topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Aug   September 2016   Oct
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
252627282930 
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Carta do Haiti Imprimir E-mail
Escrito por D. Demétrio Valentini   
Terça, 20 de Abril de 2010
Recomendar

 

Em nome da CNBB e da Cáritas, esta é a semana da visita ao Haiti. Para conferir de perto a situação e ver melhor como dar continuidade à campanha em favor das vítimas do fatídico terremoto do dia 12 de janeiro.

 

Quando a viagem é importante, não se espera o regresso. Manda-se uma carta. É o que estou fazendo, na tentativa de transmitir ao menos algumas impressões, para depois com mais calma partilhar propostas concretas de cooperação com o povo haitiano.

 

Quando o avião estava sobrevoando Porto Príncipe, já dava para constatar a cidade arrasada. Certos quarteirões pareciam um amontoado de destroços, não um conjunto de casas. O Haiti ainda convive com os escombros. Não foram removidos. E convenhamos que não é fácil removê-los. Se anos depois da guerra, na Europa, ainda dava para ver algumas conseqüências da destruição, por que se imaginaria que o pobre Haiti fosse capaz de varrer da cidade e da memória os vestígios do terremoto? Por muitos anos, com certeza, o Haiti vai viver sob o espectro desta tragédia.

 

Do alto dava para ver o que depois conferiríamos de perto. Os espaços vazios, como praças ou campos de esporte, foram todos ocupados por milhares de tendas, para abrigar os que perderam suas casas ou não têm a coragem de se abrigar debaixo de estruturas completamente comprometidas. Durante o dia, o povo se apinha nas ruas, muitos zanzando atônitos, todos buscando sobreviver, através de toscas mercadorias que procuram vender ou no aguardo de alguma ajuda que possam receber.

 

Ao ver de perto esta realidade, voltava com freqüência a pergunta intrigante que teimava em se interpor diante da dura realidade deste povo que já era pobre e foi atingido duramente por esta catástrofe: afinal, neste Caribe que leva a fama de exuberante e encantador, por que alguns países foram adotados pelo progresso e outros ficaram relegados ao subdesenvolvimento?

 

Sejam quais forem as razões que se alegue, o Haiti ainda paga caro por ter madrugado na sua independência e ter sido ousado na abolição da escravidão já no início do século dezenove.

 

Impressiona ver casas de três ou quatro andares que desabaram completamente e se reduziram a um amontoado de escombros. Com certeza ainda servem de cemitério para muitas vítimas.

 

Dá para ver com clareza que certos lugares sofreram mais que outros. As causas são diversas. Depende do roteiro que o terremoto parece ter privilegiado, atingindo em seqüência certas regiões nitidamente mais danificadas. Mas com certeza depende também do tipo de construções, mais ou menos resistentes a abalos sísmicos. Depende do tipo de terreno, que precisaria ser analisado melhor antes de sobre ele se construir. São todas advertências que agora precisam ser melhor levadas em conta, na perspectiva da reconstrução que a partir de agora se impõe.

 

Pois, na verdade, nestes dias está acabando a primeira fase, a de socorro imediato. Começa a fase mais difícil, a da reconstrução. No dizer do Administrador Apostólico da Arquidiocese de Porto Príncipe, é preciso transformar a calamidade em oportunidade. No Haiti o mundo todo tem lições importantes a aprender.

 

Entre tantas, uma sobressai: é urgente que o Haiti retome sua plena soberania, para se tornar ele próprio o protagonista de sua reconstrução e para que a solidariedade que o mundo inteiro está disposto a oferecer possa encontrar a maneira adequada de se exercer.

 

No final desta semana, a Cáritas Internacional, com a presença das Cáritas latino-americanas, se reúne no Haiti, e juntas refletirão sobre a maneira de colaborar na ingente tarefa de refundar o país.

 

Pois assim parece se apresentar o desafio comum que todos sentimos. Mas uma carta não conta tudo. Este pouco é só para aguçar o interesse, para nos darmos conta das muitas causas que estão em jogo neste país que todos adotamos como interpelação do passado e como profecia de futuro.

 

D. Demetrio Valentini é bispo da diocese de Jales.

 

Website: http://www.diocesedejales.org.br/

 

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates