topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Irã: EUA miram no programa nuclear para alvejar o regime Imprimir E-mail
Escrito por Luiz Eça   
Sexta, 12 de Março de 2010
Recomendar

 

Os recentes desenvolvimentos da questão nuclear iraniana fazem crer que o objetivo dos EUA e seguidores europeus não seria apenas impedir que o Irã possa produzir armas atômicas.

 

Basta analisar os argumentos contra o Irã e as declarações dos líderes americanos. Alega-se que um Irã atômico seria uma ameaça terrível aos países próximos, particularmente Israel, e à própria humanidade, pois se trata de um "país irresponsável (rogue state)".

 

Embasando esta afirmação estariam as declarações de Ahmadinejad: "Israel será varrido do mapa". Seria um risco desmedido consentir que alguém com objetivos tão enlouquecidos contasse com armas atômicas para realizá-los. Especialmente porque ele certamente não ficaria nisso. Países sunitas (o Irã é xiita) como a Arábia Saudita, o Egito e o Kuwait estariam sob ameaça de ataques estilo Hiroshima, caso não se submetessem ao governo dos aiatolás.

 

Esta aterradora perspectiva peca porque sua premissa fundamental é absolutamente questionável.

 

Segundo Juan Cole, professor de História do Oriente Médio e da Ásia do Sul, da Universidade de Michigan, Ahmadinejad não foi corretamente traduzido. O que ele disse teria sido um apelo para o fim do regime sionista de Israel, mas não a remoção do povo judeu da Palestina...

 

Autoridades em língua farsi como Arash Nouruz, do The Mossadegh Project, e especialistas do Middle East Media Research confirmam essa correção. A qual, aliás, foi repetida pelo próprio Ahmadinejad que acrescentou: "O Irã não pretende atacar Israel; o regime sionista cairá sozinho".

 

A mídia internacional e os líderes políticos ocidentais e israelenses ignoraram completamente esses desmentidos. E vêm repetindo a tradução errada da frase de Ahmadinejad como artigo de fé, que marcaria o Irã irremediavelmente como "país irresponsável", portanto, capaz de lançar bombas atômicas a seu bel prazer.

 

Sendo objetivo, Israel tem muito mais direito àquele adjetivo do que o Irã. Afinal, enquanto o governo de Teerã envolveu-se apenas em uma guerra, esta defensiva contra o Iraque de Saddam Hussein, os israelenses têm um currículo invejável nessa área: invadiram e ocuparam o Líbano várias vezes; atacaram e destruíram Gaza, praticando crimes contra os direitos humanos e até contra a humanidade, conforme inquérito da ONU; nos últimos anos vêm ameaçando repetidamente o Irã de bombardeios.

 

Os EUA não concordam com esse raciocínio. George Bush condenou a política nuclear iraniana e deixou claro que poderia haver "opções militares" contra ela, ignorando o próprio serviço secreto dos EUA, que havia informado que o Irã tinha, desde 2003, abandonado o projeto de armas nucleares. Graças a seu empenho, conseguiu da ONU duas rodadas de sanções contra Teerã.

 

Embora sem negar o caráter suspeito do programa nuclear iraniano, Obama tinha idéias diferentes. No vídeo, enviado ao povo iraniano em 21 de março, ele afirmava: "Este processo não avançará com ameaças. Em vez disso, buscamos acordos honestos e baseados em respeito mútuo".

 

Mas logo em julho, quando a repressão violenta dos manifestantes contrários à reeleição de Ahmadinejad indignava o povo americano, ele cedeu à pressão da opinião pública. Condenou pesadamente o governo iraniano que respondeu no mesmo tom. E o "respeito mútuo" foi para o espaço.

 

Embora a brutalidade da polícia e das milícias contra os opositores do governo dos aiatolás fosse condenável, a verdade é que se tratava de uma questão distinta do problema nuclear. Não deveria contaminar o encaminhamento de uma solução diplomática.

 

Assim não entendeu o povo americano, cooptado por uma propaganda do governo, que Larry Chin, do New York Times, considerou "estritamente semelhante à da campanha de Hitler contra a Polônia".

 

Em situação semelhante, Nelson Mandela, recém-empossado na presidência da União Sul-Africana, declarou que, se não fosse capaz de contestar posições erradas da população, não mereceria governar.

 

Obama não foi capaz. Pensando em sua imagem e em futuras eleições, misturou as coisas e trocou sua postura conciliadora face ao problema nuclear do Irã pelas ameaças do governo Bush.

 

Já a partir desse mês, a atitude do governo Obama mudou. Ele soltou Hillary Clinton pelo mundo para garantir que em hipótese nenhuma os EUA deixariam o Irã possuir armas nucleares. Que sequer permitiriam que os iranianos enriquecessem urânio mesmo sob supervisão total do AIEA (Agência Internacional de Energia Atômica).

 

Apesar do clima tempestuoso, surgiu uma oportunidade de acordo em reunião em Viena: o Irã enviaria seu urânio de baixo enriquecimento para a França e a Rússia, onde ele seria enriquecido em grau maior para uso pacífico. Mas, em outubro, o Irã acabou recusando. Não confiava na França. Além de Sarkozy ter se mostrado um feroz inimigo, após a revolução islâmica os franceses tinham se recusado a entregar urânio já pago pelo governo anterior.

 

Aceitaria fazer a troca proposta, desde que fosse simultânea e em território do Irã ou da Turquia.

 

Apesar de a Turquia guardar neutralidade entre as partes, EUA e seguidores recusaram esta nova idéia in limine. Seria como eles queriam ou nada feito.

 

De lá para cá, Obama, Hillary Clinton e outros menos votados vêm cabalando votos no Conselho de Segurança da ONU para aprovar novas e mais duras sanções. Repetem exaustivamente que Obama durante muito tempo apelou para uma solução diplomática enquanto o Irã permaneceu indiferente e irredutível. Agora, seria a hora das sanções.

 

Desta vez, destrutivas. Só para dar uma idéia: todos os países seriam proibidos de vender gasolina ao Irã, que, apesar de grande produtor de petróleo, precisa importar 40% para atender a suas necessidades.

 

Quanto à apregoada boa vontade do presidente americano, Wu, representante chinês no Oriente Médio, observou que Obama deveria apresentar medidas concretas em vez de limitar-se à retórica. O que não deixa de ser verdade.

 

A objeção do presidente dos EUA à última proposta iraniana mostra que ele mudou de novo. Voltou a pensar como seu antecessor. Bush se atinha à lógica imperial. Não era aceitável a existência de uma potência no Oriente Médio, rica em petróleo, bem armada e nada amigável, que contestasse a hegemonia americana na região.

 

Já dissera Nicholas Burns, subsecretário de Estado, ao International Herald Tribune, comentando o fornecimento de armas aos amigos da região: "Este pacote de armas diz aos iranianos que os Estados Unidos são o poder maior no Oriente Médio, continuarão a ser e não irão embora".

 

Em tempos de Bush, foi criado um programa que concedia 75 milhões de dólares anuais a grupos oposicionistas iranianos. Inclusive ao movimento terrorista Jundallah, segundo o respeitado cronista Seymour Hersh (New Yorker, julho de 2008). Os repórteres investigativos Flynt e Hillary Leverett afirmam que Obama nada fez para interromper estas ligações perigosas.

 

Somente nos últimos anos, o Jundallah tem uma folha corrida de respeito: ataque contra a comitiva do presidente Ahmadinejad; ataque a um ônibus, matando 18 membros da Guarda Revolucionária; rapto e execução de 16 policiais, em 2007; explosão de carro bomba que matou quatro pessoas, em 2008; emboscada em 2009, que matou 12 policiais; no mesmo ano, ataque a mesquita, com a morte de 25 pessoas; em outubro de 2009, ataque suicida com homem bomba, matando 42 pessoas.

 

Continuando em sua cruzada, a Casa Branca pressionou os russos para adiarem "sine die" a entrega de um sistema de defesa antimíssil (já pronto), que tornaria suas instalações nucleares e cidades bastante bem protegidas.

 

Só se pode entender esta atitude como uma precaução para enfraquecer as defesas do Irã diante de futuros ataques aéreos dos EUA e/ou Israel.

 

Esta ação para deixar o Irã mais fácil de ser derrotado soma-se à intolerância em aceitar qualquer outra proposta que não a de outubro, ao apoio ao terrorismo do Jundallah, às repetidas declarações agressivas de membros do governo e generais americanos e ao enorme esforço para aprovar sanções desta vez capazes de causar danos realmente severos na economia iraniana.

 

É certo que a China vetará estas sanções. No entanto, o Senado americano já está cuidando de aprovar projetos proibindo os EUA de negociarem com qualquer empresa americana ou estrangeira que mantenham laços econômicos com o Irã.

 

Como nada demoverá o governo de Teerã de continuar seu programa nuclear, seus adversários contam com as sanções para destruir a economia do país e criar condições para uma revolta popular. Ou, em último caso, como "todas as opções continuam sobre a mesa", um ataque israelense-americano, talvez com participação européia, resolveria o problema. Como foi feito no Iraque, resultaria na ocupação do país e, posteriormente, na formação de um governo amigo.

 

Tal seria o projeto de Bush. Há indícios que poderia ser também o de Obama...

 

Luiz Eça é jornalista.

 

Recomendar
Última atualização em Sexta, 12 de Março de 2010
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates