topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
EUA e a dificuldade de estabelecer coesão na política externa Imprimir E-mail
Escrito por Virgilio Arraes   
Quarta, 19 de Agosto de 2009
Recomendar

 

Ao assumir a presidência há pouco mais de seis meses, a prioridade de Barack Obama era interna, em função naturalmente da crise econômica herdada. Além do mais, ele havia invocado para si uma reivindicação histórica dos democratas, embora nem sempre lembrada quando estavam no poder: a ampliação progressiva do acesso dos cidadãos americanos a um sistema de saúde. De certa forma, o começo do mandato de Obama aproximou-se nestes aspectos do de Bill Clinton, em 1993.

 

Estima-se que cerca de 15% da população estadunidense não possuem assistência médica constante, por insuficiência de recursos. O quadro pode agravar-se exatamente em decorrência do estado atual da economia. Nesse sentido, o governo Obama dispôs-se a negociar com os republicanos uma pauta mínima, mas as perspectivas ainda não se apresentam animadoras.

 

Na política externa, apesar de membro por quatro anos da Comissão de Relações Exteriores do Senado, ele buscou cercar-se de colaboradores que conjugassem, em maior ou menor grau, experiência com peso político, como foi no momento da escolha do responsável pelo Departamento de Estado, a senadora de Nova York Hillary Clinton.

 

Por isto, manteve à frente da pasta de Defesa o titular da gestão Bush, Robert Gates. Além do mais, reforçou administrativamente o Conselho de Segurança Nacional, bem desprestigiado durante os anos Bush.

 

De início, rememore-se que as prioridades apontadas pelo governo democrata conectavam-se essencialmente com o continente asiático, de duas maneiras: diplomaticamente, as referências haviam sido Irã, Coréia do Norte e Israel; militarmente, Iraque e Afeganistão.

 

Paralelamente, houve a necessidade de demonstrar aos habitantes de países muçulmanos que os Estados Unidos não estavam e nem estiveram engajados em confrontos religiosos. Indiretamente, isto influenciou a determinação presidencial de encerrar, ainda que não de forma imediata, as atividades presidiárias da base naval de Guantánamo, local em que se isolaram os combatentes considerados mais extremistas ou suspeitos disso.

 

Enfim, Obama deparou-se com um fardo considerável, que lhe foi legado por Bush, em vista da inapetência para analisar a política internacional sob ótica mais ampla e menos auto-suficiente, ou seja, de forma multilateral. Alterada esta disposição, o desafio da Casa Branca é manter a coesão da equipe diante das novas dificuldades.

 

No caso, há nova similaridade com os primeiros meses de Clinton, envolvido com o fracasso da presença norte-americana na Somália – simbolizado tragicamente pela queda do helicóptero Black Hawk, tema de filme em 2001 - e com o imbróglio político no Haiti.

 

No tocante à administração Bush, houve um embate que se caracterizou entre os falcões, entrincheirados no Departamento de Defesa e na vice-presidência, e os pombos, recolhidos basicamente no Departamento de Estado. Após a preponderância interna, os falcões conduziram a política externa sem a formulação tática adequada que possibilitasse o êxito da estratégia de transformar os países do Oriente Médio em democracias neoliberais.

 

Nem o fato de que quase todos os falcões fossem desprovidos de experiência militar real impediu-os de sobreporem-se aos especialistas do Conselho de Segurança Nacional quanto ao Oriente Médio. Desaçaimados, eles terminaram por promover um desgaste na política externa do país somente visto no tempo de Richard Nixon com a guerra do Vietnã. Mais tarde, os críticos adjetivá-los-iam de falcões-galinhas, em vista da conjugação de arrogância com inexperiência de combate.

 

Nesse sentido, Obama tem uma visão de mundo bem mais clara que a de seu antecessor. Assim, as decisões centralizaram-se politicamente na presidência de novo. Explica-se, deste modo, a sua mensagem de diálogo ao Irã, por exemplo, em março último, ou ainda o seu discurso no Cairo com o fito de desanuviar o relacionamento entre estadunidenses e muçulmanos.

 

Boas iniciativas, sem sombra de dúvida, mas carentes até o momento de maior encaminhamento prático, como se observou após a eleição presidencial iraniana em que a Casa Branca não sabia qual postura adotar no tocante à reeleição de Ahmadinejad. A hesitação até o momento prevalece, visto que a retomada de negociações com Teerã legitimaria para a comunidade internacional a conturbada apuração do resultado deste pleito.

 

Guardadas as devidas proporções, há o mesmo impasse com a Coréia do Norte, em face do processo sucessório no país por meio do qual se autenticaria a hereditariedade do governo.

 

Apesar de demonstrar mais disposição para encarar os problemas da política externa do que a gestão Bush, o governo Obama não consegue equacionar a maneira por que iria solucioná-los. Com o passar do tempo, se as suas propostas demorarem a ser implementadas, há o risco de o eleitorado passar a considerá-los como dele, sem chance de invocá-los mais como uma ‘herança maldita’, como no caso do Brasil. A sorte está lançada aos democratas!

 

Virgílio Arraes é doutor em História das Relações Internacionais pela Universidade de Brasília e professor colaborador do Instituto de Relações Internacionais da mesma instituição.

 

Recomendar
Última atualização em Sexta, 21 de Agosto de 2009
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates