Dela não nos livramos!

 

Grande parte da população crê que está distante da política. Não percebe, essa maioria, que a política está presente na vida de todos nós. A casa que nós moramos tem tudo a ver com a política habitacional. A feira que nós fazemos tem tudo a ver com a política salarial ou a política de emprego e renda. A nossa integridade física tem a ver com a política de segurança. A comida que consumimos tem a ver com a política de abastecimentos e preços. E assim vai. A política está presente em nossas vidas a todo o momento e, por sua vez, ninguém vive sem um discurso político na ponta da língua.

 

Senão vejamos: perguntemos a um simples trabalhador rural por que existe a fome e ele fará, com certeza, um discurso político dizendo: "acontece que o povo não quer mais trabalhar e daí existir a fome nesse meio de mundo". Isso é uma legítima falação política, embora as pessoas não percebam.

 

Continuando na nossa pesquisa, abordemos uma senhora e perguntemos: por que existe tanta violência? E ela de pronto irá responder: "A falta de Deus em nosso coração". Ao professor, que se pretende politizado, perguntemos qual é a causa de nossas mazelas sociais e ele dirá: "tudo é culpa do imperialismo ianque, que rouba nossas riquezas e nos mantém como um país semi-colonial".

 

E assim, podemos concluir que todos, desde o mais simples trabalhador ao brilhante letrado, têm o seu discurso, pois ele é inevitável. Resta saber se somos ou não portadores de um discurso correto ou se patinamos em cima de equívocos. Nas falas a que nos referimos, existem sim, os mais contundentes equívocos.

 

Cabe-nos, pois, construir um discurso que realmente corresponda à verdade política. Somente assim é que poderemos nos libertar dessa situação de atropelos e inseguranças.

 

Um projeto político correto teria de sair da compreensão de que vivemos no sistema capitalista e ele está completamente exaurido, incapaz de resolver qualquer uma das mazelas sociais que nos afligem. Partindo daí, haveremos de formular o discurso da verdade, o discurso anticapitalista.

 

Gilvan Rocha é presidente do CAEP - Centro de Atividades e Estudos Políticos.

 

Blog do autor: http://www.gilvanrocha.blogspot.com/

 

{moscomment}

Comentários   

0 #1 dela, da política, não nos livramosguimarães s. v. 08-05-2010 03:53
bravo! camarada Gilvan, você pôs o dedo na ferida. todos dizem não gostar de política, mas todos, sem exceção, fazem seu discurdo político. e à esquerda cabe fazer o dicurso político correto, que não é o que vem fazendo. um discurso semi acadêmico, prenhe de palavras de ordem, em linguagem inaccessível ao povão, a massa votante. defendo um discurso incisivo, claro, correto, focado no atendimento das demandas populares e satisfação das necessidades básicas dos menos favorecidos ou dos mais desfavorecidos, vale dizser, dos margimalizados e dos excluidos. o ideário socialista está embutido, sem a menor dúvida neste discurso. abração psolcomunista.
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados