Vitórias da Confecom e próximos passos

 

Até os mais pessimistas ficaram surpresos com os resultados positivos da Conferência Nacional de Comunicação, ocorrida em Brasília de 14 a 17 de dezembro. Com garra, firmeza de princípios e extrema habilidade, os setores sociais que há muito lutam contra a ditadura midiática instalada no país emplacaram inúmeras vitórias. O processo em si já tinha sido surpreendente, envolvendo quase 30 mil pessoas em suas etapas preparatórias – a Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) estima em cerca de 60 mil participantes –, num esforço pedagógico sem precedentes na história.

 

Mas a Confecom foi além do saldo político. Logo na abertura, ela ainda correu risco de implodir, em função de mais uma chantagem da bancada empresarial vinculada à Associação Brasileira de Radiodifusores (Abra) – que reúne a TV Bandeirantes e a RedeTV. Mas, em um novo gesto de flexibilidade para garantir a participação democrática deste setor e dar legitimidade ao evento, os obstáculos foram removidos e os debates de conteúdo contagiaram os 1.684 delegados dos três segmentos – 20% dos poderes públicos, 40% dos movimentos sociais e 40% dos empresários.

 

672 propostas aprovadas

 

Após quatro dias de acalorados embates, a 1ª Confecom aprovou 672 propostas – 601 nos grupos de trabalho e 71 mais polêmicas na plenária final. No seu conjunto, elas são bastante avançadas e sinalizam para importantes mudanças nos meios de comunicação do país. Elas servirão de baliza para iniciativas do Executivo e para projetos do Legislativo. No seu programa semanal de rádio, o presidente Lula se comprometeu em transformar várias propostas em projetos de lei. "Vamos trabalhar no Congresso Nacional para que a gente tenha o marco regulatório condizente com as necessidades de democratizar, cada vez mais, os meios de comunicação no Brasil", prometeu.

 

Uma das propostas mais marcantes da Confecom é a que indica a criação do Conselho Nacional de Comunicação Social, vinculado ao Poder Executivo e composto de forma tripartite. Ele teria a finalidade de contribuir na regulamentação e regulação do setor e contaria, pela primeira vez na história do país, com a participação de representantes dos movimentos sociais. O governo Lula já sinalizou que deverá instituir o órgão ainda em 2010. Também foi aprovada a idéia do Conselho Federal de Jornalismo para disciplinar o exercício da profissão e barrar a sua desregulamentação. Uma nova lei de imprensa, que elimine a atual libertinagem no setor, passou quase por consenso.

 

Avanços das rádios comunitárias

 

Outro avanço histórico se deu com a assinatura de uma "carta de intenções" entre representantes do governo e a Associação Brasileira de Rádios Comunitárias (Abraço), que sinaliza para o fim da odiosa criminalização do setor. Entre outros pontos, ela indica "a criação da subsecretaria de radiodifusão comunitária", "agilização na tramitação dos processos" de outorga, "revogação da legislação que considera crime a operação de emissoras sem autorização", "aumento do número de canais destinados às emissoras comunitárias" e "destinação de publicidade institucional".

 

A Confecom ainda aprovou a criação de um programa nacional de banda larga, visando enfrentar a "exclusão digital"; a destinação de recursos da publicidade oficial para veículos "comunitários e alternativos"; maior rigor nas outorgas e concessões para redes privadas de rádio e TV; redução do capital estrangeiro nos meios de comunicação de 30% para 10%; proibição do controle por determinado grupo de mais de 25% da grade de programação em qualquer plataforma; criação de um "observatório de mídia e direitos humanos", entre outras dezenas de propostas avançadas.

 

A gritaria dos barões da mídia

 

O caráter progressista da Confecom é evidente. Tanto que ela gerou violenta gritaria dos barões da mídia que se acovardaram e não participaram da conferência, revelando toda a hipocrisia do seu discurso em defesa da "liberdade de expressão e da democracia". A prepotente Associação Brasileira de Emissoras de Rádio de Televisão (Abert), teleguiada pela TV Globo, considerou o resultado da conferência "preocupante", "um retrocesso". Até o Jornal Nacional foi acionado pela família Marinho para questionar a legitimidade do evento e para atacar suas resoluções.

 

No mesmo rumo, a decrépita Associação Nacional dos Jornais (ANJ), que reúne Folha, Estadão, O Globo e outros jornalões oligárquicos, também esperneou. Em editorial, o Estadão rotulou as propostas de "ideologicamente enviesadas que, se transformadas em lei, restringiriam a liberdade de informação e criariam obstáculos à ação da iniciativa privada no setor, a pretexto de promover o ‘controle público, social e popular’ das atividades jornalísticas". Para o rancoroso Estadão, "as ominosas propostas aprovadas pela 1ª Confecom... expressam a vontade de grupelhos políticos, corporações profissionais e máquinas sindicais azeitadas à custa de dinheiro público".

 

Organicidade e pressão social

 

A reação hidrófoba das máfias empresariais que sabotaram o evento comprova que a pressão será brutal para impedir que suas resoluções sejam aplicadas. Em tom de ameaça, típica de um jornal golpista que não tem compromisso com a democracia, o Estadão chega a sugerir que o presidente Lula "jogue na lata de lixo" as propostas aprovadas. Como argumenta Bia Barbosa, integrante do Coletivo Intervozes, a 1ª Confecom representou importante vitória dos movimentos sociais, mas de uma luta que promete ser dura e prolongada. Venceu-se uma batalha, mas não a guerra!

 

Será necessário reforçar a organicidade da militância que luta contra a ditadura midiática e elevar a pressão social para garantir que as propostas democraticamente aprovadas sejam, de fato e com o tempo, aplicadas – e não virem letra morta. As comissões pró-conferência criadas em todos os estados da federação demonstraram capacidade para aglutinar vários setores sociais, tornando-se um espaço de unidade na diversidade e garantindo amplitude ao movimento pela democratização da comunicação. O ideal é que elas sejam mantidas e tenham uma agenda permanente de ação.

 

Pautar a sucessão presidencial

 

Outras articulações que floresceram neste rico processo da Confecom– como a dos blogueiros e a dos "empresários progressistas" da imprensa alternativa – também podem e devem ganhar maior organicidade, somando-se aos movimentos já existentes, como o das rádios comunitárias, Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC), Fórum de Mídia Livre e tantos outros. O fortalecimento destas organizações, respeitando-se a pluralidade de seus atores, será decisivo para garantir a aplicação das propostas aprovadas – inclusive a convocação da 2ª Confecom.

 

Este movimento unitário terá papel fundamental na nova realidade criada com a conferência de Brasília. Muitas propostas aprovadas não dependem de votações no Legislativo, o que seria uma temeridade num ano eleitoral. O governo Lula pode, de imediato, instituir o Conselho Nacional de Comunicação ou adotar medidas para descriminalizar as rádios comunitárias. Além disso, a batalha da sucessão presidencial permite que o tema estratégico da democratização dos meios de comunicação seja pautado para todos os candidatos. Ou seja: há muito que fazer no próximo período! Organicidade e pressão social são as palavras-chaves para a nova fase que se abre.

 

Altamiro Borges é jornalista, membro do Comitê Central do PC do B e autor do livro "Sindicalismo, resistência e alternativas" (Editora Anita Garibaldi).

 

{moscomment}

Comentários   

0 #3 ei!juan 15-01-2010 21:22
"empresários progressitas"??
o que é isso companheiro Altamiro?

saudações socialistas
Citar
0 #2 Ilusão e EnrolebaRaymundo Araujo Filho 12-01-2010 14:51
Fora o fato de, após muito tempo, vermos a particupação popualr se fazer sentir, e não foi outra a causa de alguns ditos avanços (a meu ver apenas na área das "intenções", pouco acvançou-se, penso eu, ao contrário do que arrola o otimista (bota otimista) dirigente do PC do B.

Notei a ausência de críticas aà visível tentativa do governo "acomodar" as coisas, na saga "inlargável" de fingir querer agradar a todos, mas que ao fim, agrada, já sabemos quem.

Continuo este comentário, afirmando que "mais de 600 propostas aprovadas" não é avanço alvissareiro algum, senão a senha para a enroleba que vão tentar fazer, dentro de uma quantidade tal de propostas, que só especialistas entenderão.

E, esta profusão de propostas, a meu ver, no fundo apenas escondem a falta de coragem do governo prover medidas como:
1) Impedir que conglomerados midiáticos se espandam em mídia impressa, televisiva e radiofônica com os mesmos donos.

2) O regime de concessão governamental, que vem transformando a cessão de espaços de comunicação como verdadeiras sesmarias em moedas de trocas políticas.

4) O preparo da discussão para a sociedade que Canais Abertos de TVs não PODEM ser comerciais, mas sim, espaço para a Reforma agrária do Ar", colocando as empresas de mídia na Banda B, paga e eles que se arrumem com seus clientes ou cdendo o sinal de graça, ou fazendo real concorrência de preços.

Isso só prá começar.

Ao fundo da Conferência temos o PovoBrasileiro dominado pelas TVs Abertas, com 60% das programações destas igrejas eletrônicas ilegais e imorais, além de vermos o SBT, RECORD e Rede TV TOTALMENTE comprados pelo governo federal (=Lulla). Fora o que se passa nas rádios AM que deveriam ter o mesmo tratamentodas TVs Abertas.

Aí sim, teríamos a tal Democracoa Midiática.

O resto é Ilusão e Enroleba!
Citar
0 #1 imprensabraz menezes 08-01-2010 05:17
parabens muito bom esta materia e estas conquistas, sugiro voce elaborar em livro sintetizando todo este processo,
abraço- braz
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados