topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Anistia ou impunidade? Imprimir E-mail
Escrito por Claudionor Mendonça dos Santos   
Quarta, 09 de Setembro de 2009
Recomendar

 

Especialmente nas décadas de 60 e 70, surgiram na América Latina vários sistemas autoritários de governo com viés direitista patrocinados pelo governo norte-americano. Restabelecida a democracia, houve, em alguns desses países, a busca da responsabilização daqueles que, usurpado o poder popular, passaram a violar sistematicamente os direitos básicos de grande parcela da sociedade que não se conformava com aquela situação.

 

Lamentavelmente, no Brasil a sociedade ética ainda espera o ajuste de contas, ou seja, a cobrança, com juros, do sofrimento imposto, porém, dentro dos regramentos constitucionais e processuais, ou seja, na legalidade.

 

Na Argentina, vários usurpadores do poder popular prestaram contas e foram devidamente processados, dentre eles Jorge Rafael Videla e Reynaldo Bignone, e três anos após a redemocratização os comandantes das quatro juntas militares que governaram o país foram condenados à prisão perpétua. Posteriormente, é certo, procurou-se amenizar a situação desses torturadores, diante da insatisfação manifestada por alguns membros aquartelados, obrigando o então presidente Alfonsin a decretar legislação impedindo novos julgamentos. Contudo, renovada a Suprema Corte, com juízes sérios e comprometidos com a Justiça, derrubaram-se as leis que os protegiam e vários torturadores retornaram ao banco dos réus.

 

No Chile, outro país que teve a população violentada, a responsabilização foi mais amena, tanto que Pinochet só foi encarcerado em terra estrangeira devido à postura digna e democrática do magistrado espanhol Baltasar Garzón, que conseguiu manter o ditador chileno em cárcere por 503 dias.

 

No Brasil, vergonhosamente, pouco se fez. Mais de 20 anos após a redemocratização e sequer os arquivos da ditadura foram abertos. Confunde-se, nestas terras, conciliação com impunidade, justiça com esquecimento e responsabilização com revanchismo. Tal situação gera medo. A não responsabilização de torturadores permite que novos agentes da imorredoura repressão abram suas asas e afiem seus dentes, em face da fragilidade democrática vigente em países periféricos e, portanto, sujeitos à instabilidade institucional.

 

Embora relativamente baixo o número oficial de mortos e desaparecidos (376) em comparação com o número de mortes na Argentina (30.000) ou Chile (10.000), não se pode refletir apenas na quantidade de vítimas. Mesmo que fosse apenas um desaparecido, ainda assim a busca da responsabilização seria necessária.

 

Nesse ínterim, necessário lembrar a participação e mesmo auxílio financeiro prestado a agentes estatais, por parte de setores civis da sociedade, especialmente multinacionais que patrocinaram e financiaram grupos criminosos encastelados nos aparelhos estatais, além da presença de setores empresariais nacionais.

 

Fundamental, portanto, a discussão em torno da famigerada lei de anistia, praticamente outorgada sob a égide do regime ditatorial, punindo-se exemplarmente tanto os executores como os mandantes e colaboradores, para que aqueles atos ignominiosos jamais se repitam.

 

Tortura nunca mais: frase que somente surtirá efeito quando os responsáveis pela apuração daqueles atos infames exercerem, com dignidade e eficiência, sua função, louvando-se a atitude daqueles que já iniciaram a tarefa para a qual são remunerados pela população.

 

Claudionor Mendonça dos Santos é promotor de justiça e membro do Ministério Público Democrático.

 

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates