topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Aug   September 2016   Oct
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
252627282930 
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
As energias do futuro e os futuros do Pré-Sal: Energia renovável (IV) – síntese e eixos Imprimir E-mail
Escrito por Pergentino Mendes de Almeida   
Terça, 13 de Abril de 2010
Recomendar

 

O que vimos até agora nas primeiras partes desta matéria?

 

Nas partes anteriores desta série sobre "As Energias do Futuro e os Futuros do Pré-Sal" tentamos fazer um apanhado muito geral do que sabemos a respeito, como pano de fundo para delinear as incertezas que temos de considerar a respeito desse tema.

 

A idéia desta série foi provocada por uma afirmação do Prof. Delfim Neto num programa do William Waack na GloboNews. Algo assim como: "quem vai definir os rumos do futuro são os Estados Unidos e nós só vamos ficar sabendo quando eles levantarem a cortina" para revelar o que estão pesquisando.

 

Entendo que essa afirmação do Prof. Delfim Neto foi uma provocação meio jocosa, embora séria, no final do programa. Implícita nessa frase fica a idéia de que os Estados Unidos, ou alguma entidade igualmente poderosa e global (qual?), estão preparando uma mudança importante que, quando pronta e revelada, terá de ser aceita por nós e por todos, como uma imposição do destino (e deles, é claro).

 

Ora, tais associações de idéias (imputem-nas a mim, e não ao professor) me despertaram a curiosidade. O que está sendo feito, pesquisado ou preparado nos Estados Unidos e no resto do mundo, que o futuro nos reserva? O que acontece por trás da cortina?

 

Decidi pesquisar e, lá pelas tantas, dei-me conta de que eu estava aprofundando cada vez mais um tema que parece areia movediça, mais fundo do que o Pré-Sal.

 

Uma primeira conclusão minha é que a montagem de cenários futuros para o Brasil e o Pré-Sal tem de levar em conta as perspectivas e incertezas do petróleo, do efeito estufa e das possíveis energias do futuro – mas esses temas terão de ser tratados separadamente, pois o espaço aqui não permite desenvolver ambos num só fôlego.

 

Então, vamos por partes.

 

Para as energias do futuro e os futuros da energia cabe um projeto complexo e extenso de cenários, como preliminar para a discussão de estratégias. Prometo rascunhar uma sugestão a respeito e, quem sabe, incluir interessados a se aventurarem nessa empreitada ambiciosa. Chamemos a esse esforço de "Projeto X", que fica para depois.

 

Para os futuros do Pré-Sal e suas conseqüências para os futuros possíveis do Brasil, devemos considerar os cenários e possíveis conclusões do Projeto X, ao lado e simultaneamente com as perspectivas e incertezas específicas do Brasil, do Pré-Sal brasileiro e de nossa economia. Tal é o tema deste projeto, "As Energias do Futuro e os Futuros do Pré-Sal". Nele, levarei em consideração o que já aprendi a respeito das energias do futuro no mundo e as minhas conclusões, ainda que talvez provisórias.

 

Vamos resumir o que sabemos para intuir o que não sabemos

 

Parte I – Energia Renovável

 

Verificamos alguns pontos importantes:

 

Não existe segredo a respeito do que está sendo pesquisado e desenvolvido nos Estados Unidos e no mundo todo. O segredo reside nas soluções desenvolvidas em cada caso, mas os caminhos e os destinos prováveis estão definidos.

 

Enquanto associamos "energia renovável" ao etanol brasileiro, os pesquisadores e autoridades do resto do mundo pensam, de modo mais genérico, em biomassa: qualquer fonte de celulose.

 

O etanol de cana-de-açúcar está incluído como um dos métodos de produção mais eficientes nessa categoria geral, mas outras alternativas estão sendo buscadas. Dentre as alternativas, estão os processos de produção a baixas, médias e altas temperaturas.

 

O etanol brasileiro é produzido a baixa temperatura e constitui uma tecnologia relativamente simples, barata e primária. Essa é a nossa vantagem. Mas esse "know-how" não é patenteável e pode ser facilmente recomposto em outros países que venham a interessar-se.

 

A nossa propalada experiência no uso do etanol em motores de combustão interna, embora subsidiada há décadas pelo governo brasileiro, pertence a multinacionais cujo poder de decisão encontra-se em Chicago, Detroit, Tóquio, Frankfurt, Munique, Londres, etc.

Para os americanos, não compensa apoiar o etanol de cana-de-açúcar brasileiro, uma vez que eles não teriam controle sobre os insumos, o processo, patentes e domínio dos meios de produção.

 

O apoio do governo americano ao etanol de milho e ameaças de sobretaxas sobre o etanol brasileiro são um gesto político simbólico de satisfação a certos lobbies internos e oferecem poucas perspectivas realistas. Se realmente resolvessem adicionar meros 10% a toda a gasolina que consomem nos veículos, os produtores de milho não dariam conta do recado e as conseqüências seriam danosas para o mercado de alimentos.

A alternativa – trocar o metanol e o etanol americanos pelo brasileiro – é-lhes inaceitável. Se já estão machucados com a dependência frente aos árabes, eles nem querem pensar em depender de latinos e/ou brasileiros. Para esse tipo de energia, o ideal deles seria a produção de biocru, petróleo sintético, por meios sofisticados, "capital-intensive" e patenteáveis.

 

Se pressionados, acabam aceitando o nosso etanol em troca de garantias de maior apoio às leis de direitos autorais e patentes. Sairão ganhando quando acreditarmos que ganhamos.

Os Estados Unidos e muitos outros países já estão produzindo energias alternativas de modo prático, em caráter experimental, tanto para transporte como para a rede elétrica.

 

As grandes empresas de petróleo e as montadoras de carros lideram essas pesquisas e já dispõem de uma gama de soluções alternativas ao petróleo fóssil. Não se trata apenas do biocru, mas também das baterias elétricas, das células a combustível, do gás natural, do hidrogênio, da energia atômica de quarta geração etc.

 

A longo prazo, as tendências estão claras em suas linhas gerais nos esforços atualmente em curso. Elas apontam para futuros com predomínio de gás, em seguida do hidrogênio, e finalmente da energia atômica.

 

Existem muitos estudiosos que consideram que quase todas essas soluções não são nem limpas nem renováveis.

 

Para eles, renovável e limpa é apenas a energia gerada por forças naturais, como o vento (eólica), as correntes marítimas, as marés, as correntezas e quedas d’água, e a solar. Aqui as opiniões se dividem: Mark Jacobson e Mark Delucchi, por exemplo, afirmam que é possível suprir todas as necessidades de energia do mundo a partir de 2030 apenas usando as fontes eólicas, hidráulicas e solares (cf. Scientific American de novembro de 2009).

 

Entretanto, a maior parte desses estudiosos divergentes reconhece que as fontes limpas e renováveis deverão ter um papel cada vez mais importante, porém complementar ao petróleo, as gás, ao hidrogênio e à energia atômica.

A energia nuclear propriamente dita, com base na fusão e não na fissão atômica, poderia proporcionar a energia mais barata possível, quase de graça, e praticamente ilimitada.

 

Mas discute-se ainda se esse sonho é viável ou não, desde o ponto de vista tecnológico. Trata-se de um "coringa" no jogo: se alguém tiver uma idéia genial, amanhã mesmo, que resolva a questão, depois de amanhã o mundo será outro.

 

Mas isso pode acontecer amanhã ou daqui a vinte, cem, duzentos anos, ou nunca. Por enquanto, vamos desconsiderar essa incerteza, apenas para simplificar o processo – embora reconhecendo que, na metodologia de Cenários Prospectivos, nunca se deve desconsiderar coringas.

Em qualquer caso, existe algo que não é dúvida para ninguém: o carbono é o vilão. Se é que ele já não causou danos (talvez irreversíveis) ao planeta até ontem, amanhã causará. Com certeza.

 

Portanto, até as empresas de petróleo admitem que: 1) é preciso restringir a emissão de carbono na atmosfera; 2) é preciso capturar e seqüestrar o carbono emitido; 3) é preciso desenvolver fontes alternativas de energia.

 

Os anúncios institucionais dessas empresas e suas atividades de R&D demonstram isso. Só negam esses fatos alguns poucos lobistas pagos pelo governo saudita e por algumas empresas do ramo petroleiro.

 

Se a liberação de CO2 na atmosfera é o vilão reconhecido e se temos armas para enfrentá-lo, então por que não se tomam providências mais concretas e imediatas?

 

A resposta é simples: o problema é econômico-financeiro e geopolítico. As empresas com porte suficiente (capital), recursos (meios de produzir e distribuir o produto em larga escala) e tradição (know-how) no campo das energias não têm qualquer razão para precipitar um processo que acabará por sucatear todo o seu ativo atual, acumulado desde o nascimento da Era do Petróleo no século XIX. E, para fazê-lo, teriam de imobilizar enormes somas de capital, como investimento de risco a longo prazo.

 

Afora as grandes empresas já interessadas no processo, restam os governos para fazer o que se sabe que deve ser feito. Mas hoje essa é uma idéia impensável: seria acusada de socialismo. Talvez o seja, ou venha a sê-lo.

 

Mas a idéia não é tão absurda assim, nem no âmbito do capitalismo. Ela encontra precedentes históricos no nascedouro do Capitalismo Moderno. Foi o mercantilismo dos reis absolutistas que propiciou as grandes descobertas, as conquistas, o Renascimento, a Era Moderna. Foi o governo americano quem financiou a criação da ARPANET, que cresceu para transformar-se na atual Internet. A corrida espacial que gerou a cobertura planetária por satélites de comunicação começou como uma iniciativa estatal e militar.

 

Esse seria um outro coringa. Eis aí um cenário que consiste só de dúvidas: o que poderia levar o mundo atual e a sociedade americana a aceitá-lo, se é que alguém se dispusesse a defendê-lo? Leve-se em conta que hoje não temos União Soviética nem desafio bipolar em geopolítica.

 

Parte II – As Energias do Futuro, em que tentamos explicar o modelo teórico desenvolvido por T. Modis, baseado num sistema de equações logísticas

 

Eu já tinha conhecimento dessa aplicação, mas foi a primeira vez que a vi estampada e confirmada pela análise das séries históricas das várias fontes de energia, desde o nascimento da civilização: a lenha, o carvão, o petróleo, o gás, o hidrogênio, as naturais renováveis e a energia nuclear.

 

A energia hidráulica ficou fora dessa análise de Modis porque ela não está disponível a quem quer que precise dela e pretenda adotá-la. Novamente aqui essa fonte de energia, relativamente limpa e tão importante na matriz energética brasileira, é um privilégio de poucas nações, das quais talvez o Brasil seja o maior privilegiado por Deus. Essa é uma vantagem nossa, a ser levada em consideração sob qualquer hipótese de futuros possíveis.

 

Mas o resultado da análise de Modis demonstrou algumas verdades e tendências:

 

A sucessão de ciclos de fontes de energia não se opera por etapas estanques. As sociedades vão evoluindo de uma para outra em termos de suporte econômico e vantagens relativas – aos poucos. As transformações operadas podem acontecer, como realmente acontecem, sob nossas vistas, antes de nos darmos conta delas.

 

Assim é que, por exemplo, o ciclo da lenha como combustível foi superado há séculos – mas ainda existe consumo de lenha como combustível no mundo.

 

Todo o progresso efetuado nesse campo pode ser visto como uma procura por fontes mais eficientes, ou seja, aquelas que melhor aproveitam a combustão.

 

Após milhares de anos de predominância da lenha como fonte de energia, vieram o carvão e depois o petróleo como fontes predominantes.

 

O modelo indica uma decadência do petróleo a partir de agora. Não que ele vá perder toda a sua importância econômica, e nem que vá perder importância assim de repente. O seu consumo crescerá menos, até que eventualmente se estabilize como fonte de energia superada a longo prazo. Mas, antes disso, o petróleo vai ter décadas de importância substancial.

 

O próximo grande ciclo deverá ser o do hidrogênio, enquanto a energia atômica vai crescendo e deverá (pelo modelo teórico) superar as demais em importância.

 

Parte III: Aonde queremos chegar?

 

Se a metodologia de ‘Cenários’ se justifica pela predominância de incertezas sobre as certezas, da complexidade e da concorrência de causas concomitantes de raízes diversas, então esta é uma ocasião de aplicá-la. Mesmo as especulações de Modis são uma referência, mas não uma previsão científica provada.

 

Algumas coisas, entretanto, ficam demonstradas. Parece existir uma tendência à substituição das fontes de energia por outras mais eficazes, em que a razão molar C/H seja mínima – seja em que a emissão de carbono fique minimizada (consumo mais eficiente de carboidratos) ou anulada (como no caso da energia atômica).

 

Existem caminhos já traçados nessa direção e soluções testadas e em desenvolvimento. O problema é político, econômico e financeiro, mas pode ser solucionado em prazos relativamente curtos (em termos históricos). As mudanças fundamentais da matriz energética mundial parecem inevitáveis.

 

A principal questão, então, é que um exame dos futuros possíveis do Pré-Sal e do Brasil nesse contexto reduz-se, em última instância, a uma questão de horizontes temporais. Em quanto tempo lograremos explorar esse recurso, a que preço e em que contexto de consumo mundial? Conseguiremos explorá-lo à vontade ou seremos surpreendidos por essas mudanças da matriz energética?

 

Na próxima parte deste ensaio vamos tentar definir o campo de incertezas e escolher os seus eixos principais, para a elaboração de alguns poucos cenários tipificadores.

 

Leia mais:

 

As energias do futuro e os futuros do Pré-Sal: Energia renovável (I)

 

As energias do futuro e os futuros do Pré-Sal: Energia renovável (II)

 

As energias do futuro e os futuros do Pré-Sal: Energia renovável (III)

 

 

Pergentino Mendes de Almeida é diretor da AnEx – Analytical Expertise & Scenarios.

 

E-mail: pma(0)anexfuturos.com.br">pma(0)anexfuturos.com.br

 

Recomendar
Última atualização em Segunda, 10 de Maio de 2010
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates