Marina Silva e Heloísa Helena: duas contra três em 2010

 

Marina Silva e Heloísa Helena juntas em 2010 – duas mulheres pobres, Amazônia e Nordeste. Ambas negaram o pacto do poder pelo mero poder. Esse cenário tira o sono da elite brasileira.

 

O anúncio oficial dessa possibilidade, feito pelo PSOL essa semana, foi precedido por artigo atônito de José Dirceu, onde acusa o golpe desferido por Marina e Heloísa nos flancos de Dilma Roussef e José Serra de uma só vez.

 

O que mais preocupa PT, PMDB, PSDB e PSB nessa provável aliança é que atinge de uma só tacada as candidaturas Dilma, Serra e Ciro. Caso aliada à Heloísa Helena (candidata ao Senado), a candidatura Marina à presidência estará afirmando categoricamente ao Brasil que a agenda ambiental não é compatível com o modelo neoliberal e com a racionalidade capitalista hegemônica no mundo, representada pelas três candidaturas.

 

Seriam duas contra três. Seria um simbolismo do antagonismo entre trabalhadores e excluídos ante o sistema financeiro, empreiteiras e agronegócio, superando maniqueísmos. A complexidade da crise ambiental tomaria seu lugar: uma questão econômica e política objetiva, não somente filosófica ou subjetiva como fazem crer.

 

A aproximação entre Marina e Heloísa demonstra estar além da reconhecida amizade pessoal entre ambas ou de mera conjuntura eleitoral. Mais que isso, o diálogo é fruto da relação direta entre a crise ambiental global e a crise econômica mundial. É resultado da postura coerente do PSOL e da ruptura de Marina com o lulismo.

 

A racionalidade ambiental, conceito desenvolvido por Enrique Leff, implica na desconstrução da racionalidade capitalista do mundo globalizado. Esse esforço supera os movimentos ambientalistas e a ética ecológica do senso comum e marca a passagem da modernidade para a pós-modernidade, onde a racionalidade ambiental aponta ao anti-capitalismo. O diálogo entre Marina e Heloísa demonstra isso claramente.

 

Essa aproximação, além de tirar o sono das elites e apontar uma alternativa ambiental de poder socialista concreta à globalização no Brasil, pode ser capaz de reverter injustiças históricas na Amazônia brasileira e no país.

 

Mesmo com 1 milhão de barcos navegando em seus rios, construídos por uma das indústrias navais artesanais mais avançadas do mundo, a Amazônia não possui escolas profissionalizantes navais ou linhas de financiamento aos construtores tradicionais. Apesar de o Fundo de Marinha Mercante possuir R$ 10 bilhões para investir no setor anualmente. Resulta da ausência de racionalidade ambiental no planejamento público.

 

Apesar de ser a maior e mais importante bacia hidrográfica do Planeta Terra, a Amazônia não possui nenhum comitê gestor de bacia hidrográfica. Mesmo o Brasil possuindo centenas de comitês em funcionamento e o PAC programar dezenas de projetos hidrelétricos na bacia amazônica, envolvendo milhares de pessoas.

 

A união entre racionalidade ambiental e alternativa socialista no Brasil, representada pela possibilidade de aliança entre Marina Silva e Heloísa Helena em 2010, significa o grande fato novo digno de nota na América Latina atualmente.

 

Kenzo Jucá é sociólogo e assessor da Bancada do PSOL na Câmara dos Deputados.

 

{moscomment}

Comentários   

0 #17 Uma coligação para destruir o PSOLPaulo Henrique Costa Mattos 28-11-2009 06:58
Uma possível coligação de Heloisa Helena com MArina Silva representa a adoção pelo PSOL da realpolitik que tantas vezes na história serviu para destruir os partidos de caráter revolucionário e coerentes na defesa dos trabalhadores.
Marina teve uma trajetória de lutas, mas ao vacilar no seu rompimento com o PT e ter ido para o PV, um partido sem qualquer tradição de lutas socialistas, marcado por posturas oportunistas e gente como Zequinha Sarney (no MA) MArcelo Léllis (To), que representa os grupos mais conservadores e oligárquicos do Brasil, abre uma ferida profunda e de difícil cauterização. E o pior de tudo isso, é dizer que o que está sendo feito é uma estratégia de avanço do PSOL e da luta socialista. Esse é o início da destruição do PSOL, que pode começar a trilhar o mesmo caminho do oportunismo, da degeneração de princípios e do desvirtuamento de uma face verdadeiramente socialista e libertária. Os interesses eleitorais não podem falar mais alto que a necessária consolidação do Partido como um instrumento de lutas socialistas dos trabalhadores brasileiros. Apesar de ainda ser militante de uma das correntes majoritárias do PSOL que defende a coligação com MArina Silva, não aceito tal posição e individualmente continuo defendendo uma candidatura própria, por isso apoio a candidatura de Plíno Arruda para presidente. Brasil Descente, Plínio Presidente!
Paulo HEnrique Costa MAttos, vice-presidente do PSOL-Tocantins
Citar
0 #16 Cooptação do PSOLCarlos Lopes 21-11-2009 23:01
“Caso aliada à Heloísa Helena (candidata ao Senado), a candidatura Marina à presidência estará afirmando categoricamente ao Brasil que a agenda ambiental não é compatível com o modelo neoliberal e com a racionalidade capitalista hegemônica no mundo, representada pelas três candidaturas.”
Este argumento não corresponde aos fatos. Apesar de um passado de militância respeitável, Marina Silva foi fiel seguidora do receituário adotado pelo governo Lula. Como ministra, fez uma série de concessões para não atrapalhar o avanço do agronegócio e das grandes fazendas que avançam sobre a floresta amazônica. Ainda mais, saiu do PT dizendo que deixa o que era sua casa e ganha um bom vizinho. Então, se poucas palavras bastam para um bom entendedor, as contradições com o modo PT de governar foram suficientes para desligar-se, mas as portas estão escancaradas para futuras alianças. O PV já faz isto: é base aliada do governo Lula; aliado de Blairo Maggi em Mato Grosso, apontado pelo GREENPEACE como a personalidade brasileira que mais contribuiu para a destruição da Amazônia; apoio ao governo José Serra em São Paulo, etc.etc.etc. Este é um partido que se apresenta como salvador da humanidade, mas só presta serviços à burguesia.
Para ser coerente com sua postura diante do governo Lula, Marina Silva não podia encontrar partido melhor: o PV.
Realmente, uma agenda ambiental conseqüente não é compatível com o modelo neoliberal e com a racionalidade capitalista.
Mas em que lugar o PV rompe com resta racionalidade capitalista?
Em seis anos no ministério, quando Marinha Silva agiu no sentido de questionar esta racionalidade capitalista?
Quando ela se articulou com os setores organizados (ou desorganizados) dos trabalhadores para questionar o modelo adotado pelo governo Lula?
Em entrevista, Heloísa Helena declarou o seguinte: \"Marina é uma pessoa maravilhosa e, pelo perfil dela, é a única oportunidade para o país para discutir o desenvolvimento sustentável com responsabilidade social. Qualquer outro partido que venha com esse discurso soará como uma coisa hipócrita\" declarou em entrevista ao UOL Notícias.
Mas o PV já faz esta defesa de forma hipócrita. Acho que o PSOL não deve ser correia de transmissão da demagogia.
Sob o capitalismo, conseguir “desenvolvimento sustentável e com responsabilidade social”? Impossível. São da natureza do capitalismo a concentração da renda e a desigualdade social. Então temos necessariamente que construir uma frente anticapitalista para lutar e construir uma sociedade com desenvolvimento sustentável, ou seja, uma sociedade socialista.
Com a grave crise do capitalismo na década de 30 do século passado, John Maynard Keynes advogou a necessidade de o estado fazer fortes investimentos em setores estratégicos da economia para ser alcançado o bem estar social. O resultado seria um mundo de felicidade, com pleno emprego.
Diante da possibilidade de colapso do capitalismo, os governos das mais importantes economias do mundo começaram a seguir esta cartilha. Mas o sonho do pleno emprego ficou apenas nas páginas dos livros de Keynes e seus seguidores.
Não é hora de pregar ilusão. Devemos agir no sentido de aglutinar as força que de fato tem interesse em lutar por uma nova sociedade. Na atual conjuntura, fazer aliança com Marinha Silva é abdicar do programa e do respaldo que o PSOL tem hoje entre parcelas significativas dos trabalhadores e do povo. Reconhecemos que temos ainda que fazer muito, que suar a camisa, mas sempre com o propósito de manter o combate ao governo Lula, à oposição de direita (PSDB/DEM) e dar continuidade ao desafio da organização da classe trabalhadora, combater a pobreza e a concentração de renda. Para isto, temos clareza que o horizonte é socialismo.
Estes objetivos não são incompatíveis com uma política de massas, que aglutine milhões de trabalhadores e jovens.
Espero que o PSOL não entre no barco furado de Marina Silva.
Espero que o PSOL não seja cooptado pela política de conciliação de classes.
Carlos Lopes
PSOL – Imperatriz - MA
Citar
0 #15 Não entrem nessa !!!André Takahashi 20-11-2009 12:30
Me filiei ao PV acreditando que a entrada da Marina Silva mudaria alguma coisa lá dentro. Depois de entrar vi que não é tão simples, o PV é um partido de tucanos verdes, verdadeiros papagaios. Estou saindo de lá e quero distância. No link abaixo segue minha carta de desfiliação.
http://takahashi.noblogs.org/post/2009/10/15/meu-desligamento-do-pv
O PSOL vai simplesmente jogar toda sua curta história no buraco entrando nessa aliança. Vai mostrrar que a amizade heloisa helena e marina silva é mais importante que qualquer programa político sério. Dessa forma nunca romperemos o personalismo que domina a politica brasileira.
Citar
0 #14 assino com o nº2 - Reginairineu 19-11-2009 18:03
faço minhas as suas palavras, como é bom sonhar, o perigo é acordar com pesadelo. Quais as forças partidarias estão coligadas com o povo, com os pouquissimos movimentos populares organizados? é possível até que tenham muitos e muitos votos, e dai. e o depois , e as traições. dizem que o Jdas continua por ai...
Citar
0 #13 Candidatura a governo?João Carlos Bezerra de Melo 19-11-2009 17:26
O texto do companheiro Kenzo, sem dúvida respeitável no seu enunciado propósito, parece-me, contudo, pouco denso -diria, talvez, se me permite, ingênuo, na medida em que funda as suas expectativas e alvíssaras à aliança Marina-Heloíza, sobre as premissas de um projeto sério (nos seus propósitos e apenas nos seus propósitos) de conquista do poder. Explico-me:

Não vi nem ouvi da parte da admirável Senadora Marina, a quem muito especialmente estimo, nenhum anúncio de uma grande campanha popular que, sob a hipótese de que ela viesse a assumir eventualmente o governo, lhe pudesse minimamente assegurar, pela via da pressão popular-revolucionária (não falo em revolução armada, naturalmente, neste contexto), uma base de apoio congressual indispensável à viabilização da sua administração. Vejo, sim, um discurso que, de conciliatório, torna-se quase sem identidade, na carência de uma postura que denuncie firme e claramente, a voracidade capitalista como principal vetor de agressão ao meio-ambiente.
E, de outro lado, como já sugeriu outro comentarista do texto do Kenzo, se, na busca de uma futura base parlamentar, for para valer-se do Zequinha Sarney e outros oligarcas ou aprendizes de oligarcas que tais, a nossa querida Senadora Marina estará, sem dúvida, alienando o patrimônio de respeitabilidade que acumulou ao longo da sua história, para apenas nos oferecer um pouco mais do mesmo atual, talvez até sem as possibilidades de avanços que se tornaram possíveis em setores pontuais (infelizmente muito estritamente pontuais) do governo Lula.
A esquerda tem, sim, um nome respeitável de um homem que carrega um acervo enorme de reflexão sobre o Brasil, de um ponto de vista rigorosamente convergente com as aspirações do pensamento socialista. Por que não nos podemos unir em torno da anti-candidatura de Plínio de Arruda Sampaio?
Citar
0 #12 aliança complicada e questionávelguimarães s. v. 19-11-2009 05:57
companheiro Kenzo, sem dúvida é sedutora a aliança de duas mulheres contra o poder dominante nas eleições de 2010. mas vários são os argumentos válidos contrários a ela. muitos estão já expostas nos comentários anteriores. ressalto um detalhe: esta aliança não é uma composição consistente, mais se assemelha a uma mistura de azeite com vinagre. da exclusiva ótica eleitoral é pouco provável que consiga ser um ponto de aglutinação de votos para ensejar a eleição de parlamentares, incluso a da própria HH. também não parece viável a alternativa da anticandidatura do Plínio de Arruda Sampaio. falta-lhe carisma. a ideia do anticandidato é boa, mas com um nome capaz de mobilizar a parcela do elitorado que se opõe à tríplice aliança "Dilma-Serra-Ciro". Ciro?! não creio que integre esta tríade. ele é mais um francoatirador. há um impasse nesta eleição, porque voto nulo, nem pensar!
Citar
0 #11 envio de e-mailguimarães s. v. 19-11-2009 05:34
caro Raymundo,
aí vai meu e-mail, , não só pra receber sua resposta a Luciana Genro, mas para trocar ideias sobre a questão do voto nulo. adianto que sou contrário ao voto nulo.
abração socialista e comunista.
guimarães s. v. em 19.11.2009.
Citar
0 #10 Enfim uma esperançaEdith Gomes 18-11-2009 20:05
Enfim surge a esperança de uma mudança real nesse país. Duas mulheres admiráveis, íntegras e guerreiras juntas, não só terão o meu voto, como, se isso acontecer, eu que nunca me envolvi com política seria "panfleteira", militante ou melhor, exerceria minha cidadania com força, coragem e fé para vê-las no poder! Tenho fé que verei! Que vença o bem!
Citar
0 #9 Já tava difícil...Raymundo Araujo Filho 18-11-2009 14:53
Já seria difícil achar um parlamentar ou legenda que valesse à pena votar, nas proporcionais em uma coligação de esquerda, ao menos para manter alguma janela e lugar ocupado no parlamento, não para o Jogo do Poder, mas para respaldar os Movimentos Sociais, que não sejam pelegos ou cooptados.

Mas, com esta possibilidade de adesão de Heloísa Helena, levando o PSOLà reboque, ao projeto Marinista -
-Verde, sequer para isso eu daria um voto em algo que tiver o PSOL envolvido.

Reparem que a coligação é anunciada como de Marina com Heloísa Helena. Assim constrói-se não uma, mas duas potenciais Lullas de saias.

Sob a minha perspectiva, PSTU é invotável, principalmente por suas posições internacionais, de apoio ao imperialismo na escolha de seus adversários como são Chávez e todos aqueles que, de uma forma ou de outra, se insurgem contra a hegemonia Anglo-Saxônica no mundo, que devem ser respeitados e protegidos de qualquer intervenção imperialista, independente de nossas afinidades ideológicas.

O PCB, que passa por excelente inflexão à esquerda, sozinho apenas poderá marcar posição doutrinária com seus candidatos, sugerindo eu que, neste caso, façam uma campanha apenas de denúncias sobre a armadilha eleitoral e proposições para um País (não governo) melhor e até lançando uma Anti Candidatura de Esquerda à Presidência da República. Se se coligar com alguns destes, nestas condiçõesproposta no artigo, ou com o PSTU com as peroposições internacionais que tem, será também uma bola fora.

Resta a opção do PSOL resolver-se pelo que venho chamando de uma Anti Candidatura, a do Plínio de Arriuda sampaio, seria ótima com este propósito, possibilitando uma coligação com o PCB e até o PSTU (se rever sua Política Internacional de aliança com o Imperialismo contra países Autodeterminados), chamando que aqueles que Votam Nulo para os Cargos Executivos (como eu) aliarem-se a Anti Candidatura, que poderá ter até a Renúncia, no final da campanha, quando seu nome não mais poderá ser retirado da Urna Eletrônica, somando como Votos Nulos, todos os deposiatdos em Plínio, como um Voto de Protesto.

Esta seria uma maneira inteligente de usar as eleições, e seus espaços e custeio públicos, e por isso, passíveis de serem ocupados por setores populares em luta, de forma a propaganda e agitação política, mantendo algumas temáticas importantes na discussão.

Se o que está propondo o Kenzo acontecer, o PSOL terá conseguido se corromper ideologicamente em apenas 7 anos, coisa que o PT precisou de 20 anos, para ser esta coisa que é hoje.

Nada do que coloco acima corrompe a legítima Campanha pelo Voto Nulo ou Abstencionismo, que sabemos ser urgentemente assumida, como forma válida de luta política, focando nas ruas e nos Movimentos Populares, o protagonismo da Política.

Tudo é uma questão de manter a mente reta, a espinha ereta e o coração tranquilo (Walter Franco), pois o momento é grave

Aqueles que desejem ler a resposta que elaborei ao artigo da dep. federal Luciana Genro com o título, ao meu ver iníquo, de UmpPasso atrás e Dois prpá Frente, podem acessar o , que disponibilizarei com o maior prazer, mas também com tristeza.
Citar
0 #8 A esquerda que a direita gostaGerson Jara 18-11-2009 14:10
Sou fá da Senadora Heloísa e da Marina Silva. Acham que são pessoas valiosas, com caratér, tão raro nos parlamentares e dirigentes politicos. Só acho que entre a Utopia e Possível. Há um fosso. O PT levou 24 anos para chegar ao poder e construir uma máquina eleitoral capaz de chega ao Planalto. Achar que Marina e Heloisa tem densidade eleitoral para chegar e ainda cedo. Elas estão à frente do pensamento hegemônico, perfik e desejo da sociedade brasileira. São importantes no senado para o avanço do próprio senado e das causas nobres, como o meio ambiente e a moralidade no serviço público. Por enquanto é continuar com o projeto reformista do PT e preparar o caminho para as duas governarem este país, limpar bandigagem escrustada no senado e no judiciário, via plebiscito popular. Não vamos desenvolver o Estado a elite perserva que domina este País.
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados