topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
A Segurança e a Política Imprimir E-mail
Escrito por Claudionor Mendonça dos Santos   
Sábado, 20 de Março de 2010
Recomendar

 

A Constituição Federal assegura ser direito social a segurança (art.6º), enquanto em cláusula pétrea determina que ninguém será submetido a tortura nem a tratamento desumano ou degradante. Portanto, breve leitura de alguns dispositivos da Carta Magna dá a nítida impressão de que vigora, em sua plenitude, o Estado de Direito, com a obediência aos dispositivos constitucionais.

 

Entretanto, o descompasso entre a Lei Magna e o cotidiano enfrentado por amplo setor da sociedade brasileira mostra o lado perverso e absolutamente desconectado por onde viceja o mais profundo desrespeito à legislação.

 

Por todo canto, proliferam notícias de verdadeira matança incidindo nos setores menos favorecidos da sociedade. Somente em São Paulo, em 2007, noticiou-se a cifra monstruosa de  377 pessoas mortas em confronto com agentes da lei, verdadeira política de extermínio.

A situação assume maior gravidade ao se constatar aprovação de parte da população, diante de quadro tão tenebroso. Criminalidade acentuada e ineficiência dos responsáveis pela prevenção e apuração dos mais variados delitos provocam em setores da sociedade, manipulados pela mídia, aplausos a tais selvagerias praticadas por alguns agentes estatais. Estimulada pela mídia comprometida com alguns setores que vislumbram vultosos lucros com o aumento da violência e o medo da sociedade, parcela da sociedade vê no mero extermínio de alguns infratores a saída para o combate à violência. Sonham com a pena de morte, hoje já executada à margem da lei e sem que haja, ao menos, a devida apuração. Aplaudem posturas de ódio direcionadas aos setores periféricos, estabelecendo uma cruel e injusta vinculação entre estado de pobreza e criminalidade. Mas, ao mesmo tempo, não enxergam que o aumento da criminalidade é conseqüência imediata da ausência de política pública. Esquecem-se de que a ausência de políticas públicas se deve à malversação do dinheiro público, desviado para contas no exterior ou aquisição de serviços superfaturados, infrações que, paradoxalmente, não são encaradas como delitos graves.

 

A amnésia é tamanha que agentes políticos que se desviaram na busca do bem comum voltam a ocupar, por escolha da sociedade, postos que jamais poderiam ser por eles ocupados.

 

Dessa forma, a proposta de impedimento à disputa por parte de alguns candidatos envolvidos em procedimentos judiciais, embora possa ser apontada como lesão à regra da presunção de inocência, não pode ser totalmente menosprezada. Embora, até prova em contrário, todos devem ser considerados inocentes, o envolvimento em feitos criminais revela forte sintoma de que o afastamento de tais infratores deve ser de total conhecimento da sociedade, que tem, assim, assegurado o direito à informação. Informação imprescindível no processo de escolha dos candidatos a cargos públicos alcançados através do voto popular. Não se pode permitir que a sociedade seja vítima e, ao mesmo tempo, cúmplice, ao permitir que determinadas pessoas, num futuro bem próximo, atuem contra os interesses dessa mesma sociedade.

Assim, levando em consideração a deformação no sistema informativo, somente através do impedimento legal, a sociedade se verá suficientemente forte para o enfrentamento da questão, através do alijamento daqueles que, apesar de ainda não irrecorrivelmente condenados, deverão aguardar o momento oportuno para a disputa de cargos eletivos, ou seja, após o reconhecimento irrecorrível de sua inocência.

 

Dessa forma, atingir-se-ão a imprescindível segurança e outros direitos sociais, através da política exercida por verdadeiros agentes do bem estar da sociedade, livremente escolhidos, à luz da informação, atendendo-se, assim, aos preceitos estabelecidas na Constitução Federal.

 

Claudionor Mendonça dos Santos é Promotor de Justiça e associado do Ministério Público Democrático.

 

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates