“Lulocapitalismo”

 

"O melhor feitor é o ex-escravo". Essa máxima, nascida nas trevas da opressão escravocrata, conserva até hoje o seu conteúdo terrível. A permanência de seu prazo de validade pode ser observada em distintas eras e situações. Na vasta literatura sobre os tribunais do Santo Ofício, por exemplo, os "cristãos novos" se destacavam na linha de frente entre os inquisidores mais eficientes e cruéis.

 

A razão que confere substância para tão trevosa sabedoria é simples. O convertido sempre trabalha dobrado pela causa que passa a adotar. Atua com desassombro, pois conhece as secretas debilidades, as inseguranças e os grandes receios do lugar de onde saiu. Por outro lado, precisa mostrar serviço e provar lealdade aos donos do pedaço onde passa a atuar de maneira resoluta e deslumbrada. São elementos que explicam a extraordinária eficácia do convertido e, ao mesmo tempo, o lugar da cooptação na mecânica de reprodução do poder e na "circulação" das elites dominantes.

 

O professor Delfim Neto, figura que dispensa apresentações, produziu, em entrevista de página inteira no caderno de Economia de "O Globo" (domingo, 20/9), um rasgado elogio ao presidente Lula que, sem sombra de dúvidas, se situa no contexto das reflexões dos parágrafos acima. Ele afirma, com todas as letras estampadas na manchete que define o ponto central da entrevista, que "o Lula mudou o país de forma a salvar o capitalismo". Não se observa na frase, tampouco no seu entorno, qualquer sinal de deslocamento irônico ou sarcasmo, recursos habituais no arsenal do autor. Pelo contrário, há até um tom solene no elogio, que parece vazado nas tintas da sinceridade.

 

No entanto, o entusiasmo do Delfim com o "lulismo" adquire na entrevista um significado preciso. Perguntado se veria contradição em um governo eleito com as bandeiras da esquerda, que até se dizia socialista, salvar o capitalismo, responde de maneira categórica: "a última coisa que este governo fez foi opor-se ao capitalismo. E muito menos ser marxista, ou outra coisa". Ao responder sobre a relação entre as críticas que o PT lhe fizera no passado e sua atual condição de conselheiro do Lula, ele recupera o seu habitual irônico e mordaz para tripudiar: "basta olhar os meus trabalhos desde 1954, quando saí da escola: não mudaram muito. Mas a esquerda mudou. Ela demora, mas aprende".

 

Ao criticar a "mitologia do mercado perfeito" e dizer que "não há mercado sem Estado forte, justamente para garantir o seu funcionamento", ele sugere uma roupagem nova, distinta da estreiteza do neoliberalismo puro e duro, para garantir a reprodução dos interesses dominantes. Apóia com entusiasmo as propostas gestadas nos laboratórios do governo para o enfrentamento da crise atual, talvez por identificar nelas fortes afinidades com a restauração conservadora conduzida por ele próprio ao tempo da ditadura militar. Sempre sagaz, ele não diz isso diretamente, mas o observador atento pode deduzir. Basta observar o noticiário fragmentado sobre a inusitada movimentação no "andar de cima" da sociedade brasileira.

 

Fusões gigantescas, incorporações abruptas, mega-negócios, reconfigurações as mais variadas, tipo Itaú/Nacional, Perdigão/Sadia, Oi/Telemar, Friboi e tantos outros, são elementos de um processo violento que está em curso. O coral dos contentes insiste em apontar para a "marolinha" na superfície, mas se observa um abalo tectônico nas camadas profundas: uma mudança vertiginosa na morfologia do capitalismo brasileiro.

 

Em cada passo desta trajetória ainda subterrânea, o dedo do Estado como sócio do capital monopolista está presente. Manipulando normas, alterando legislações e direitos que possam restringir a liberdade dos capitais, financiando via BNDES, operando via fundos de pensão.

 

Além de outras, essas são algumas das razões do entusiasmo de Delfim Neto com o "lulocapitalismo"

 

Léo Lince é sociólogo.

 

{moscomment}

Comentários   

0 #5 Prezado Luiz Paulo SantanaRaymundo Araujo Filho 30-09-2009 13:31
O Lula que descreves, a meu ver, é aquele no qual votamos em 2002, já sabedores (ao menos eu) que não era um feijão que desse uma boa feijoada, mas cumpriria uma etapa importante para o país.

Mas, o Lulla que temos, é bem pior que a encomenda.

Mudou a direção do que estava em curso e, ao contrário do que alguns pensam, não é um ignorante e sem pretensões teóricas.

Lulla é pior do que isso, que já acho horrível. A forma que Lulla achou para se tornar indelével na história brasileira, não o de um formulador teórico, como muitos intelectuais fizeram, para o bem ou para o mal, ou para o mais ou menos.

Lulla, com a sua falsa "arguta intuição", apenas rendeu-se ao caminho mais fácil e a conselhos de gente nada recomendável, como Stanley Gaceck AFL-CIO e Delfim Neto (que são, segundo o próprio presidente, alguns dos seus melhores amigos"), que o cobrem de fáceis elogios, colocam seu Ego lá no alto, e tal como o Corvo da fábula de La Fontaine, incensado por elogios de sua "maravilhosa " voz, ensaia seu canto horrível, enquanto deixa o pedaço de queijo tão almeijado pela raposa, cair de seu bico para a boca desta.

Não há nenhum determinismo histórico a ser cumprido, que esteja desacoplado do que as pessoas fazem da história. Esta, não se cumpre sozinha, pois não existe como entidade configurada em alguim futuro próximo, ou distante.

As massas podem aprender ou desprender o que tinham conquistado, até a eleição de Lulla, que o desmobilizou e parece querer apagar qualquer memória reivindicativa da sociedade brasileira.
Citar
0 #4 Lulocapitalismo?Luiz Paulo Santana 28-09-2009 09:16
Lula ocupou um espaço de luta num dado momento da vida nacional. Ele não é nenhum herói socialista, tanto quanto nenhum papa do capitalismo. Lula aprendeu a conviver com com as forças que representam esse multifacetado poder que constitui, digamos, essa superestrutura de um país. Trouxe com ele preocupações de ordem social. Representou a maioria do povo dentro da cultura geral e política em que vivemos no tempo. Não tem pretensões teóricas. O dircurso de Delfim apenas corrobora a força coletiva representada pelo poder do estado, de novo a serviço do velho sistema capitalismo em suas novas versões. Discutir essa questão é importante, porque esse poder coletivo do estado é que pode, para o futuro, com novas cabeças e nova consciência dos problemas humanos e planetários, gerar um novo tempo de trabalho, social, ecológico, e não consumista. Lula é apenas uma etapa que se encerra.
Citar
0 #3 errataRaymundo Araujo Filho 26-09-2009 07:50
Onde se lê 'caminhando para o Oriente" leia-se "..caminhando para o Ocidente".
Citar
0 #2 CapitalismoNayala Maia 25-09-2009 12:46
Acho um pouco perigoso esta inserção demasiada do Estado na economia pela simples fato de que esta inserção econômica se dá via atuação política e isto é um passo para o autoritarismo e quebra da ordem democrática.
Citar
0 #1 Um ùnico Reparo...Raymundo Araujo Filho 25-09-2009 06:53
Neste irreparável artigo do Leo Lince, apenas gostaria de alertar sobre o risco que é adjetivarmos (LULO-Capitalismo) o que é apenas um substantivo, isto é, Capitalismo.

E explico o porque e]deste risco: è que os diligentes Lullo Petistas, podem, justamente a partir deste adjetivo mencionado por Leo Lince, a desenvolverem uma nova "teoria econômica" dizendo que o Lulocapitalismo é o antídoto para o capitalismo que, segundo eles e apesar das evidências em contrário, "Lulla combate e quer derrubar".

Creio que usarão a idéia que "assim como a terra é redonda e chegamos ao Norte, indo para o Sul, ou chegamos no Oriente, caminhando no Oriente, a economia também é redonda. Vasi daí..."

Ou quem sabe, adotarão os maravilhosos e eficases pereceitos da homeopatia, evidentemente corrompidos neste caso, enunciando o "similia similibus curantur (semelhante cura semelhante).

Afinal, deta gente, podemos esperar qualquer coisa...
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados