Vinde a eles as criancinhas?

 

As sucessivas denúncias de pedofilia e abuso sexual cometidos por sacerdotes e acobertados por bispos e cardeais envergonham a Igreja Católica e abalam a fé de inúmeros fiéis.

 

No caso da Irlanda, onde mais de 2 mil crianças entregues aos cuidados de internatos religiosos foram vítimas da prática criminosa de assédio sexual, o papa Bento XVI divulgou documento em que pede perdão em nome da Igreja, repudia como abominável o que ocorreu e exige indenização às vítimas.

 

Faltou ao pontífice determinar punições da Igreja aos culpados, ainda que tenha consentido em submetê-los às leis civis. O clamor das vítimas e de suas famílias exige que a Santa Sé aja com rigor: suspensão imediata do ministério sacerdotal, afastamento das atividades pastorais e sujeição às leis civis que punem tais práticas hediondas.

 

A crescente laicização da sociedade européia reduz drasticamente o número de fiéis católicos e a freqüência à igreja. O catolicismo europeu, atrelado a uma espiritualidade moralista e a uma teologia acadêmica, afastado do mundo dos pobres e imbuído de um saudosismo ultramontano que o faz ignorar o Concilio Vaticano II, perde sempre mais o entusiasmo evangélico e a ousadia profética.

 

Dominado por movimentos fundamentalistas que cultivam a fé em Jesus, mas não a fé de Jesus, o catolicismo europeu cheira a heresia ao incensar a papolatria e encarar o mundo, não mais como "vale de lágrimas", e sim como refém de um relativismo que corrói as noções de autoridade, pecado e culpa.

 

Ao olvidar a dimensão social do pecado, como a injustiça, a opressão, o latifúndio improdutivo ou a apologia à desigualdade, o catolicismo liberal centrou sua pregação na obsessão sexual. Como se Deus tivesse incorrido em erro ao tornar a sexualidade prazerosa.

 

Como o Espírito Santo se vale de vias transversas para renovar a Igreja, tomara que as denúncias de pedofilia eclesiástica sirvam para pôr fim ao celibato obrigatório do clero diocesano, permitir a ordenação sacerdotal de homens e mulheres casados e ultrapassar o princípio doutrinário, ainda vigente, de que, no matrimônio, as relações sexuais são admissíveis apenas quando visam à procriação.

 

Ora, tivesse Deus de acordo com tal princípio, não teria feito do gênero humano uma exceção na espécie animal e, portanto, destituiria o homem e a mulher da capacidade de amar e expressar o amor através de carícias, e incutiria neles o cio próprio dos períodos procriatórios dos bichos, o que os faz se acasalar.

 

Jesus foi celibatário, mas é uma falácia deduzir que pretendeu impor sua opção aos apóstolos. Tanto que, segundo o evangelho de Marcos, curou a sogra de Pedro (1, 29-31). Ora, se tinha sogra, Pedro tinha mulher. E ainda foi escolhido como primeiro cabeça da Igreja.

 

Os evangelhos citam as mulheres que integravam o grupo de discípulos de Jesus: Suzana, Joana etc. (Lucas 8, 1-3). E deixam claro que a primeira pessoa a anunciar Jesus como Deus entre nós foi uma apóstola, a samaritana (João 4, 39).

 

Nos seminários e casas de formação do clero e de religiosos é preciso avaliar se o que se pretende é formar padres ou cristãos, uma casta sacerdotal ou evangelizadores, pessoas submissas ao figurino romano ou homens e mulheres dotados de profunda espiritualidade evangélica, afeitos à vida de oração e comprometidos com os direitos dos pobres.

 

No tempo de Jesus, as crianças eram desprezadas por sua ignorância e repudiadas pelos mestres espirituais. Jesus agiu na contramão dos preceitos vigentes ao permitir que as crianças dele se aproximassem e ao citá-las como exemplo de fidelidade a Deus. Porém, deixou claro que seria preferível amarrar uma pedra no pescoço e se atirar na água do que escandalizar uma delas (Marcos 9, 42).

 

As seqüelas psíquicas e espirituais daqueles que confiaram em sacerdotes tarados são indeléveis e de alto custo no tratamento terapêutico prolongado. As vítimas fazem muito bem ao exigir indenização. Resta à Igreja punir os culpados e cuidar para que tais aberrações não se repitam.

 

Frei Betto é escritor, autor de "Um homem chamado Jesus" (Rocco), entre outros livros.

 

{moscomment}

Comentários   

0 #4 matrimônio e patrimônioana reis 15-04-2010 15:27
Caro Frei Betto
será que a questão do celibato tem suas origens na prática essênica de Jesus?( não se serviam de mulheres nem de servos);
não é evidentemente determinante o processo de acumulação das riquezas da igreja a sua razão?
e vc acredita mesmo que a misoginia possa ser banida do discurso fundador do pecado original com a culpabilização de Eva ( uma mulher tão poderosa que sozinha virou o mundo, como disse argutamente Sojourner Truth em 1851..)?
só se o espírito santo for mesmo a face feminina de deus...
Citar
0 #3 Comovente amorRobson Santos 15-04-2010 12:57
Caro frei Beto,

Seu texto, sereno e esperançoso, mesmo a refletir sobre episódios tão escabrosos, fez-me lembrar, comovido, do infinito amor de nosso Jesus, já revelado aos pobres, subversivos, doentes, cobradores de impostos, prostituídos e toda a sorte de excluídos. Não poderia o Mestre esquecer-se das crianças - as quais, como lembrado no texto, eram tradicionamente desprezadas -, dando-lhes um novo \"status\", como símbolo universal da pureza e inocência. E, ironicamente, são elas as principais vítimas dos mesmos que arvoram falar em Seu nome...
Citar
0 #2 Inocência e CulpaJ. Olímpio 14-04-2010 15:38
Caro Frei Betto.
Sua visão do catolicismo europeu é instigante. Só discordo na questão do celibato. Ainda acredito no valor de uma vida sacerdotal casta. Pode ser ingenuidade minha, mas padres com esposas e filhos jamais poderiam doar-se totalmente ao Reino; sejam quais forem as vantagens "humanas" de poderem casar-se.
Citar
0 #1 Tarcisio Vanderlinde 14-04-2010 12:23
Como sempre, a análise de Frei Betto foi clara e precisa. É evidente que os casos de pedofilia não se restringem ao clero católico. Mas o que está vindo a tona é consequência de teologizar em cima de uma predisposiçao biológica natural. Tudo é consequência de mudar a ordem natural de Deus,ironicamente pela própria teologia. Alterar a ordem estabelecida por Deus utilizando-se da própia teologia acaba sempre tendo consequências. Até que demorou para a coisa estourar. Mas vamos crer que as coisas agora irão melhorar e que os padres possam ter uma vida afetiva normal como os demais filhos de Deus.
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados