A fórmula da trapaça

0
0
0
s2sdefault

 

O Partido dos Trabalhadores, quando surgiu, dizia que seria um partido diferente. Aliás, o seu único propósito explícito era o de ser diferente, sem dizer, contudo, em que consistiria essa tal diferença. Somente após chegar ao governo foi que pudemos descobrir a originalidade do PT, que seria, tão somente, "a fórmula da trapaça". Em que consiste tal fórmula? A bem da verdade, ela não é nova, já foi experimentada ou levada à prática por grandes populistas como foram Juan Perón na Argentina e Getúlio Vargas no Brasil.

A essência da trapaça consiste em assegurar aos banqueiros e aos grandes capitalistas, nacionais e internacionais, segurança e lucros, enquanto o governo populista administra as tensões sociais praticando políticas compensatórias para a massa do povo mais desprovido, ao mesmo tempo em que engessa as centrais sindicais e centrais estudantis, submetendo-as ao silêncio e ao imobilismo.

 

Por essa razão é que a burguesia, particularmente os banqueiros e empreiteiros, enchem os cofres do PT com generosas doações. E, como temos repetidamente dito, não é com os políticos ideológicos dos partidos de direita que o governo petista procura se harmonizar. Muito pelo contrário, o partido dito dos trabalhadores pratica uma estreita comunhão com que existe de pior entre os políticos fisiológicos da velha burguesia, como são Paulo Maluf, Orestes Quércia, José Sarney, Jader Barbalho, Romero Jucá, Renan Calheiros e outros tantos tipos desse mesmo naipe.

 

A trapaça tem sido muito boa para os negócios da burguesia e tem semeado ilusões no seio das massas populares, como evidenciam os altos índices de aprovação ao governo petista. Caberia às organizações que se reivindicam de esquerda fazerem uma veemente denúncia desses fatos.

 

Porém, partidos como PC do B, PSB e o próprio PT tornaram-se partidos da ordem capitalista e, portanto, elementos de sustentação dessa vergonhosa trapaça. Em troca dos seus prestimosos serviços lhes são reservados milhares de cargos "em comissão" no vasto aparelho de Estado. Isso é simplesmente imoral.

 

Gilvan Rocha é presidente do CAEP- Centro de Atividades e Estudos Políticos.

Blog do autor: http://www.gilvanrocha.blogspot.com/

 

{moscomment}

Comentários   

0 #6 trapaça... intolerância... equívocos...guimarães s. v. 30-04-2010 07:47
engraçado! Gilvan, tanto seu texto quanto os comentários, cometem o mesmo equívoco. o de tentar substituir a ação por mero palavreado. o governo Lula é, em grande parte, ao menos apoiado por trapaceiros, mas o governo Lula também, em meros oito anos, mudou a cara do Brsil. fui petista, mas não lulista, e hoje estou no PSOL, convivendo com os mesmos erros do PT inicial, que a judei a construir e consolidar na Bahia nos idos de 1981-1987. os equívocos de que falo, incoridos pelo autor do texto e pelos comentaristas, é erro comum da esquerda, de toda a esquerda: a falta do sentido do humano, a falta de amor. a luta insana e ingente para livrar a humanidade do câncer capitalista tolda os olhos da mente e se perde o sentido do humano. Vou me permitir transcrever breves palavras de um veterano líder socialista francês em apoio a meu comentário: \"O que hoje queremos dizer é que a idéia religiosa, por momentos apagada, pode reapossar-se dos espíritos e das consciências, visto que as conclusões atuais da ciência os predispõem a recebê-la. Existe desde já, se assim se pode dizer, uma religião já pronta, e se ela não penetra neste momento nas profundezas da sociedade, se a burguesia é limitadamente espiritualista ou tolamente positivista, se o proletariado está dividido entre a superstição servil ou o materialismo apaixonado é porque O REGIME SOCIAL ATUAL É UM REGIME DE EMBRUTECIMENTO E DE ÓDIO, quer dizer, um regime irreligioso.
Não é, como dizem muitas vezes os declamadores vulgares e os moralistas sem idéias, porque nossa sociedade tenha a preocupação dos interesses materiais que ela é irreligiosa. Pelo contrário, há qualquer coisa de religioso na conquista da natureza pelo homem, na apropriação das forças do Universo às necessidades da humanidade. Não, o que é irreligioso é que O HOMEM NÃO CONQUISTA A NATUREZA SEM ESCRAVIZAR OS HOMENS. Não é a preocupação pelo progresso material que afasta o homem dos altos pensamentos e da meditação das coisas divinas, É O ESGOTAMENTO DO LABOR INUMANO QUE NÃO PERMITE À MAIOR PARTE DOS HOMENS, TER A FORÇA DE PENSAR NEM SEQUER DE SENTIR A VIDA, quer dizer Deus. É também A SUPERXCITAÇÃO DAS PAIXÕES VÍS, A INVEJA E O ORGULHO, QUE DESPERDIÇAM EM LUTAS ÍMPIAS A ENERGIA ÍNTIMA DOS MAIS VALOROSOS E DOS MAIS FELIZES. Entre a provocação da fome e a superexcitação do ódio, a humanidade não pode pensar no infinito. A humanidade é como uma grande árvore, cheia do ruído de moscas irritadas sob um céu de tempestade, e nesse zumbido de ódio a voz profunda e divina do Universo não é ouvida\". Trecho de artigo inédito sobre Deus, escrito por JAURÈS (1859-1914) no final de sua vida e que põe O SONHO SOCIALISTA EM SUAS DEVIDAS DIMENSÕES E O CAPITALISMO EM SEU DEVIDO LUGAR\".(grifos em MAIÚSCULAS de guimarães)
Citar
0 #5 IntolerânciaJoseley Lira 26-04-2010 19:00
A intolerância é o mal do século.... ninguém consegue agradar a todos o tempo todo...
Por isso, vamos dar a César o que é de César, não existe na história deste país, apesar das deficiências e roubalheiras de alguns elementos de determinados partidos e inclusive do próprio PT, um cidadão que tenha conseguido fazer tanto em tão pouco tempo apesar da torcida contra....

abraço,

Joseley Lira
Citar
0 #4 Vírus de nascençaClemar Manzoni 26-04-2010 15:03
Ótimo artigo, Gilvan, o PT em seu nascimento já tinha o vírus do oportunismo em seus principais dirigentes, só faltava mesmo tempo e crescimento para a doença se manifestar, quanto ao PSOL, respondendo a cidadã aí em cima, vai haver a depuração necessária no devido tempo, os oportunistas de plantão como HH, Luciana Genro e cia. podem voltar ao PT ou cantar em outra freguesia....
Citar
0 #3 valter 26-04-2010 14:30
qual projetos de vcs do pt, so se for do mesalao. projeto junto com maluf jader renan sarney vcs perderam foi a vergonha na cara se é que tinham ou era so farsa. mesmo o psol prefere nao chegar agora ao poder pra nao fezer como vcs disse fazer aliaça com esses que o pt faz vcs sao uma vergonha
Citar
0 #2 Uma outra leituraEuler 23-04-2010 19:29
O problema de parte da esquerda brasileira é que ela perde a perspectiva de momento. No caso, atacar Lula e Dilma sem fazer crítica pelo menos semelhante ou maior ao PSDB, ao Demo e a Serra é fazer o jogo da direita. E, a menos que se tenha uma revolução social a vista, o quadro eleitoral está polarizado entre Dilma e Serra. A primeira representa o governo Lula, que teve avanços sim, por mais que tenhamos críticas legítimas a política monetária que beneficia banqueiros e grandes empresários. Mas, não dá para desconhecer pelo menos três coisas: 1) tratamento respeitoso aos movimentos sociais, não criminalizando-os como fazia FHC e como fez Serra no governo de SP; 2) política externa de aproximação com os governos populares ou de esquerda ou anti-EUA da América Latina; e 3) maior investimentos na área social (bolsa-família, pro-uni, reajustes no salaUio mínimo), ainda que muito tímido em relação ao que se poderia fazer. A outra alternativa eleitoral é a direita, que domina a mídia golpista (Globo, Veja, FSP, etc), criminaliza os movimentos sociais, aposta na privatização das estatais e no desmantelamento do estado na parte voltada para os serviços sociais. Portanto, circunstancialmente, votar em Dilma tem o simbolismo de recusar o retorno do neoliberalismo de FHC, de abrir espaços para cobrar mudanças mais profundas na realidade brasileira. Quanto a dizer que o PT é um partido igual aos demais, podemos até concordar, em parte, mas, qual partido tem tido uma postura revolucionária neste cenário? E o que é ter uma postura revolucionária na realidade atual? Eis aí um debate que deve ser travado pela esquerda desde que não se perca de vista a realidade dos choques que estão em cena, inclusive a disputa eleitoral, que pode representar, para os assalariados de baixa renda, o avanço ou o retrocesso em relação às conquistas sociais.
Citar
0 #1 E o P-SOL?Zilda 23-04-2010 13:26
Gilvan, lamentável que do que você foi restou apenas essa figura ressentida e rancorosa. Qual a diferença entre PSOL e os outros partidos? Presenciamos Heloisa Helena de braços erguidos e entrelaçados com ACM comemorando suposta derrota do governo. O único senador que tinha votar contra a CPMF, ou seja votos, contra o povo. Ou você se esquece disso? Que os parlamentares do PSOL foram usados à exaustão - quando foi conveniente para a mídia e a direita? E agora, HH abriu mão do projeto pessoal dela para divulgar o partido? O PSOL também já é um partido institucional,da ordem. Está até rachado! Tão novo e tão cheio de arestas, interesses.Usa dinheiro de empresas e tece elogios a elas quando convém para obter financiamento de campanha.Foi assim, no RS com Luciana Genro, elogiando a RBS, etc. Portanto, ao invés de fazer artigos escorrendo fel pelos cantos da boca, faça-os educando, informando, formando politicamente os possíveis leitores. Aliás, torço muito para que alguém do seu partido seja eleito, não para o parlamento, porque lá é suficiente fazer discurso inflamado para a platéia. Mas para um cargo executivo, porque aí eu quero vê vocês administrarem sem alianças e fazer tudo que vocês imaginam que o PT poderia estar fazendo. Claro que sabemos que ó governo está deixando muito a desejar. Mas gostem ou não o Brasil não é mais o mesmode 2003 e não voltará a sê-lo. E sabe por quê. Porque o povo brasileiro merece e apesar de vocês a luta vai continuar.A posição mais cômoda é a de quem defende idéias e projetos irrealizáveis. Fica só no discurso para estudantes e desavisados se emocionarem.
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados