Partido do Chá: mais conservadorismo

0
0
0
s2sdefault

 

Não há um consenso sobre a recente origem dos chazeiros, adeptos de um posicionamento bastante conservador na política norte-americana; porém, é possível delimitar a movimentação de alguns de seus pioneiros. Entre eles, sobressaiu o deputado John Shadegg, representante do Partido Republicano no Arizona.

 

Em meio a uma divergência com os democratas sobre a política energética ao final do ano legislativo, este parlamentar afirmou que aquele momento era similar ao do antigo Partido do Chá de Boston. A alusão ao protesto violento dos súditos daquela cidade em dezembro de 1773 contra a Lei do Chá da Grã-Bretanha ocorreu por causa da hipotética tentativa da Presidência da Casa, sob liderança democrata, de limitar a palavra à oposição.

 

Na sua visão, os Estados Unidos deveriam ampliar sua exploração interna de petróleo e gás, a fim de diminuir a dependência de ‘inimigos’ como Hugo Chávez e de reduzir os preços dos dois produtos. Por que depender de outros países, se haveria no próprio país a quantidade necessária — trilhões de metros cúbicos de gás natural, por exemplo, localizados na costa?

 

Na prática, o movimento adquiriu forma com a vitória de Barack Obama. Enfraquecidos, setores ainda mais à direita dos republicanos organizaram-se fora do próprio partido poucos dias após a passagem do bastão do poder; o seu o objetivo era granjear o apoio do eleitorado reticente no tocante a planos governamentais de estímulo econômico ou de auxílio a determinados segmentos industriais ou financeiros.

 

Até o presente momento, a conta da crise de 2008 custou em torno de dois trilhões de dólares a Washington e já contribuiu para ampliar o déficit orçamentário nos anos vindouros – provavelmente dobrá-lo em meia década e triplicá-lo em um decênio.

 

Portanto, o governo democrata resguardaria o chamado interesse especial – representado por grandes conglomerados – em vez do nacional, ao atribuir a conta do mau gerenciamento ao contribuinte comum. O primeiro a materializar a insatisfação teria sido o jornalista Rick Santelli, do canal pago Consumer News and Business (CNBC), um dos vinte maiores dos Estados Unidos – pertence ao grupo NBC Universal.

 

Ele protestou contra o auxílio governamental às instituições hipotecárias, sob a invocação de proteger os adquirentes em curso, a partir de Chicago em fevereiro último. Para ele, a sociedade não poderia arcar com a eventual irresponsabilidade de quem quis possuir um imóvel acima de suas possibilidades financeiras.

 

Em poucos dias, sua postura repercutiria em todo o país, graças à facilidade de acesso da população à rede. Sítios seriam estruturados para divulgar apoio ao protesto. Com alguns milhares de dólares gastos em anúncios no Google e no Youtube, a mensagem propagou-se sobremodo.

 

Os republicanos mais conservadores logo se identificaram com a movimentação. Um deles foi o parlamentar texano Ron Paul, egresso do Partido Libertário, participante em 2008 das prévias presidenciais em que saiu vitorioso o senador John McCain.

 

No Partido Libertário, o terceiro maior do país, clama-se também a autoria da mobilização chazeira, por ter sido supostamente organizada em Illinois uma semana antes da queixa de Santelli, a quem teria cabido o mérito de amplificar a insatisfação.

 

Os libertários, oficialmente sob denominação partidária desde 1971, destacam-se por opor-se ferreamente a impostos, considerados sempre altos; subsídios, avaliados como ineficientes à inovação; déficits orçamentários, fardo constante para os contribuintes ingressantes; e nacionalizações, observadas como desestimulantes ao crescimento econômico.

 

Na perspectiva libertária, compartilhada com a de vários republicanos, o governo seria constantemente um gigante perdulário a extrair de maneira infindável os escassos recursos dos cidadãos trabalhadores.

 

Por outro, críticos dos chazeiros afirmam que o movimento é em boa extensão artificial, no tocante a um eventual apoio popular amplo. Para eles, os meios de comunicação, via digital principalmente, teriam amplificado sua repercussão – astroturfing no dizer dos norte-americanos, em alusão à grama falsa, isto é, sintética.

 

Virgílio Arraes é doutor em História das Relações Internacionais pela Universidade de Brasília e professor colaborador do Instituto de Relações Internacionais da mesma instituição.

 

{moscomment}

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados