Leituras carnavalescas

0
0
0
s2sdefault

 

A leitura é o meu carnaval. No carnaval da leitura eu pulo a noite inteira, vou ao desfile dos autores, faço das páginas meu enredo e nelas faço meu samba, e com elas faço a minha bateria, o meu batuque.

 

A leitura é a minha fantasia. Meu baile de máscaras, minha chuva de confete e serpentina. Na leitura em clima de carnaval faço com alegria a minha terapia existencial, meu contato com o bem e o mal.

 

Na quarta-feira de cinzas, os olhos inchados de tanto ler, entrarei na fila dos penitentes, para me lembrar que do pó da terra eu vim, e a esse pó voltarei um dia.

 

Que a terra seja leve para quem acreditou nos livros. Jejum, quaresma, temperança...

 

Antes do rito purificador, porém, é só carnaval. Orgia com as palavras, bebendo literatura até cair, gandaia, farra, folguedo, folia, folheando sem parar os mais diferentes livros. Sou carnavalesco na prosa e na poesia!

 

Antes da penitência, viver a incontinência da leitura, leitura até altas horas da madrugada, e durante o dia vou acompanhar alucinado o trio elétrico de escritores conhecidos ou não, afinados ou não, o meu negócio é viver o ócio.

 

Leitura que agita, faz vibrar, requebrar, rebolar, reler, deitar e rolar. Leitura no carnaval, com suas metáforas e alegorias, e vou fazer par com o mestre-sala, seja poeta ou romancista, eu sou mais um passista na avenida das letras.

 

Os livros e eu vamos atravessando o carnaval, a carne se fez verbo, o verbo se fez carne, o sol da meia-noite e a lua ao meio-dia, horários trocados, a rua é passarela, cada paralelepípedo tem sua história, cada história tem seu riso e seu choro. Abram alas que a leitura quer passar!

 

A leitura é lança-perfume que não se pode proibir. Porque lança o leitor na dança, acelera o coração, a imaginação, ritmos, rimas. E o leitor não se cansa. Lança livros para todos os lados. Lança-se ele mesmo em todas as direções.

 

Quem não gosta de ler... bom sujeito não é. É ruim da cabeça, ou não tem fé, não acredita que os livros, fazendo um carnaval dentro de nós, juntam cosmos e caos em nova ordenação.

 

A leitura carnavaliza, mexe conosco, é festa cristã e pagã, sagrada e danada, real e irreal.

 

Vou sair, ninguém me segura, no bloco da leitura!

 

Gabriel Perissé é doutor em Educação pela USP e escritor.

 

Website: http://www.perisse.com.br/

 

{moscomment}

Comentários   

0 #1 ERNANDES BOLSANELLO 24-02-2010 18:44
Por volta do ano 55 a.C o Senador Romano Marco Túlio Cícero dizia que \"Casa sem livro é corpo sem alma\".
Hoje, em pleno ano 2010 d.C
nosso ilustre mestre da USP Gabriel Perissé, nos afirma que bom carnaval é aquele que se passa lendo.
Pensando bem, Cícero e Perissé estão corretos, mas faço votos de que os leitores de meu Brasil não venham sambar nas eleições de outubro.
Ernandes Bolsanello
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados