topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Sep   October 2016   Nov
SMTWTFS
   1
  2  3  4  5  6  7  8
  9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031 
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Os zapatistas e a ética da diferença Imprimir E-mail
Escrito por Guga Dorea   
Quarta, 02 de Dezembro de 2009
Recomendar

 

"Contaram os mais velhos dos mais velhos que povoaram essas terras que os deuses maiores, os que nasceram o mundo, não pensavam todos da mesma maneira. Ou seja, não tinham o mesmo pensamento, cada um tinha o seu próprio pensamento e entre eles se respeitavam e escutavam (...). Dizem os mais velhos dos velhos que por isso o mundo saiu com muitas cores e formas" ¹

 

Esse comunicado, que faz parte de um diálogo do subcomandante Marcos com o lendário Velho Antônio², lança um dos pilares básicos do que venho tratando em artigos publicados pelo Correio da Cidadania nesse ano de 2009. Afinal de contas, o que é ser igual e diferente na sociedade contemporânea? Vejamos então o que esse diálogo tem a nos dizer:

 

"O Velho Antônio me disse que perguntou aos velhos mais velhos como fizeram os deuses primeiros para entrar em um acordo e conversar, se eram tão diferentes os pensamentos que sentiam (....). E então os deuses ficaram calados porque perceberam que, quando cada um dizia ‘os outros’, estava falando de ‘outros’ diferentes. (...). Assim, o primeiro acordo realizado pelos deuses mais primeiros foi reconhecer a diferença e aceitar a existência do outro".

 

O que é então, nesse contexto, aceitar a diferença no outro? Segundo o que nos tem trazido o subcomandante, não se trata de homogeneizar as relações humanas e muito menos de se fechar em guetos instransponíveis no qual o outro passa a não existir mais. Não é, portanto, que todos tenham a mesma cor e forma.

 

Para reconhecer e respeitar a existência do outro, nesse sentido, é preciso realmente escutar e tornar esse outro visível a nossos olhos, não mais o reconhecendo apenas quando suas palavras soam iguais às que "eu" quero ouvir. Não é produzir identidades fechadas, ávidas por criar estigmas a todo instante, escutando o outro somente para reafirmar superioridades frente aos negativamente rotulados como "diferentes".

 

Daí o subcomandante Marcos falar que resistir à homogeneidade não é sinônimo de fazer oposição a ela, passando a lutar para criar uma nova hegemonia dominante. A contribuição dos zapatistas, a meu ver, é justamente a de positivar as diferenças, mas não negativizando os supostos "iguais", aqueles que as estigmatizaram.

 

Ao perceber, reconhecer e respeitar a diferença existente no outro, descobrimos o que tem de diferente em nós mesmos, não mais estabelecendo hierarquias valorativas entre pessoas. Todos são diferentes e assim devem permanecer, mas sempre se diferenciando internamente a partir do encontro com o outro. É como já nos disse Paulo Freire: o eu é sempre o outro.

 

Pensando ainda no que o chamado filósofo da diferença, Gilles Deleuze, nos trouxe, não é mais pensar a diferença no outro e sim no que emerge de diferente em mim diante do que esse outro me revela. É o que Deleuze e também Guattari chamaram de devir outro em mim. Para o Velho Antônio, é no princípio da escuta que realmente conhecemos o outro e consequentemente a nós mesmos:

 

"Depois desse primeiro acordo a discussão continuou, porque uma coisa é reconhecer que existem outros diferentes e outra muito distinta é respeitá-los. (...). Depois todos se calaram, cada um falou de sua diferença e cada outro dos deuses, que escutava, percebeu que, escutando e conhecendo as diferenças do outro, mais e melhor conhecia a si mesmo no que tinha de diferente".

 

Segundo o subcomandante Marcos, nesse diálogo imaginário (ou não), o Velho Antônio saiu do local em que conversavam sem que ele percebesse. Quando notou a sua ausência, disse ele:

 

"O mar já está dormindo e do toquinho de vela resta apenas uma mancha disforme de parafina. Em cima, o céu começa a diluir sua negritude na luz da manhã ...."

 

Não querendo promover aqui nenhuma análise literária de mais esse poético comunicado, talvez seja possível afirmar que o subcomandante prefigurou o que seria um encontro entre dois fenômenos aparentemente distintos: uma espécie de dialética entre a noite e o dia. Realizando um paralelo, pode significar que em um possível encontro, entre formas de ser não hierarquizadas, cada pessoa pode embarcar em sua própria diferença interna, transformando o pressuposto homogeneizante no qual o que prevalece, nos relacionamentos humanos, são interesses individuais e egocêntricos.

 

Como pensar então em relações entre diferenças a partir de contextos em que o outro é invisível? Os zapatistas nos mostram justamente o contrário. Eles dão visibilidade ao outro quando lutam e desejam "um mundo onde caibam todos os mundos". Essa é uma metáfora, invocada a todo instante por eles, em que a diversidade é exaltada, ressaltada, aceita e, sobretudo, reconhecida, podendo nos remeter ainda a um debate filosófico dos mais prementes: o que vem a ser, enfim, a natureza humana? Os seres humanos nascem iguais ou diferentes?

 

Não há uma resposta verdadeira e muito menos científica para este dilema. No entanto, podemos resgatar o sociólogo Edgar Morin: somos iguais como seres humanos e diferentes em nossas singularidades. Nesse contexto, os zapatistas não caem na armadilha de um multiculturalismo em que as diferenças se fecham em si mesmas, não mais reconhecendo o outro em sua diferença não hierarquizada.

 

Os zapatistas não querem homogeneizar e muito menos serem homogeneizados. Eles não buscam, enfim, uma identidade fechada, na qual a presença do outro não faz a menor diferença. O outro, dos zapatistas, não são apenas os indígenas e sim todos aqueles que, por motivos culturais e históricos, não quiseram ou não se adaptaram ao modelo de vida imposto pelo processo "civilizatório" moderno. Nesse sentido, retomando o Velho Antônio,

 

"É bom que haja outros que sejam diferentes e que é preciso escutá-los para conhecer a si mesmo".

 

Notas:

 

¹ Ver "A História dos Outros", in Di Felice, Massimo & Munôz, Cristobal, "A Revolução Invencível: subcomandante Marcos e o Exército Zapatista de Libertação Nacional – Cartas e Comunicados", ed. Boitempo, São Paulo, 1998.

 

² O Velho Antônio foi um indígena mexicano que, através desses diálogos com o subcomandante Marcos, comunicou e divulgou a tradição de seus antepassados. Muitos desses diálogos podem ser interpretações ou mesmo criações do sub, mas o fato é que eles existiram.

 

Guga Dorea é jornalista e cientista político, atualmente integrante do Instituto Futuro Educação e pesquisador colaborador do Projeto Xojobil.

 

º¸·
Recomendar
Última atualização em Quarta, 02 de Dezembro de 2009
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates