O Cristianismo: uma religião? Ou a saída da religião

 

Sempre nos pareceu muito evidente afirmar que o Cristianismo é uma religião. Pois na verdade isso não é tão claro assim. Cada vez mais a teologia se inclina por afirmar que o Cristianismo não pode ser definido como uma religião. O que significa isso? Na verdade, muitas coisas, e que, se pensarmos bem, não irão nos parecer tão estranhas. Comecemos do começo. Ou melhor: comecemos por Jesus de Nazaré. Será que podemos afirmar que Jesus queria fundar uma religião?

 

Achamos que não. Jesus já tinha uma religião e não pensava em escolher outra. Era um judeu piedoso e fiel. O que o incomodava, justamente, era aquilo que os especialistas da religião haviam feito com a fé de Israel. Ao ler os quatro evangelhos, vemos claramente que a disputa de Jesus com os mandatários de sua religião se centra na distorção ou deturpação da imagem de Deus que os que se acreditavam donos da religião, do templo e da lei haviam feito. Haviam posto sobre os ombros do povo um peso tão absolutamente insuportável que era impossível de carregar. Um sem número de rubricas, ritos, prescrições.

 

Uma severidade implacável para com o cumprimento de todas essas mínimas normas e uma crueldade com as pessoas mais simples e humildes que não conseguiam cumpri-las por não terem condições de fazê-las. Jesus percebia que segmentos inteiros do povo eram declarados sem Deus: doentes, leprosos, pecadores. E que várias categorias de pessoas eram tratadas como cidadãos de segunda categoria dentro deste mesmo povo: mulheres, crianças.

 

A esses então Jesus anuncia uma boa notícia, um Evangelho: o projeto do Pai, o Reino, é para eles também. Mais ainda: eles serão os primeiros a entrar, pois são humildes, se reconhecem pecadores, se sabem necessitados de misericórdia e perdão e não se acham donos inexpugnáveis e sobranceiros do dom de Deus que ninguém pode se arvorar em possuir.

 

Ao fazer isso, Jesus não queria atacar nem agredir a religião de seus pais, na qual havia nascido e a qual amava. Desejava apenas que a pureza do ideal da Aliança que sustentou a história e a caminhada de Israel pudesse continuar e crescer em toda a sua pureza. Porém, por isso mesmo foi considerado blasfemo. Acusaram-no de agir contra a religião, de colocar em perigo a religião vigente que emanava do Templo de Jerusalém.

 

E por isso fazem um complot para matá-lo. E efetivamente o matam. É algo que deve fazer-nos pensar que quem matou Jesus não foi um grupo de bandidos e foras da lei. Pelo contrário, foram homens considerados de bem, guardiões da ordem e da religião. Por crê-lo inimigo da religião de Israel, acreditaram dever eliminá-lo. Temiam que ele quisesse acabar com a religião e trazer uma nova religião. Na verdade, a proposta de Jesus não é a de uma religião, e sim de um caminho: o caminho do amor, da justiça, da fraternidade.

 

O caminho da experiência de ser filhos de um Deus que é Pai bondoso, amoroso, misericordioso. E por isso, ser irmãos uns dos outros. Assim fazendo, Jesus desloca o eixo da presença de Deus do Templo para o ser humano. Anuncia que quando alguém está ferido à beira do caminho há que deter-se e socorrê-lo, atendê-lo, com todo o amor e desvelo possíveis. E não ir correndo para o templo porque se está atrasado para a celebração.

 

Quem se detém e pratica o amor para com o próximo ferido e desamparado encontra a Deus. Mesmo que seja um idólatra, como o samaritano do capítulo 10 do evangelho de Lucas. Mesmo que esse Deus se revele fora do Templo e das rubricas da Lei. Com a morte de Jesus e a experiência de sua ressurreição, seus seguidores começaram a anunciar seu nome e um movimento de fé começou a criar-se em torno dele. E essa fé necessitava de uma religião para expressar-se. Por isso tomou os ritos do judaísmo e acrescentou outros.

 

O Cristianismo nascente tentou ficar dentro da sinagoga. Não foi possível e o próprio Paulo - judeu filho de judeus, circuncidado ao oitavo dia, da tribo de Benjamin, formado aos pés de Gamaliel -, com muita dor na alma, foi quem chefiou o movimento de ruptura e ida aos gentios. Espalhou-se pelo mundo a nova proposta, que cresceu e configurou todo o ocidente. Aquilo que começara humildemente em Nazaré da Galiléia, com o carpinteiro fazedor de milagres que chamava Deus de Abba - Paizinho -, tornava-se, sobretudo depois do século IV, a religião mais poderosa e hegemônica do mundo.

 

Foi preciso que houvesse a virada da modernidade, o declínio do mundo teocêntrico medieval, que o Cristianismo perdesse o poder que tinha de instância normativa dentro da sociedade para que aparecesse a verdade inicial em toda a sua pureza. O Cristianismo não é uma religião. Ou, se for, é uma religião da saída da religião. É um caminho de fé que opera pelo amor, um estilo de viver, nas pegadas de Jesus de Nazaré, que passou pelo mundo fazendo o bem. O que isso quer dizer para nós hoje? Que tudo que é religioso é mau? De forma alguma.

 

Os gestos, os rituais, as normas, as fórmulas religiosas são boas desde que enunciem a verdade de uma fé, de um sentido de vida que se expressa na abertura a Deus e ao outro. E por isso são relativas. Pode ser que algumas expressões religiosas que foram muito adequadas a determinada época histórica sejam extremamente inadequadas a outra ou outras. O único absoluto é Deus. O resto... é resto mesmo. Isso é que, hoje como ontem, o Cristianismo é chamado a proclamar diante do mundo.

 

Maria Clara Lucchetti Bingemer é teóloga, professora e decana do Centro de Teologia e Ciências Humanas da PUC-Rio.

 

{moscomment}

Comentários   

0 #10 TEORIAS, TEORIAS E TEORIAS...HELEM 05-07-2010 04:28
ESSA FOI A PALAVRA QUE O SENHOR DEUS ME TROUXE HOJE, FOI UM ALIVIO AO MEU CORAÇÃO QUE ESTAVA CHEIO DE CULPA POR NÃO CONSEGUIR ACEITAR TANTAS RUBRICAS COMO VC DISSE. MUIRISSÍMO OBRIGADA.
QUE DEUS CONTINUE TE ABENÇOANDO
Citar
0 #9 parabénsPR MAURICIO 16-05-2010 14:10
Estou de pleno acordo com o texto acima e gostaria de compartilhar outros artigos professora Madalena e contínuo afirmando foi belíssimo este artigo. Por favor se possível envia-me alguns por e-mail.
****Pr. Mauricio****
Citar
0 #8 JESUS É O CAMINHO!!!Everton Melo Queiroz 20-03-2010 21:21
Quero primeiramente parabenizar a Profª Maria Clara pela brilhante abordagem sobre o Cristianismo: Concordo plenamente com a exposição acima. Realmente Jesus nasceu e morreu judeu... Ele jamais quiz implantar uma nova religião, com novas práticas litúrgicas ou novos códigos \"engessados\" de conduta. Ele nos orientou a seguir a Ele mesmo pois Ele é \"O Caminho, A Verdade e a Vida. Ele orientou seus discípulos a um estilo de vida extremamente superior aos religiosos, só possível a quem está cheio do Espórito Santo e tem grande gozo em sua alma em andar pelo caminho que Ele inaugurou...
Citar
0 #7 Jesus chamou-nos ao PaiFabiano Cardoso 07-10-2009 13:08
Realmente Jesus veio para mostrar amor, e que todos podem ser salvos através dele. Mas o fato de Jesus amar, não pressupoe que também não haverá justiça ao mundo. Jesus deixou bem claro que voltará para buscar aquele aceita-lo de todo o coração.
Citar
0 #6 Eu creio.Felipe Sá 28-08-2009 08:43
Aleluia!!!!!
Finalmente eu encontrei alguém com quem posso conversar...
O seu pensamento é o meu pensamento. Salomão nos ensinou que a história sempre se repete. Os mesmos fariseus e escribas, que Jesus chamou de hipócritas, habitam entre nós. Quem não tem a essência do amor de Deus em seu coração não é Cristão. \"Aquele que não ama não conhece a Deus\".
As pessoas podem ter qualquer título, papa, apóstolo, bispo, padre, pastor, presbítero, obreiro ou simplesmente irmão, mas se não tiverem misericórdia, amor, justiça, fé, bondade, paciência, domínio próprio, mansidão e perdão serão falsos e mentirosos.
O verdadeiro cristianismo está dentro do homem e não dentro de um prédio destinado a cultos e estudos. O Reino de Deus está dentro do coração dos homens.
Ocorre, porém, que enquanto for rentável ter uma religião, ela irá prevalecer e continuará a existir a disputa por ovelhas.
Isso tem que mudar.
Apóio a autora e gostaria muito de me comunicar com ela, se for possível.
Que Deus esteja convosco, em nome de Jesus.
Citar
0 #5 Para além da teologiaTarcisio Vanderlinde 28-08-2009 07:59
Sempre quando tenho uma dúvida teológica busco me indagar como agiria Jesus Cristo diante da situação. Muitos teólogos costumam extrapolar a teologizar excessivamente a prática de Jesus. Para nosso conforto, Jesus de Nazaré foi um transgressor de práticas teológicas que costumavam escravisar as pessoas. Para além da teologia,Maria Clara mostrou com objetividade o legado do Mestre Jesus para a humanidade.Parabéns pelo artigo.
Citar
0 #4 importantebraz menezes 28-08-2009 07:38
como ex-seminarista muito bom seu texto sobre jesus que foi entre tantos outros que em tempos diferentes abriram caminhos,como buda e outros iluminados
Citar
0 #3 O Cristianismo....Percio Bianco 28-08-2009 07:13
Parabéns à Professora Sra. Maria Clara Lucchetti Bingemer pela matéria publicada. Excelente!
Citar
0 #2 pliniosampaio@cidadania.org.br 27-08-2009 20:32
Prezada Maria Clara
Quero cumprimentá-la pelo lindo artigo. Espero que voce colabore mais conosco, pois imagino que nossos leitores gostem muito da apresentação que voce faz do Cristianismo.
Um agraço agradecido,
Plinio
Citar
0 #1 O meu problema com JesusMarcelo 27-08-2009 14:28
O meu problema com Jesus é a frase "ninguém vem ao Pai, senão por mim" atribuída a ele em João 14:6.

Isso pra mim é religião.

P.S.: Esse problema não é exclusivo do Cristianismo, mas de todas as religiões.
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados