topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Ingenuidade ou esperteza Imprimir E-mail
Escrito por Manuel Domingos Neto   
Segunda, 05 de Outubro de 2009
Recomendar

 

A compra de aviões militares deve ser decidida por critérios técnicos ou políticos? Caberia indagar sobre a ingenuidade ou a esperteza de quem se manifesta em relação a essas falsas alternativas.

 

Desde os antigos gregos, sabe-se que a téchne, o jeito de fazer as coisas, tem implicações sócio-políticas. Novos padrões tecnológicos alteram a vida em sociedade e incidem sobre o jogo do poder. Não é razoável a tentativa de apartar assepticamente a "técnica" da "política". Lastreada que seja em "critérios técnicos", uma decisão governamental nunca perde o seu teor político. Em negócios de caserna, quem argüi a supremacia do "técnico" sobre o "político" pode estar tentando encobrir opções ideológicas ou vontades corporativas. Tratando-se de comércio de armas, a insistência em tais critérios pode até camuflar interesses ilícitos.

 

Encomendas de sofisticados instrumentos de guerra têm graves desdobramentos, destacando-se o fato de o cliente contribuir para o desenvolvimento da indústria bélica do fornecedor. A potência industrial-militar que logra vendas externas amplia suas possibilidades de investir em novos produtos, reforça e espalha seus tendões além-fronteira e impõe sua vontade. Ao longo do século XX, do ponto de vista estratégico, o comércio internacional de armas ampliou a distância entre as potências fabricantes e seus clientes. O comprador aceita a subordinação, que pode ser maior ou menor, em função de diversos outros fatores, dentre os quais o nível de dependência do conjunto de sua força armada em relação ao fornecedor estrangeiro. Quem não controla a produção de suas armas não pode, em últimos termos, decidir com autonomia seu próprio destino; na melhor das hipóteses, enfrenta inimigos secundários, mesmo assim, sem contrariar o fornecedor.

 

No caso da compra de aviões de combate pelo Brasil, antes do preço da mercadoria e da propalada "transferência de tecnologia", o que cabe analisar é se o país deve ou não continuar atrelado ao complexo de defesa dos Estados Unidos. A atual geração de oficiais generais brasileiros, educada na admiração ao colosso norte-americano e aos seus valores e orientações ideológicas, tem dificuldades para acompanhar as múltiplas conseqüências do papel de protagonista que se desenha aceleradamente para o país. Apenas isso pode explicar o fato de o avião norte-americano persistir no páreo. A reativação da IV Frota e a insistência dos Estados Unidos em instalar bases militares perto da fronteira brasileira deveriam bastar para que o país rejeitasse a compra de material de guerra norte-americano.

 

A alternativa sueca parece alimentar o faz-de-conta, já que o caça oferecido pela metade do preço não sai do chão sem variados componentes fabricados nos Estados Unidos, inclusive o motor. Caso o Brasil compre aviões militares estrangeiros preservando seus laços ocidentais, a opção pela oferta francesa está mais de acordo com a busca de autonomia. Afinal, na Europa, excetuada a Rússia, é a França, com suas 350 ogivas nucleares, que mostra mais reticências à projeção de força dos Estados Unidos.

 

Certamente não cabem ilusões de que o Raffale seja usado em confrontos que desagradem o governo francês. Tampouco cabe pôr muita fé na prodigalidade francesa quanto à transferência de tecnologia: quem dispõe do chamado "conhecimento sensível", aquele que torna superior o armamento, não o cede facilmente. No mais, valeria atentar para a dificuldade de o Brasil incorporar efetivamente possíveis aportes tecnológicos.

 

O militar brasileiro é em grande parte responsável pela montagem do respeitável sistema de pesquisa e ensino superior que o país dispõe hoje: fundou o CNPq e instituições de excelência, como o ITA e o IME; durante a ditadura, impulsionou universidades e estimulou empresas industriais especializadas. Mas, acostumado a usar equipamento estrangeiro, anuviado pelo corporativismo e preso a veleidades autárquicas, não estabeleceu relações frutíferas entre este sistema e as necessidades da defesa armada.

 

Alguns aviões importados não protegerão o país de inimigos poderosos que ousem ocupar a Amazônia ou destruir plataformas de petróleo, preocupações assinaladas na Estratégia Nacional de Defesa; apenas dissuadirão aventuras inconseqüentes de agressores nas fronteiras, interceptarão pontualmente eventuais invasores do espaço aéreo e permitirão à FAB familiarizar-se com o manuseio de equipamentos avançados.

 

Efetuadas as aquisições em debate, o perigo seria disseminar a sensação de que o país estaria preparado para assegurar efetivamente sua defesa aérea, marítima e terrestre. Incomoda pensar que a atualização do aparelhamento das Forças Armadas ganhe manchetes em detrimento de tantos assuntos complexos como a reforma do serviço militar, a montagem da base industrial e de defesa, a redistribuição espacial dos efetivos, a integração da defesa sul-americana e o desenvolvimento dos estudos estratégicos. Tais assuntos dizem respeito a todos e a cada um: precisam ser aprofundados sem ingenuidade ou esperteza.

 

Manuel Domingos Neto é professor do Programa de Pós-Graduação em Estudos Estratégicos da Universidade Federal Fluminense e coordenador do "Observatório das Nacionalidades".

 

Contato: manuel(0)ufc.br

 

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates