“Derrame” ataca justiça

 

O DERRAME continua dizimando estupidamente uma população inteira. Continua "derramando" imprevidência, irresponsabilidade, incompetência neste país. O "derrame", como é popularmente chamado, é o Acidente Vascular Cerebral que, no Brasil, possui uma conotação ambígua: "derrame" é mais um imposto extraordinário. E que imposto extraordinário e cruel a população brasileira paga? Paga com suas vidas ou seqüelas pelas totais e absolutas cegueiras e descaso de governantes atuais ou antigos que optam pela política do "não quero ver, portanto, não existe".

 

Chega a ser impossível não deixar de ver: o Acidente Vascular Cerebral (AVC) ou "derrame" mata por ano, pelo menos, 250.000 brasileiros, de acordo com o bem informado canal oficial governamental (TV Globo, programa "Bom Dia Brasil" novembro de 2009) e deixa entre aqueles que sobrevivem uma legião de milhões de seqüelados, que se tornam "invisíveis" para a sociedade. Muita dor, desespero, angústia e frustração. E essas pessoas, ou melhor, cidadãos, continuam lúcidos.

 

Não existem no país campanhas nacionais de informação e prevenção, existem medicamentos protocolados, mas que não são utilizados nos hospitais públicos, particulares ou conveniados com o SUS que podem reduzir essas terríveis taxas em 50%. Nas Unidades de Saúde, não existem grupos para pacientes "avecerizados" e seus familiares, a exemplo do que ocorre com gestantes, cardiopatas, diabetéticos etc. Por que será?

 

Chega de "AVECERIZAÇÃO" social, não dá para suportar uma patologia que mata mais do que o câncer, a hipertensão, os acidentes de trânsito. O Brasil não é só campeão mundial de futebol, é campeão mundial de "derrames", como o AVC dos tipos isquêmico (85 %) ou hemorrágico (15%) que atingem qualquer faixa etária, como também de impunidade, injustiças sociais, morais e intelectuais.

 

Tudo representado por um sistema de saúde (???) que privilegia a doença, a morte, o consumo de álcool, fumo, alimentos contaminados (o Brasil é o maior consumidor de agrotóxicos do mundo, os transgênicos estão em todos as mesas dos brasileiros), as drogas (lícitas ou não), baixíssimos salários, contaminação do meio ambiente, hipertensão, diabetes, o "estresse" diário pela sobrevivência. Saúde, pois não?

 

O ataque à justiça

 

Uma ação popular, de abrangência nacional (impetrada em 25 de março de 2010 na 30ª Vara da Justiça Federal no Rio de Janeiro), tem como réus o governo federal e o Ministério da Saúde, ajuizada pelo autor deste artigo, defendida corajosa e brilhantemente pelo advogado Dr. Carlos Alberto Escobar, resolve questionar a omissão, incompetência, despreparo dessas instituições em tão grave caso de Saúde Pública, ou melhor, Doença Pública, um verdadeiro caso de Segurança Nacional, que mata do que "tsunamis", tufões ou guerras anualmente.

 

Uma guerra nacional de morticínios e massacres a cada dia do ano. "Saúde é bom e todo mundo quer mais". O que a ação popular exige de imediato: campanhas nacionais de informação e prevenção; diagnóstico rápido e eficiente; que hospitais públicos conveniados com o SUS e particulares tenham o medicamento adequado (trombolíticos, que desfazem trombos, uma "espécie" de entupimento no circuito cerebral, eficiente em mais de 60% dos casos se usado convenientemente até quatro horas após o AVC); grupos de pacientes "avecerizados" e seus familiares nas Unidades de Saúde, formando um Programa de Prevenção e Tratamento de AVC.

 

A Ação Popular é o único meio de o cidadão penetrar no "jurássico" sistema burocrático, elitista, autoritário e perverso. É claro, encontraremos muitas formas de resistência: a covardia, o clientelismo, o lucro, a indústria da doença, o "deixar de ver".

 

A Ação Popular não é uma mágica, é só um instrumento legal para tentar construir o óbvio, reposicionar aquilo que devia ter sido feito, "desavecerizar" a sociedade à qual pertencemos e "derramar" saúde, justiça e principalmente cidadania.

 

Mas, além da Ação Popular, é preciso muita pressão popular, numa ação que desmascare essa incompetência "dinossáurica", que surpreende a todos. Que o Ministério da Saúde produza verdadeiramente saúde, e não a institucionalização da doença, que o governo federal não governe pelos ditos orçamentos, quase todos hiperdimensionados pelo clientelismo e falcatruas, e sim pelas necessidades da população brasileira.

 

Finalizando

 

Chego a pensar que país é este, cujos cidadãos têm que entrar na justiça pelo óbvio, reivindicando o que já devia ter sido feito há muito tempo? Entrar na justiça por um preceito constitucional, que nunca foi realizado, ficou "esquecido", ninguém viu, ninguém sabe...

 

Pensem comigo: se essa ação demorar dez anos para chegar a uma solução (quem sabe qual?), terão morrido dois milhões e quinhentos mil brasileiros, ou mais, e talvez um número quatro vezes maior de seqüelados continuarão invisíveis mostrando sua face entristecida , esperando justiça e cidadania. Dessa questão nenhum de nós escapa: ricos, pobres, idosos, jovens, todos somos grupos de risco, e sem nenhuma proteção, informação e medicamentos adequados.

 

A AÇÃO POPULAR DERRUBA O DERRAME!

 

Daniel Chutorianscy é médico em Niterói, sofreu um AVC recentemente, não teve nenhuma chance usar o trombolítico, voltou a trabalhar com seqüelas, criou o Grupo AVC-PULANDO A CERCA, em agosto de 2009, que significa "dar visibilidade" e não a sacanagem habitual dos "derramadores" de falsas promessas, tornando-se referência para pacientes "avecerizados" e seus familiares, sendo o único apresentador de TV pós- avecerizado, no programa "Pulando a Cerca", canal 17 da NET – UNITEVE, o canal da UFF.

 

Contato: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

 

{moscomment}

Comentários   

0 #7 O Jogo Atrasou, apenasRaymundo Araujo Filho 06-04-2010 09:25
Consultamos um desembargador amigo e ele disse que este indeferimento não é exatamente alguma derrota, mas sim um "pequeno atraso no início do jogo".

A meu ver, é apenas um ato covarde e desatencioso de um Juiz, talvez assoberbado de trabalho (o que não justifica..), que acarretará apenas em um recurso, que será julgado por três desembargadores e pelo MP, com grandes chances do eerro deste Juiz ser colocado a deoberto, e o processo violtar ara novo parecer, que não este incorreto,.

O Desembargador amigo disse que, agora mais do que nunca, é necessa´ria a visibilidade pública deta Ação popular, para que o recurso seja também apreciado politicamente, por causa dalegítima pressão da Opinião Pública.

Por isso, reafirmo que o Dr. Daniel precisa ser convocvado ara palestars, atos e eventos sobre o tema, não para se expor como um artista, mas para ampliar o Poder da Luta que iniciou e que ganha adeptos dia a dia.

Os preparativos elitorais desta ano, aos quais muito de dedicam desde agora, como garnde tarefa polpítica, é um nadinha frente a esta Luta, esta sim real é promissora.

Interpretem, por favor, estas minhas palavras como uma CONVIOCAÇÃO.
Citar
0 #6 AVC-Ataque Violento à CidadaniaNanci S. Bispo 05-04-2010 15:04
Sabemos que por falta de informação,assistência e tratamentos adequados uma pessoa está sujeita a sofrer ucessivos AVCs-Acidente Vascular Cerebral, Mas o que estamos constatando agora é que pode haver ainda uma variável mais perversa e contundente de AVC que é o Ataque Violento à Cidadania e assim como seu predecessor pode atingir várias vezes o mesmo cidadão. E a coisa toda tem requintes e estratégias de guerra:1º cortam-se as informações e comunicações, 2º bloqueia-se os suprimentos,3º alia-se subrépticiamente à outras instâncias de força e poder fechando o cerco,impingindo a derrota ao seu opositor( cidadão brasileiro) . Mas como todo bom combatente, o cidadão não pode se deixar abater e deve partir para o contra ataque.É o que faremos agora apelando bravamente junto a instâncias superiores da Justiça.
Citar
0 #5 JUSTIÇA?????daniel chutorianscy 05-04-2010 05:12
AS AÇÕES POPULARES REFEREM-SE A: PATRIMONIO, MEIO AMBIENTE. CAUSAS ADMINISTRATIVAS E MORAIS. A AÇÃO POPULAR SOBRE ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL É TIPICAMENTE ADMINISTRATIVA E MORAL. A OMISSÃO DE MEDICAMENTOS ADEQUADOS CAUSANDO MILHARES DE MORTES, E UM COLOSSAL DE SEQUELADOS É O QUE??? MORAL??? JUSTA???...O ABANDONO DA JUSTIÇA E CIDADANIA, PELA LEI DO MAIS FORTE, DO MAIS CRUEL, DA LEI DO ATAQUE VIOLENTO A CIDADANIA (AVC)
Citar
0 #4 Ataque Violento a Cidadania (AVC)daniel chutorianscy 05-04-2010 04:45
O juiz da 30*Vara Federal do RJ, EXTINGUIU o processo da Ação Popular, alegando não ser causa MORAL ADMINISTRATIVA....(MORAL???), onde a morte e o descaso atingem a população brasileiro. Continuaremos apelando em outra instancia e o Ministerio Publico..,Nesse caso o AVC deixa de ser o letal Acidente Vascular Cerebral para tornar-se Ataque Violento a Cidadania...É o modelo BRASIL de se fazer Saude, Educação.e Justiça Social
Citar
0 #3 Temos o melhor \"presidente\"Milton Guimaraes 05-04-2010 04:03
Tudo bem, a Saúde está um lixo, por que foi observado uma das sus facetas . Mas isso ocorre em tudo nesse Brasil, que temos o "melhor presidente" de toda nossa história. Temos a isenção do IPI para automoveis, mas os remedios pagam 30% de impostos. Mas o nosso povo está "feliz" e daí....
Citar
0 #2 Universalizar o AssuntoRaymundo Araujo Filho 02-04-2010 14:58
Crerio que o próximo passo é que seja faita uma articulação por tantos que lêem este Correio, no sentido de levar o Dr. Daniel aos seus municípios, Câmaras de vereadores, Assembléias Legislativas, Senado e Câmara Federal, no sentido de fazer acontecer inúmeras Audiências Públicas, a exemplo daquela que Dr. Daniel patrocinou e foi acolhida pelo vereador Reantinho (PSOL- Niterói), passando a ser a primeira Audiência Pública sobre este assunto, no Brasil.

Dr. Daniel está disponível para convites neste sentido, pois esta Ação Popular precisa de respaldo cisível para avançar.

Todos devemos nos sentir responsáveis nesta Luta, a meu ver, mais importanbte do que esta balela de elições de cartas marcadas. É este tipo de Luta que vai mudar o Brasil e ser motivo para que a Sociedade se Organize!
Citar
0 #1 Ezio Rocha 01-04-2010 21:08
Quantos trombolíticos são necessários para encher uma ambulância? Como ambulâncias não dispõem de porta-malas, onde poderão ser alojados as hemáceas e os glóbulos vermelhos? Se algum frasco de trombolito cair e quebrar no assoalho de uma ambulância, seria necessário que esse assoalho estivesse carpeteado com SERRA? Digos serra, aqueles resquícios de madeira que abundam nas serrarias e são ótimos abserventes de líguidos pastosos ou não.
Se der um "derrame" numa ambulância, ou, aliás, der um "derrame" de ambulância, um coágulo de sangue poderia causar uma embolia? Ou será que embolando tudo teremos um tipo sangüineo ACBDE?
Bem! Eu li, faz algum tempo, um livro intitulado OPERAÇÃO CAVALO DE TRÓIA (I). Realmente precisamos de uma nave que nos transporte ao passado para entendermos a causas do presente. Porque mudar o grupo sangüineo será quase impossível diante de um grupo de sangue azul que sempre fluiu e eternizará nas veias do nosso Brasil.
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados