topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Aug   September 2016   Oct
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
252627282930 
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
A Pedagogia dos Apagões Imprimir E-mail
Escrito por Roberto Malvezzi   
Qui, 12 de Novembro de 2009
Recomendar

 

Bastou o apagão desses dias para os adversários de Lula questionarem sua política energética. O foco, porém, é a candidatura de Dilma. Ela foi responsável pelo setor e o apagão de FHC foi mote político para a eleição de Lula.

 

Ambos são muito diferentes. Na era FHC não faltou capacidade instalada para gerar energia, como costumam alegar seus adversários. O que faltou foi "água" nos reservatórios. O lago de Sobradinho, aqui no São Francisco, chegou ao nível de 5%. Menos um pouco de água e todo sistema CHESF teria sido paralisado. Acontece que o fenômeno aconteceu em todo território nacional simultaneamente, fazendo com que a segurança do sistema levasse meses, até ano, porque era preciso que chovesse novamente e o nível dos reservatórios voltasse a níveis seguros de produção. Daí toda onda de racionamento.

 

A lição, nos moldes do capitalismo, foi devidamente assimilada e o Brasil passou a diversificar sua matriz energética, investindo pesadamente em termoelétricas, agora em energia atômica, num mixer com as hidroelétricas. A possibilidade da energia limpa, como a eólica e solar, nem foi considerada.

 

Hoje, aqui em Petrolina, há uma termoelétrica às margens do São Francisco. Ela serve de reserva, caso os reservatórios novamente fiquem sem água. Acontece que, para não correr riscos, agora acionam primeiro a termoelétrica, depois utilizam mais intensamente as águas de Sobradinho, quando as chuvas já estão para chegar e o nível de água já esteja garantido para a próxima etapa. É dessa forma que o Brasil passou a emitir muito mais CO2 na atmosfera. Começamos utilizar uma energia suja que nunca tínhamos utilizado.

 

O apagão do Lula não se deu por falta de água nos reservatórios. Parece que foi problema de transmissão. Mesmo assim, chama a atenção que todo sistema Itaipu tenha entrado em paralisação na geração de energia. Os técnicos explicam, mas é difícil a gente ficar convencido.

 

Em todo caso, esses apagões, como quedas de aviões, como colapso do sistema bancário, como colapso do mundo econômico, nos ensinam que a civilização tem pés de barro. Os donos do mundo querem nos passar a idéia de uma solidez absoluta. Sem dúvida, nas tecnologias há grande margem de segurança. Entretanto, vez em quando tudo falha e nos descobrimos como dependentes de bens que sequer sabemos de onde vêm.

 

Um apagão é muito útil. Ajuda-nos a pôr os pés no chão, olharmos melhor para sociedade que vivemos e descobrirmos que ela é feita de muitas fragilidades e inconsistências. É para essas fragilidades e inconsistências que a crise ambiental nos obriga olhar. Ela nos vai apontando todas as insustentabilidades civilizatórias que construímos. Os verdadeiros apagões ainda estão por vir.

 

Roberto Malvezzi (Gogó), ex-coordenador da CPT, é agente pastoral.

 

Recomendar
Última atualização em Segunda, 16 de Novembro de 2009
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates