O discurso estreito de Serra

 

Em qualquer eleição um candidato que pretende vencer tem de buscar ampliar, ao máximo, o arco de forças políticas que o apóiam e as faixas do eleitorado que aprovam suas propostas. Posto isto, cabe a pergunta: a quem José Serra quis se dirigir quando, no lançamento de sua pré-candidatura à presidência da República, atacou as "falanges do ódio" e declarou em alto e bom tom que quer ser o "presidente da união"? Num discurso pouco empolgante, mas muito duro, pareceu querer colar no PT e no governo Lula a pecha do sectarismo e da divisão do país entre ricos e pobres, e arrematou afirmando que, "quanto mais mentiras os adversários disserem sobre nós, mais verdades diremos sobre eles".

 

Será esta a estratégia mais correta para alguém que terá de enfrentar um governo que alcança mais de 70% de aprovação popular e tem prestígio em todas as classes sociais, segundo as pesquisas de avaliação? Será que os diversos setores empresariais das finanças, da indústria, do comércio e do agronegócio que aprovam o governo Lula vêem o Brasil hoje imerso numa luta entre ricos e pobres? Será que esta percepção de falta de união nacional existe entre a legião de brasileiros que ascenderam à classe média nos últimos anos?

 

Fernando Collor dizia que com seu governo pretendia deixar a direita indignada e a esquerda perplexa. Collor, como se sabe, fracassou em sua tentativa, e quem de fato conseguiu aquele feito foi Lula, por mais incrível que isso pudesse parecer há alguns anos. O demo-tucanato parece ter dificuldades de admitir que o PT e o governo Lula não dividiram o país. Ao contrário. O governo petista mostrou-se mais competente que o consórcio PSDB/DEM para administrar o capitalismo brasileiro, para desgosto da direita oposicionista e da esquerda socialista hoje abrigada nos pequenos partidos que surgiram de rupturas com o PT. Goste-se ou não, Lula promoveu uma revolução capitalista durante seu mandato e uniu boa parte do país em torno da produção, do crédito e do consumo, sobretudo pela incorporação de milhões de brasileiros pobres à economia. Não é a toa que chega ao fim de seu segundo mandato com altíssimos índices de popularidade, ao mesmo tempo em que grandes grupos empresariais multiplicam seus lucros e o povão consome como nunca consumiu.

 

Amplos estratos da base e do topo da pirâmide social brasileira estão se dando bem com este governo, ao passo que quem realmente não o tolera são alguns setores médios da população. De fato, certa classe média hoje no Brasil é movida por uma combinação de sentimentos que a faz sentir-se perdedora sob o governo Lula: a sensação de injustiça na relação custo/benefício entre tributos pagos e serviços públicos recebidos; a experiência de ver na ascensão dos brasileiros pobres a elevação do custo dos serviços que estes historicamente sempre lhes ofereceram a valores irrisórios; a indignação com a corrupção na esfera pública e, finalmente, o apego crescente a velhos preconceitos sociais. Desta forma, quando Serra afirma, em seu discurso, que, "de mim, ninguém deve esperar que estimule disputas de pobres contra ricos, ou de ricos contra pobres", busca inculcar no eleitor uma polaridade que não é percebida de forma tão radical no dia a dia da maioria das pessoas, à exceção talvez daqueles segmentos de classe média que desaprovam o governo Lula.

 

O brasileiro, via de regra, é conservador, e tem sérias restrições ao discurso do "nós contra eles" ou do "rico contra o pobre". Que o diga o próprio lulo-petismo, que apostou durante tanto tempo na contraposição de classes e que, uma vez no governo, trabalhou tão arduamente pela composição entre interesses tão divergentes quanto os que compõem uma sociedade tão complexa como a brasileira. Com um discurso onde parece querer jogar o "pobre contra o rico" no colo do PT e de Lula, Serra continua falando a uma faixa estreita da sociedade, dirigindo-se apenas a seu eleitorado cativo, de classe média, do centro-sul do país e vinculado ao setor privado, por quem o português "errado" de Lula, programas como o Bolsa Família e as cotas especiais nas universidades, por exemplo, são fortemente rejeitados.

 

É perfeitamente compreensível que o demo-tucanato queira livrar-se da imagem de partido das elites e das oligarquias que o lulo-petismo tenta lhe pregar, mas em tempos de pax lulista, com bons índices de crescimento econômico, lucros recordes obtidos pelas grandes empresas e níveis de renda e consumo ascendentes entre os mais pobres, não será extemporânea e improdutiva a aposta que a oposição parece fazer nessa espécie de "luta de classes", querendo imputá-la justamente a um governo tão macunaimicamente conciliador quanto o de Lula?

 

É curiosa a estratégia do demo-tucanato. Parece que quer tentar convencer o eleitorado de que pode manter a parte boa da herança do lulo-petismo depurando-a de Lula e do PT. Para isto aposta no mote "O Brasil pode mais". E o Brasil, apostará também?

 

Wagner Iglecias é doutor em Sociologia e professor do curso de Gestão de Políticas Públicas da EACH-USP.

 

{moscomment}

Comentários   

0 #6 Revolução e capitalismo se excluem mutuaAntônio Augusto 19-04-2010 05:10
“O governo Lula fez uma revolução capitalista”, diz o articulista.

Revolução e capitalismo mutuamente se excluem no Brasil.

O governo Lula é um governo de centro. Não é a alternativa preferida das classes dominantes, representada pelo PSDB-DEM-mídia conservadora e a candidatura Serra. Por isso o governo Lula sofre constante ataque dessas forças.

À esquerda revolucionária e socialista não interessa ficar no gueto. A direita é que a quer aí.

Dado o caráter plebiscitário da eleição, reflexo da atual correlação política de forças, cabe à esquerda revolucionária centrar fogo contra a candidatura Serra, aliar-se às bases populares do lulismo, o que se viabiliza na sua participação independente no apoio eleitoral a Dilma.

A esquerda revolucionária necessita de uma tática revolucionária acertada, imprescindível também no aspecto eleitoral.

Unidade com Dilma contra Serra!

Unidade com as bases populares do lulismo,

em defesa da luta democrática rumo ao socialismo.
Citar
0 #5 Capitalismo e democraciaJosé 17-04-2010 08:12
Análise bastante interessante. Lula agradou mesmo os ricos e os pobres com seu governo conservador. Contra ele só mesmo essa classe media paulista e sua midia. E também muitos de nós, que nunca sonhamos com essa "pax lulista" feita de consumismo mas sim com um governo que trabalhasse pelo aprofundamento da democracia e do socialismo, algo que realmente não ocorreu.
Citar
0 #4 RetíficaRaymundo Araujo Filho 16-04-2010 08:39
Quem perdeu a eleição para o Rigotto não foi o Olívio, afinal impedido pelo PT de tentar a reeleição e justificar ao elitorado o seu governo.

Mesmo entendendo que foi um governo de boas intenções, mas pessimamente conduzido e aparelhado por gente sem o menor preparo, eu achava justo que Olívio fosse o candidato à sucessão de seu primeiro mandato.

Mas, foi Tarso Genro quem operou o golpe, já preparando terreno para Lulla não ser incomodado pór um governador petista "de esquerda". E Tarso era o próprio "Paz e Amor"!.

Deu no que deu...O PT dividido, sem o próprio governador a fazer campanha para a sucessão, perderam para Rigotto.

Hoje, todos, de Olívio à Tarso chafurdam no Lullo Petismo-Dilmista, nos mostrando que mereceram o que tiveram. Nórs é que não merecemos!
Citar
0 #3 CabotinagemAndreB 16-04-2010 07:54
O discurso estreito de Serra e a cabotinagem do articulista: em seu pseudo analise do discurso da estreiteza de Serra, o articulista repassa vários chavões contrários ao Governo Lula. Reforça imagens e preconceitos, numa pretensa isenção "acadêmica" ; chato isso.
E Em seu texto aponta o seu próprio diagnóstico, a sua própria motivação em escrever o artigo: "certa classe média hoje no Brasil é movida por uma combinação de sentimentos que a faz sentir-se perdedora sob o governo Lula: a sensação de injustiça na relação custo/benefício entre tributos pagos e serviços públicos recebidos; a experiência de ver na ascensão dos brasileiros pobres a elevação do custo dos serviços que estes historicamente sempre lhes ofereceram a valores irrisórios"; se isso é verdade, como ele reforça a idéia - e foge da análise ao Serra! E conclui com o ecoar do seu "grito de guerra". Criticar ou analisar o gov Serra essa classe média e seus artculistas de fato não fazem. Reforçam o preconceito de forma dissimulada.
Citar
0 #2 EstratégiaAnderson 15-04-2010 15:25
Quando li sobre o discurso do serra e a tal "falanges do ódio" me lembrei da campanha para governador do estado do Rio Grande do Sul, quando o Olivio Dutra perdeu a eleição para o Germano Rigoto... naquela época funcionou o estilo "rigotinho paz e amor", será que o serra não está tentando usar um pouco desta mesma estratégia??
Citar
0 #1 Terezinha Vicente 14-04-2010 15:37
O que é que o Brasil pode mais? Enquanto análise, o artigo chama a atenção para algumas coisas importantes, mas defender a tal "pax lulista"?! Tô fora! É impossível agradar todas as classes sociais. Acho que Lula agradou em demasia a elite burguesa e deixou de implantar políticas e projetos que seriam de fato revolucionários (e não estou falando do socialismo); ele em nada mexeu de estrutural, apenas dividiu um pouco melhor o dinheiro do Estado, pois o dinheiro continua a ser acumulado e desviado pelos mesmos, a propaganda política na mídia favorece a mesma podre elite corrompida, o arco de alianças está largo demais - recuso-me a votar em Michel Temer, por exemplo. Até nos movimentos sociais, entidades de classe e afins, são os mesmos,embora cada vez menos militantes porque o lulismo só cresce à direita.
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados