topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
“Derrame” ataca justiça Imprimir E-mail
Escrito por Daniel Chutorianscy   
Qui, 01 de Abril de 2010
Recomendar

 

O DERRAME continua dizimando estupidamente uma população inteira. Continua "derramando" imprevidência, irresponsabilidade, incompetência neste país. O "derrame", como é popularmente chamado, é o Acidente Vascular Cerebral que, no Brasil, possui uma conotação ambígua: "derrame" é mais um imposto extraordinário. E que imposto extraordinário e cruel a população brasileira paga? Paga com suas vidas ou seqüelas pelas totais e absolutas cegueiras e descaso de governantes atuais ou antigos que optam pela política do "não quero ver, portanto, não existe".

 

Chega a ser impossível não deixar de ver: o Acidente Vascular Cerebral (AVC) ou "derrame" mata por ano, pelo menos, 250.000 brasileiros, de acordo com o bem informado canal oficial governamental (TV Globo, programa "Bom Dia Brasil" novembro de 2009) e deixa entre aqueles que sobrevivem uma legião de milhões de seqüelados, que se tornam "invisíveis" para a sociedade. Muita dor, desespero, angústia e frustração. E essas pessoas, ou melhor, cidadãos, continuam lúcidos.

 

Não existem no país campanhas nacionais de informação e prevenção, existem medicamentos protocolados, mas que não são utilizados nos hospitais públicos, particulares ou conveniados com o SUS que podem reduzir essas terríveis taxas em 50%. Nas Unidades de Saúde, não existem grupos para pacientes "avecerizados" e seus familiares, a exemplo do que ocorre com gestantes, cardiopatas, diabetéticos etc. Por que será?

 

Chega de "AVECERIZAÇÃO" social, não dá para suportar uma patologia que mata mais do que o câncer, a hipertensão, os acidentes de trânsito. O Brasil não é só campeão mundial de futebol, é campeão mundial de "derrames", como o AVC dos tipos isquêmico (85 %) ou hemorrágico (15%) que atingem qualquer faixa etária, como também de impunidade, injustiças sociais, morais e intelectuais.

 

Tudo representado por um sistema de saúde (???) que privilegia a doença, a morte, o consumo de álcool, fumo, alimentos contaminados (o Brasil é o maior consumidor de agrotóxicos do mundo, os transgênicos estão em todos as mesas dos brasileiros), as drogas (lícitas ou não), baixíssimos salários, contaminação do meio ambiente, hipertensão, diabetes, o "estresse" diário pela sobrevivência. Saúde, pois não?

 

O ataque à justiça

 

Uma ação popular, de abrangência nacional (impetrada em 25 de março de 2010 na 30ª Vara da Justiça Federal no Rio de Janeiro), tem como réus o governo federal e o Ministério da Saúde, ajuizada pelo autor deste artigo, defendida corajosa e brilhantemente pelo advogado Dr. Carlos Alberto Escobar, resolve questionar a omissão, incompetência, despreparo dessas instituições em tão grave caso de Saúde Pública, ou melhor, Doença Pública, um verdadeiro caso de Segurança Nacional, que mata do que "tsunamis", tufões ou guerras anualmente.

 

Uma guerra nacional de morticínios e massacres a cada dia do ano. "Saúde é bom e todo mundo quer mais". O que a ação popular exige de imediato: campanhas nacionais de informação e prevenção; diagnóstico rápido e eficiente; que hospitais públicos conveniados com o SUS e particulares tenham o medicamento adequado (trombolíticos, que desfazem trombos, uma "espécie" de entupimento no circuito cerebral, eficiente em mais de 60% dos casos se usado convenientemente até quatro horas após o AVC); grupos de pacientes "avecerizados" e seus familiares nas Unidades de Saúde, formando um Programa de Prevenção e Tratamento de AVC.

 

A Ação Popular é o único meio de o cidadão penetrar no "jurássico" sistema burocrático, elitista, autoritário e perverso. É claro, encontraremos muitas formas de resistência: a covardia, o clientelismo, o lucro, a indústria da doença, o "deixar de ver".

 

A Ação Popular não é uma mágica, é só um instrumento legal para tentar construir o óbvio, reposicionar aquilo que devia ter sido feito, "desavecerizar" a sociedade à qual pertencemos e "derramar" saúde, justiça e principalmente cidadania.

 

Mas, além da Ação Popular, é preciso muita pressão popular, numa ação que desmascare essa incompetência "dinossáurica", que surpreende a todos. Que o Ministério da Saúde produza verdadeiramente saúde, e não a institucionalização da doença, que o governo federal não governe pelos ditos orçamentos, quase todos hiperdimensionados pelo clientelismo e falcatruas, e sim pelas necessidades da população brasileira.

 

Finalizando

 

Chego a pensar que país é este, cujos cidadãos têm que entrar na justiça pelo óbvio, reivindicando o que já devia ter sido feito há muito tempo? Entrar na justiça por um preceito constitucional, que nunca foi realizado, ficou "esquecido", ninguém viu, ninguém sabe...

 

Pensem comigo: se essa ação demorar dez anos para chegar a uma solução (quem sabe qual?), terão morrido dois milhões e quinhentos mil brasileiros, ou mais, e talvez um número quatro vezes maior de seqüelados continuarão invisíveis mostrando sua face entristecida , esperando justiça e cidadania. Dessa questão nenhum de nós escapa: ricos, pobres, idosos, jovens, todos somos grupos de risco, e sem nenhuma proteção, informação e medicamentos adequados.

 

A AÇÃO POPULAR DERRUBA O DERRAME!

 

Daniel Chutorianscy é médico em Niterói, sofreu um AVC recentemente, não teve nenhuma chance usar o trombolítico, voltou a trabalhar com seqüelas, criou o Grupo AVC-PULANDO A CERCA, em agosto de 2009, que significa "dar visibilidade" e não a sacanagem habitual dos "derramadores" de falsas promessas, tornando-se referência para pacientes "avecerizados" e seus familiares, sendo o único apresentador de TV pós- avecerizado, no programa "Pulando a Cerca", canal 17 da NET – UNITEVE, o canal da UFF.

 

Contato: trenzinhocaipira(0)vnet.com.br

 

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates