Transposição e Belo Monte

 

Vamos acompanhando as notícias de Belo Monte, particularmente a partir de suas vítimas e de todos que se opõem à obra. É perfeitamente possível entender e sentir a indignação dessas pessoas e povos. Nós temos aqui no São Francisco, na carne, o que significa a imposição de uma obra, contrariando toda legislação, todo parecer técnico, todo bom senso, todo respeito pelos direitos dos povos que ainda habitam essa terra.

 

Desde o princípio dissemos que o que acontecia no São Francisco tinha o caráter do regime militar. Alguns defensores da obra chegaram a dizer que "era melhor realizá-la sob a democracia que sob a taca dos militares". Acontece que os militares executam a obra e ela é uma concepção do regime militar. Agora, quando proprietários de terra da Paraíba resolveram parar as máquinas das empresas por não terem sido ainda indenizados, a empreiteira não teve dúvida: chamou o Exército.

 

Um dia, sentado na calçada da capela onde fazia seu segundo jejum, um jornalista internacional perguntava e afirmava a Frei Luiz: "Bispo, seu jejum é inútil. O capital não tem interesse em sua vida. O senhor vai morrer e eles vão fazer a obra".

 

D. Luis ficou em silêncio por alguns momentos, naquele seu jeito reflexivo, e depois respondeu com um provérbio chinês: "Quando você aponta o dedo em uma direção, o sábio olha para onde o dedo aponta, o idiota olha para a ponta do seu dedo". O jornalista ficou em silêncio e não disse mais nada.

 

Essa é a questão retomada agora por todos os lutadores no caso de Belo Monte. O gesto profético de Frei Luis apontava muito mais que para uma obra, apontava para a direção do país que queremos. Ele terá rios? Terá florestas? Terá biodiversidade? Terá povos originários morando em seu habitat, preservando o que ainda nos resta de natureza?

 

Não está garantido que sim. Não é uma obra, nem duas, é uma concepção de mundo.

 

O desenvolvimentismo brasileiro é obreirista, ainda que tenhamos despencado no ranking da educação e da preservação ambiental, exatamente no governo Lula. Portanto, despencamos em questões fundamentais onde residem critérios de qualidade, apesar de avançar em obras.

 

Transposição, Belo Monte indicam que dos militares, passando por FHC e Lula, chegando a Dilma, a compreensão de desenvolvimento implica no sacrifício da natureza e dos povos que habitam esses ambientes.

 

Nossa solidariedade, ainda que abatida e humilhada, aos povos e lutadores do Xingu.

 

Roberto Malvezzi (Gogó), ex-coordenador da CPT, é agente pastoral.

 

{moscomment}

Comentários   

0 #3 Fernando Pinheiro 25-04-2010 23:15
É triste ver a galera do PV, PSOL e PSTU (correntes bem diversas, mas todas de oposição ferrenha ao atual governo federal) fazerem de tudo pra não deixar realizar nada. Cada obra que é pré-aprovada pelo Congresso (eleito por todos nós) e depois passa pelo crivo dos órgãos ambientais é combatida por eles como se fosse uma imposição, quando na realidade é um ato de gestão para o qual o governo foi eleito. Se é pra não ter autonomia alguma, pra quê governo? Pra quê eleição? Deixa as ongs e os partidos de oposição governarem em nome do povão, então ... Em tempo: a energia hidroelétrica ainda é a mais barata e também é renovável. Não é poluente, em si.
Citar
0 #2 sonho de muitos realidade éguimarães s. v. 25-02-2010 04:03
é desencorajador, meu caro Gogó, ver que a concepção de mundo da humanidade, nãoapenas da/o brasileira/o, avançou muitíssimo pouco em que pese a grave ameaça do aquecimento global que a todos ameaça. prova provadao estrondoso fracaso da COP 15. mas a esperança que alimentamos é aquela "que não se vê" da fala de Paulo apóstolo. daí vem a força para prosseguir. dizia Dom Helder Câmara "o sonho de um só é um simples sonho, mas quando muitos sonham o mesmo sonho é já realidade. aqui fica a solidariedade , inclusive às gentes do Xingu, do companheiro Sérgio Guimarães.
Citar
0 #1 Globalizando a SolidariedadeMarquinho Mota 24-02-2010 11:50
Caro Robeto Malvezzi.
A Solidariedade que vem dos povos do Rio São Francisco é muito bem vinda. Assim como os demais povos do Brasil, acredito sim que, vocês estão de cabeça erguida pois a resistência de vocês contra a máquina também nos inspirou aqui na amazônia.
Nossa solidariedade junto com todas as forças positivas da floresta amazônica e das nossas águas dos igarapés, rios, enseadas, caminham até vocês.
São Francisco Vivo para Sempre!
Xingu Vivopara Sempre!
Tapajós Vivo para Sempre!
Madeira Vivo para Sempre.
A Mãe Terra agradece.
Marquinho Mota
Rede FAOR
Comitê Metropolitano Xingu Vivo Para Sempre.
Belém - Pará
www.xingu-vivo.blogspot.com
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados