topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
2009, mudaram os parâmetros, mas não as moscas Imprimir E-mail
Escrito por Gabriel Brito   
Domingo, 27 de Dezembro de 2009
Recomendar

 

Muito se pode discutir sobre os principais acontecimentos do ano esportivo/político no Brasil neste findo 2009. Também podemos tomar partido em diversas questões candentes dos rumos da área e das decisões e administrações de suas autoridades, certamente muito abaixo do ideal ainda. O que não deixa dúvidas é que este foi um dos mais importantes e badalados anos, com o esporte tomando um lugar de enorme destaque na agenda nacional.

 

Evidentemente, nada teve mais relevância do que a escolha do Rio de Janeiro como sede das Olimpíadas de 2016, fazendo-nos, nas palavras do presidente Lula, atingir a ‘cidadania internacional’, complementando o combo iniciado no final de 2008, quando o Brasil ganhou de presente e sem concorrência (algo inédito) o direito de sediar a Copa do Mundo de 2014.

 

É perda de tempo rediscutir os méritos da candidatura. As três concorrentes perdedoras (Madrid, Tóquio e Chicago), além de se localizarem em países que apóiam de verdade o esporte, desde as bases, possuem estrutura para dar início aos jogos amanhã mesmo, enquanto que o Rio, não se sabe se o fará com competência nem daqui a sete anos.

 

Não faltou discurso de que desta vez o povo e os poderes fiscalizarão o andamento das obras e demais gastos para os Jogos, sendo inclusive criadas comissões no parlamento e no tribunal de contas para acompanhar mais de perto o processo. Com o lastro da vergonhosa gestão do Pan-americano de 2007 e seu inexistente legado, até Carlos Arthur Nuzman teve seus dias de cordeirinho. Mas já recobrou sua consciência, anunciando em entrevista ao diário Lance que o orçamento dos jogos aumentará.

 

A mídia obesa, decadente, mas ainda dominante, fez todas as loas possíveis. Aliou-se ao ilusionismo do filme de apresentação da cidade produzido por Fernando Meirelles e relatou uma população eufórica e festeira, a saltitar pelas ruas do país de alegria pela conquista nacional. No entanto, a desconfiança das pessoas é tão indissimulável que realmente houve espaço para o discurso da necessidade de forte fiscalização.

 

Honrosas exceções posicionaram-se firmemente contra o evento, sem se deixarem levar pela falsa euforia criada pelos interessados não só nos Jogos, como também nos negócios Olímpicos. Basta ver que já começaram alguns polêmicos planos de expropriação em áreas que serão destinadas a receber as competições. Certamente, muita gente pobre será varrida para baixo do tapete da cidade maravilhosa. E pago pra ver todas as obras de melhoria fora do eixo nobre se concretizarem.

 

De toda forma, é sem dúvida a oportunidade para o salto a ser dado rumo à transformação do país em potência esportiva. É esperar para ver, mas, ao que parece, a prioridade será o esporte de alto rendimento, com vistas a apoiar de forma mais maciça aqueles atletas que tenham chances de medalha. Ou seja, deverão escolher meia dúzia de talentosos por modalidade para turbinarem ao máximo; já o esporte nas escolas, de base, deverá continuar na mesma precariedade, quem sabe com algumas migalhas a mais.

 

Copa 2014: tudo certo, nada resolvido

 

Já em relação ao Mundial de futebol, a ser realizado dois anos antes, a coisa anda devagar. Tendo dado no colo o direito de sediar a Copa do Mundo aos canarinhos, agora a Fifa será apresentada às nossas tradições de imprevidência, leniência e muita falta de transparência.

 

Previstas para ocorrerem até o final deste ano, as licitações que visam contratar a iniciativa privada para as obras dos estádios da Copa foram constantemente adiadas, tendo o país chegado ao final do ano sem nenhum parceiro definido. As reformas, que por ordem da Fifa deveriam ter começado em dezembro, foram remarcadas para março e alguns fatos já levam a crer que tudo ficará por conta de papai-Estado.

 

O governo do Rio passou a falar em tocar sozinho a reforma de 500 milhões de reais do Maracanã; em Mato Grosso, Blairo Maggi já afirmou que o estado banca a cancha local, sem necessidade de licitações; Amazonas e Brasília caminham no mesmo sentido, sendo duas das mais custosas obras de todas – e sem que se tenha a mínima idéia do que fazer com os estádios após a Copa.

 

Sendo assim, a promessa do presidente da CBF Ricardo Teixeira, endossada por Lula, de fazer a Copa sem dinheiro público já foi às favas há bastante tempo. Com o caráter centralizador da organização, formada pela mesma camarilha que habita os corredores da confederação e com o mesmo chefe, podemos começar a nos segurar na cadeira.

 

O pior de tudo é saber que tal estado de coisas tem tudo pra continuar inalterado. Após as duas CPIs que assolaram o futebol nacional no começo da década, Ricardo Teixeira reconquistou o carinho de seus inimigos, e hoje vive aos abraços com o presidente da República. Enquanto os recentes mundiais da França e da Alemanha contaram com Platini e Beckenbauer como símbolos do evento, o Brasil vai de Ricardo Teixeira mesmo.

 

Futebol feminino

 

Apesar de brasileira, Marta conseguiu mais uma vez ser eleita a melhor jogadora do mundo, pela quarta vez, todas seguidas, o que a faz a atleta que mais vezes recebeu tal distinção, tanto no masculino como no feminino. Isso mesmo vindo de um país que segue sem qualquer projeto de implantação de um futebol feminino de fato profissionalizado.

 

Com receitas de 200 milhões por ano, a CBF se comporta como uma grande empresa na hora de gerir a seleção brasileira masculina, que é uma autêntica árvore de dinheiro, jorrando de diversos patrocínios milionários e viagens muito bem recompensadas para enfrentar Estônias e Omãs da vida.

 

No entanto, torna-se armazém quando justifica que não garante a realização completa de uma terceira divisão por esta custar 5 milhões de reais. Porém, é claro que possui condições de bancar várias, além de providenciar uma grande estrutura para o florescimento do futebol das mulheres. Se não for para isso, de que serve uma confederação esportiva, cujo mote principal nada mais é que organizar e fomentar o esporte em todos os seus níveis? Que sirva de algo emporcalhar a camisa amarela com Vivo, Itaú, Guaraná...

 

Diante desse apanhado, 2010 parece ser um ano que traz fabulosas incógnitas. Agora sob os olhares do mundo, ávido por grandes empreendimentos e tudo que girará em torno dos eventos, o país terá de mostrar serviço, isto é, ser eficiente e organizado nas tarefas que a comunidade esportiva delegou ao novo eldorado do mundo globalizado.

 

Gabriel Brito é jornalista.

 

Recomendar
Última atualização em Domingo, 27 de Dezembro de 2009
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates