“Fora a ALCA e FMI”

 

Ouvimos e vimos ser agitada a palavra de ordem "Fora a ALCA e o FMI". Tal bandeira era levada a cabo pelo inegavelmente combativo Partido Socialista dos Trabalhadores Unificados (PSTU), que se reclama marxista-leninista-trotskista. Mas não é tão difícil detectarmos que se trata de uma agremiação que não possui a clareza política necessária. Tanto isso é verdade que Luiz Inácio da Silva, "o cara", levou a cabo a política reclamada pelo PSTU pondo um ponto final na ALCA e invertendo o jogo com o FMI, saindo o Brasil da condição de devedor desse fundo para a situação de credor. A rigor o PSTU deveria louvar o presidente, pois ele o atendeu.

 

A esquerda, regra geral, incluindo-se aí os trotskistas, se nega peremptoriamente a fazer o necessário trabalho de impopularizarão do capitalismo. A esquerda convencional se esmerou em impopularizar o imperialismo ianque e o fez com tamanha competência que ele se tornou mal visto em todos os quadrantes do mundo e esse sentimento anti-americano tem levado a que a esquerda faça eco a facínoras como Bin Laden e ao fascismo da Síria e do Irã.

 

Depois disso, a esquerda se empenhou em impopularizar o neoliberalismo, fazendo passar a impressão de que haveria, dentro do capitalismo, outro modelo de gerenciamento que tornaria esse sistema palatável.

 

Não é difícil concluir que estamos vivendo uma situação realmente crítica quando observamos a hegemonia quase completa da burguesia em escala mundial e uma esquerda sobejamente despreparada, incapaz de cumprir a sua missão histórica que seria de preparar a derrota do capitalismo e conquistar uma nova ordem social capaz de liquidar com tantas e quantas mazelas que o sistema vigente produz.

 

Chegou a hora de os mais lúcidos, que são poucos, tentarem fazer com que milhares de militantes de esquerda se dêem conta de seus equívocos e se proponham a cumprir as tarefas que o momento histórico exige, cujo centro é buscar impopularizar o capitalismo como caminho para que o povo tome em suas mãos o seu destino e se liberte dos grilhões que ora o oprimem.

 

Gilvan Rocha é presidente do CAEP - Centro de Atividades e Estudos Políticos.

Blog: http://www.gilvanrocha.blogspot.com/

 

{moscomment}

Comentários   

0 #3 A Direita está no colo do \"cara\"Marquinho Mota 22-03-2010 11:52
Nunca li algo tão sem sentido e ao mesmo tempo tão panfletário como este texto(?) do Gilvan. Acreditar que Lula e sua trupe/gangue formada pelo que há de pior na política nacional, merecem ser aplaudidos por nós ,quando na verdade apenas replicam o que a DIREITONA internacional quer para os países periféricos é muito cinísno e é muito apostar na falta de visão política de ra como "o Cara" gostava de chamar Bush de companheiro? ou de falar que o Sir Ney não pode ser tratado como uma pessoa comum? É preciso acabar com este culto a personalidade de Lula que só leva a um atraso político e intelectual. Precisamos dar os méritos, mas é preciso apontar os deméritos, que ao meu ver pesam muito mais na balança política hoje, pois um governo que conta com Hélio Costa, Edison Lobão, Sarney, Barbalho, Maluf e tem Delfim Neto como conselheiro, realmente está muito longe de ser chamado de esquerda.
Marquinho Mota
Citar
0 #2 TEM QUE ABRIR O OLHO DA GALERAtarique Lima de Souza 15-03-2010 14:18
Caro Gilvan tem que abrir os da galera mesmo, por que se não eles acomodam ou ficam com intriga um querendo ser mais revolucionário que o outro, e a direitona agindo a todo momento e organizada, se essa galera de esquerda não agir organizada a direita vai conseguir ganhar as eleições de 2010 ai o coisa vai ficar feia vai ser casete a torto e direita.
parabéns pelo puxão de orelha na galera
Citar
0 #1 Troféu doutrinarismoAntônio Augusto 12-03-2010 14:15
Será difícil ver em 2010 algum artigo mais doutrinarista que esse.

E, de quebra, um artigo tão de "esquerda", tão chegado à provocação, que, entre outras, diz que a esquerda faz eco a Bin Laden. Interessante, Bush dizia, e a extrema-direita continua dizendo a mesma coisa.
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados