O Globo chegou a estampar uma manchete, no dia seguinte à entrevista, veiculando o brado de Serra de que Igreja e Banco Central não devem ser confundidos.

 

Esforço em vão e destaque imerecido. Na própria segunda-feira, na parte da tarde, Serra já procurava esclarecer a sua posição, afirmando que a sua relação com o Banco Central, caso ele venha a ganhar as eleições, seria idêntica à conduta assumida por FHC e Lula frente à instituição. E aproveitou a ocasião para atribuir ao horário da entrevista na rádio CBN – 8h da manhã – a sua irritação, ou falta de bom humor, nas respostas dadas à jornalista da emissora, de quem se declarou "um grande admirador".

 

Será difícil, assim, a imprensa dominante tentar esquentar a polêmica entre os seus candidatos, a partir da oralidade de Serra.

 

O dado curioso dessa falsa polêmica foi a rapidez com que as ex-ministras de Lula – Marina e Dilma – procuraram se posicionar, afastando qualquer tentativa de crítica à atuação do Banco Central. A "alternativa" Marina não somente destacou que "a experiência brasileira mostra que foi acertada a autonomia do Banco Central", como aproveitou para defender o tripé da política macroeconômica: superávit primário, câmbio flutuante e metas de controle de inflação.

 

A depender dos três candidatos da mídia dominante, além do palpitante clima Lexotan da campanha, teremos esse mantra liberal a embalá-la. Haja resistência a tanta mesmice!

 

Porém, a vida pelo mundo afora nos mostra que as certezas desses três candidatos – com relação à predominância do setor financeiro na condução dos nossos destinos – pode nos produzir surpresas desagradáveis.

 

A crise financeira global, que para muitos já havia se dissipado, após as instabilidades do segundo semestre de 2008, voltou a se manifestar com vigor. O continente europeu, sacudido pela crise na Grécia, sente que os prejuízos dos seus bancos – e de bancos americanos também – não ficarão restritos a Atenas. Depois de um pacote de 110 bilhões de euros, articulado conjuntamente pela União Européia e pelo FMI – para salvar bancos, e não os gregos, e onde até o Brasil foi convocado a dar a sua contribuição – uma outra vultosa operação financeira foi engendrada.

 

No montante de 750 bilhões de euros, agora voltado para a cobertura dos demais países europeus com dificuldades de pagamento frente aos seus diligentes credores, linhas de financiamento para a garantia de novos empréstimos e recursos para um fundo de estabilização e para operações de crédito foram as medidas anunciadas.

 

Na Grécia, a crise já transborda para a esfera política, e em outros países europeus, como é o caso da Espanha, Portugal, Irlanda e Itália, o caminho poderá ser o mesmo. Na Espanha – onde os seus bancos têm estreitos negócios com o Brasil -, o anúncio de um pacote de medidas fiscais, que incluem corte de salários e de investimentos, além de congelamento de aposentadorias e direitos sociais, fará com que ações de resistência da população afetada venham a ser cada vez mais fortes.

 

A grande questão será a capacidade que os setores de esquerda desses países terão – ou não – de saber traduzir as angústias das ruas e das fábricas em programas de ação e políticas de Estado capazes de oferecer soluções para a crise, de acordo com os interesses dos trabalhadores, e não dos financistas.

 

Nos anos 1930, a crise capitalista empurrou a ascensão de partidos de direita – inclusive o Nazista, na Alemanha – ao poder, em vários países da Europa. Agora, com uma social-democracia que já se rendeu ao neoliberalismo há muitos anos, urge que uma esquerda renovada, combativa e sensível aos dilemas do dia-a-dia do povo – e não apenas a doutrinas ideológicas, muitas vezes ultrapassadas ou inócuas – se coloque como protagonista da luta - política, econômica e cultural - de massas.

 

Aqui no Brasil, por outro lado, vivemos a oportunista e alienada euforia que a maior parte da ex-esquerda assume, com o aparente sucesso dos efeitos do modelo liberal-periférico e a popularidade de Lula.

 

Neste quadro, a fragmentação da esquerda brasileira - que não se rendeu à guinada política e ideológica do Partido dos Trabalhadores - na disputa presidencial desse ano não é um bom indício. Nem, tampouco, se pautar – como linha de intervenção de suas diferentes candidaturas – na combinação da denúncia das mazelas sociais e econômicas em que vivemos com a mera propaganda ideológica de um socialismo futuro e abstrato.

 

Paulo Passarinho é economista e membro do Conselho Regional de Economia do Rio de Janeiro.

 

Recomendar
Última atualização em Segunda, 17 de Maio de 2010
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates