Ainda as analogias com o governo Lula

0
0
0
s2sdefault

 

Os argumentos teóricos de alguns setores da esquerda, contrários ao governo Lula, reconhecem que nesse governo o Estado não é somente financiador e investidor, mas também instrumento provedor de políticas sociais, sobretudo de mitigação da pobreza.

 

Eles também reconhecem que, ao contrário da política exterior raquítica do governo FHC, a política internacional de Lula caracteriza-se pelo reposicionamento do Brasil na geopolítica mundial. Tal reposicionamento teria elevado o Brasil à condição de potência e o transformado num player global. Ainda segundo eles, com Lula o país teria se tornado uma nação estratégica no continente latino-americano, fazendo-se ouvir nos grandes fóruns internacionais. De mero coadjuvante, o Brasil teria passado a importante protagonista nos debates mundiais.

 

Por outro lado, aqueles argumentos teóricos sustentam que a política interna de Lula, embora se contrapondo à hegemonia da aliança tucano-pefelista, mas secundada pelo adesismo peemedebista, transformou seu governo no tertius da luta de classes. Isto é, conciliador de classes, absorvendo as representações corporativas de trabalhadores e empresários, mediando e administrando interesses conflitantes.

 

Aqui, limitam-se a fazer analogia do governo Lula com o governo FHC. Asseguram que Lula manteve a macroeconomia do governo anterior, tendo como pilares a disciplina fiscal e monetária. Neste sentido, os sinais seriam abundantes: aumento na taxa de juros, aumento do superávit primário, cortes no orçamento que atingiram a área social, renovação do acordo com o FMI etc. etc.

 

Assim, a expectativa da chegada de Lula ao poder, que deveria refundar o Brasil, dar início a uma nova era, reagir ao Consenso de Washington, trilhar caminhos diferentes da ortodoxia neoliberal e retomar um projeto de nação, de caráter nacional popular, teria sido frustrada desde a guinada da Carta ao Povo Brasileiro, de 2002, que reafirmara o compromisso em honrar os pagamentos aos credores.

 

Esses argumentos teóricos pecam, preliminarmente, em dissociar a política externa da interna e colocar as expectativas fora do contexto. Qual era a real correlação de forças que poderia levar Lula e o PT, não ao poder, mas apenas ao governo? Só os sonhadores, desligados da realidade social e política do país, poderiam supor que a vitória eleitoral de Lula propiciaria uma refundação do Brasil. Aliás, o próprio uso do conceito de refundação demonstra alienação diante da evolução e do desenvolvimento histórico.

 

A vitória de Lula começou a se delinear já em 2000, não pela ascensão das mobilizações e lutas sociais, mas pelo aprofundamento das divisões no seio da burguesia, diante do estrago que a política neoliberal de recomposição patrimonial da riqueza brasileira causava a grandes parcelas das burguesias industrial e comercial e das pequenas burguesias urbana e rural.

 

Portanto, a tática política que poderia levar à vitória eleitoral de Lula teria que considerar seriamente a aliança com esses setores da burguesia. Por um lado, para isolar a grande burguesia, especialmente seu setor financeiro. Por outro, para fazer com que a burguesia afrouxasse sua hegemonia ideológica histórica sobre grandes parcelas populares, deixando momentaneamente de lado seu mote de que um operário seria incapaz de governar o país.

 

Em outras palavras, falando francamente, Lula chegou ao governo não só porque a burguesia estava dividida, mas porque uma parte dela saiu da neutralidade e o apoiou, permitindo-lhe cravar com mais facilidade, nas mentes e corações da grande massa popular do país, a idéia de que alguém, com mente e coração iguais, poderia governar e fazer muito mais por ela e pelo país.

 

Achar que isso não imporia um preço à vitória é pensamento típico de idealistas que desdenham a realidade. Para piorar, a burguesia financeira nacional e internacional deu indicações de que estava disposta a retaliar seriamente, caso Lula seguisse os conselhos de refundar o país, não pagar aos credores etc. etc. Subestimar o poderio e a capacidade desse setor da burguesia, e pagar para ver, talvez não fosse a atitude tática mais adequada. A Carta ao Povo Brasileiro, de 2002, foi um recuo tático e o preço pago para não correr tal risco.

 

É evidente que, também em política, só se resolve um problema criando dois ou mais. Os recuos programáticos e as alianças levaram à incorporação de aliados duvidosos a postos chaves do governo, e alguns petistas tomaram o recuo tático como estratégico, causando ainda maiores dificuldades para a retomada da iniciativa política.

 

Neste sentido, alguns sinais de continuísmo foram realmente abundantes. O Banco Central continuou utilizando as taxas de juros como instrumento de controle, não só da inflação, mas também de qualquer tentativa de crescimento. O superávit primário manteve o sistema financeiro tranqüilo, mas impediu a elevação da taxa de investimento. Cortes no orçamento atingiram algumas áreas sociais, penalizando principalmente setores médios da população. E a renovação do acordo com o FMI foi uma indicação de que o governo não pretendia confrontos com o sistema financeiro internacional.

 

No entanto, também havia sinais de que o governo Lula trabalhava para realizar uma inflexão de rota, embora de forma silenciosa e paulatina, e evitando confrontos. Alguns desses sinais já eram evidentes no programa contra a fome, na retomada do planejamento, nos esforços para realizar investimentos estatais e configurar uma política industrial, na diversificação das parcerias econômicas e políticas internacionais, na política de integração sul-americana e na firmeza de contrapor-se às tentativas de criminalização dos movimentos sociais.

 

Os teóricos de diferentes procedências desprezaram tais sinais, simplesmente porque jogariam por terra a analogia com o governo FHC. Porém, o que mais impressiona é que, mesmo com tais sinais de mudança de rota suficientemente evidentes, os argumentos daquelas parcelas da esquerda continuem dando ênfase a sinais de continuidade que já foram superados, ou estão em processo de superação.

 

Wladimir Pomar é analista político e escritor.

 

{moscomment}

Comentários   

0 #14 Triste FimRaymundo Araujo Filho 25-12-2009 08:41
Triste fim da Ex Esqyerda Corporation S.A. .Trocou o Capital de Marx, peloselogiosdo The Economit.

De minha parte continuo com a máxima Toda a Propriedade éum Roubo (Joseph Proudhon). E vou teler o Triste Fim de Poicarpo Quaresma (Lima Barreto) e a excelente comédia de costumes dos anos 70 Quem SDiria...Greta Garbo Acabou no Irajá (Fernando Mello).

Ah! Feliz Natal a todos, mas sem acreditar em Papai Noel (jáestamos grandinhos para isso...)
Citar
0 #13 \"Esquerda\"Antonio Luiz 25-12-2009 07:25
Parabéns Wladimir, pelo artigo. Você se constitui numa das poucas ilhas de lucidez e desprendimento na análise dos problemas do Brasil neste blog. Continue assim.
Espero um dia ver aqueles que se dizem de "esquerda" o serem: de mente aberta, sem dogmas e raiva.
Citar
0 #12 Ascenção Economica do \"Brasil\"carlos alberto de souza 21-12-2009 00:10
A ascensão econômica do Brasil é o tema da capa, de um editorial e de um especial de 14 páginas da edição desta semana da revista britânica The Economist, divulgada nesta quinta-feira 18/12/09. Intitulado Brazil Takes Off (“O Brasil Decola”, em tradução literal), o editorial afirma que o país parece ter feito sua entrada no cenário mundial, marcada simbolicamente pela escolha do Rio como sede olímpica em 2016.
A revista diz que, se em 2003 a inclusão do Brasil no grupo de emergentes Bric (Brasil, Rússia, Índia e China) surpreendeu muitos, hoje ela se mostrou acertada, já que o país vem apresentando um desempenho econômico invejável.
A The Economist afirma também que o Brasil chega a superar outros Bric. “Ao contrário da China, é uma democracia, ao contrário da Índia, não possui insurgentes, conflitos étnicos, religiosos ou vizinhos hostis. Ao contrário da Rússia, exporta mais que petróleo e armas e trata investidores estrangeiros com respeito.”




É interessante comparar o Brasil governado pelo operário "analfabeto e burro" com o que que foi comandado pelo sociólogo "letrado e intelectual".
Isso tudo na visão do The Economist...A reportagem mostra um comparativo entre os dois governos,que não apenas confirma aquilo que disse em meu comentário,como tambem acrescenta mais informações bastante elucidativas.
Citar
0 #11 Coerência política é ser antigo e raivosROBERTO CARLOS 20-12-2009 08:42
O curioso é que ser coerente, nessa era Lula, é ser antiquado, sectário, raivoso, etc.

O engraçado é que as mesmas críticas que todos faziam às macro-políticas dos governos de Collor, Itamar, FHC, Sarney, etc. e que são rigorosamente as mesmas atuais (até aprofundadas, em muitos pontos - vide a dívida pública), agora, só porque são implementadas pelo governo Lula, são críticas consideradas injustas e indecentes.

Percentual de adesão não significa e nunca significou alguma coisa nesse país (vide, aqui no Rio o Cesar Maia que era Deus e virou diabo). Mantenho-me coerente com tudo o que sempre defendi. Caes são os que se deixam adestrar em troca de ração. Não sou vinculado a nenhum partido ou corrente ideológica. Falo baseado nas minhas próprias convicções. Esse governo vai ficar para a história, sim. Mas como o governo da traição.
Citar
0 #10 renato machado 19-12-2009 12:47
Professor Pomar:
O Sr. com facilidade resvala e enfatiza o velho chavão da esquerda tradicional , onde para reforçar a sua argumentação , desqualifica da maneira mais imprudente e descortês a argumentação daqueles que pensam diferente. Os outros são os ingênuos , são os sonhadores , são os que só querem demarcar posições , são os utópicos , são aqueles que não conseguem ver o óbvio. Isso é lamentável e tem causados profundos estragos nos avanços daqueles que lutam por transformações sociais.
Citar
0 #9 Domadores de CãesRaymundo Araujo Filho 17-12-2009 13:36
Carlos, sou veterinário, não domador. Isso deixo para outros..

Collor se elegeu dizendo que ia equiparar a aposentadoria rural ao salário mínimo e que as provas de trabalho rural passariam a ser testemunhais. Fez bom governo?

Antes, Sarney fez o "espetáculo de consumo" e o "tudo pelo social (chegou a ter 86% de aprovação). Fez bom governo?

Itamar Franco, produziu o Plano Real, saiu ovacionado e elegu FHC como sucessor. Fez bom governo?

FHC ficou oito anos e encantou nos 7 primeiros a todos (tinha de 65 a 75% de IBOPE). Fez bom governo?

Era este o argumento que usavam contra a cachorrada petista que ladrava, mas que não mordeu quando pôde.

Não tome como ofensiva estas figuras que escrevo,mas foi o que achei de melhor, pra me contrapor à delicadeza de seu texto.
Citar
0 #8 Escritos IndignadosArmando Rôla 17-12-2009 13:18
Quando alguém escreve artigos polêmicos é muito divertido ler os comentários postados. "Via campesina", "Moisés(Sic..), "Cazuza" citado erroneamente(ideologia, eu quero uma prá viver), "Marina"(Com o PV de Sarney), "Turma do Psol(sempre com o PSDB no Congresso Nacional), "revolução socialista" . Tudo tão antigo, argumentos ultrapassados, sem nenhuma lógica e sem a mínima consistência ideológica. ESQUISITO.
Citar
0 #7 lula x fhccarlos alberto de souza 16-12-2009 15:42
É sinceramente os cães ladram e a caravana passa,e enquanto isso,a aprovação pessoal do governo lula lá em cima,Dilma subindo nas pesquisas,o Brasil saindo da crise sem arrahões......até 2010 companheirada.
Citar
0 #6 O argumento falacioso de Walter Pomar nãRINALDO MARTINS 15-12-2009 09:17
Remeto-me à história de 4 mil anos do povo hebreu e judaico, retratado sabiamente pela Bíblia, para dizer que essa posição de Wladmir Pomar e de muitos adeptos do atual governo não é nova. Na verdade tal postura não é movida por análise da realidade de conjuntura (isto é apenas pretexto) e sim por uma concepção ideológica da própria existência humana e da sociedade. Já naqueles tempos os mesmíssimos argumentos foram utilizados pelos falsos líderes e pelo povo de Israel visando justificar os governos corruptos e corruptores dos seus reis escolhidos. Mas existiram os grandes profetas, como Moisés,Isaias, Jeremias, denunciando essa visão torta que sempre acabou por ensejar mais submissão e escravidão do povo de Israel nas mãos dos seus inimigos estrangeiros (como os babilônios, etc). Fico com a sabedoria história da Bíblia que prova que tal discurso pragmático do tipo de Walter Pomar nunca teve fundamento na verdade libertária.
Citar
0 #5 Governo Lula e AnalogiasAroldo Magno de Oliveira 12-12-2009 14:47
Obviamente as analogias são inevitáveis, mas os parâmetros marcam as diferenças. Dizer que o governo Lula representa um avanço em relação ao de FHC é tão absurdo quanto dizer que o governo Lula é uma extensão do de FHC. No governo FHC tivemos políticas reformistas que se caracterizavam de uma maneira. No de Lula, tivemos políticas reformistas com outras características. O que há de rigorosamente igual entre ambos os governos é a manutenção da mesma política de reformas. No plano partidário, o governo FHC tinha uma oposição que se apoiava nos movimentos sociais, o PT. No governo Lula houve um anestesiamento/ionterdição das oposições. Hoje está tudo homogêneo, e com a esquerda perdida e sem força. Consolidou-se a oligarquia no poder em seus blocos, e hoje o sonho de mudança que era Lula, já não existe. O sonho morreu. No momento, o brasil só pssui um movimento sério e representativo de mudanças de caráter revolucionário: a via campesina. Os partidos de esquerda comprometidos com a revolução socialista podem, e devem, ouvir mais a via campesina e outros movimentos sociais populares urbanos para montarem uma boa plataforma de governo. Óbvio que levará agum tempo. Enquanto isso vamos ver como será a grande farsa eleitoral de 2010.
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados