topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Aug   September 2016   Oct
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
252627282930 
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
"Preguntas" de Pepito Imprimir E-mail
Escrito por Gilvan Rocha   
Segunda, 26 de Outubro de 2009
Recomendar

 

Ainda bem que tal história aconteceu longe daqui. Era uma sala de convivência. Adultos, crianças e adolescentes falavam as coisas mais variadas, quando Pepito aparece com essa pergunta: porque chamamos "as nossas" Forças Armadas de gloriosas?

 

Dentre muitas histórias mal contadas e mentirosas tivemos o episódio das Ilhas Malvinas e praticamos uma ditadura em que as Forças Armadas cumpriram o mais sujo dos papéis. Promoveu prisões arbitrárias, praticou as mais vis torturas, lançou ao mar alguns presos políticos, separou das mães crianças de tenra idade e cometeu em nome da pátria as mais torpes barbaridades.

 

Um adulto de meia idade coçou a cabeça e disse: meu jovem Pepito, vivemos o sistema capitalista e ele precisa de muitas instituições para lhe dar sustentação; dentre essas instituições estão as Forças Armadas. Elas são confinadas em quartéis. Lá, é proibido pensar e debater. São todos adestrados para uma única finalidade: garantir a ordem capitalista. Isso quer dizer, defesa da propriedade privada a qualquer custo. E tão adestrados são que sempre estão prontos em nome da aludida ordem, praticar escabrosos crimes. Foi dentro dessa lógica que "nossas" Forças Armadas, aqui na Argentina, cumpriram o seu papel de cães adestrados a serviço da pátria que em última instância é servir ao patrão. Assim se explica o comportamento deles ontem, hoje e quiçá amanhã.

 

Mas fui ensinado na escola e no convívio da família que "as nossas" Forças Armadas serviam para garantir o exercício da ordem constituída? Não seriam elas a garantia da Constituição? Ao que esse amigo replicou: a Constituição tem como princípio maior a garantia da fortuna e dos lucros dos ricos. Caso se faça necessário, eles são capazes de rasgarem esta carta que eles chamam de Carta Magna. Ah Pepito! Não sei se em outro lugar é diferente, mas aqui no "nosso" país, na "nossa Argentina", as coisas marcham dessa forma. Eles dizem nossos, mas na verdade as terras, as fábricas, as minas, os bancos e, porque não dizer?, as Forças Armadas são deles, não são nossas, não são do povo.

 

Gilvan Rocha é presidente do CAEP - Centro de Atividades e Estudos Políticos.

Contato: gilvanrocha50(0)yahoo.com.br

 

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates