topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
"A grande inquisição mediática" Imprimir E-mail
Escrito por Fernando Arellano Ortiz, entrevista com Claudio Katz   
Quarta, 05 de Agosto de 2009
Recomendar

 

Na noite do dia 27 de julho, um grupo de homens do Projeto de Assentamento Nova Amazônia fez novos ataques contra a comunidade indígena Lago da Praia, região do Murupu. Desta vez queimaram uma casa, o posto de saúde com todos os equipamentos, remédios e o equipamento de radiofonia que dava suporte de comunicação à comunidade. Também agrediram o motorista do veículo que faz o transporte escolar, fizeram ameaças de morte e vários disparos de arma de fogo. Ao deixarem a comunidade, os pistoleiros ameaçaram queimar mais casas e matar pessoas.

 

As intimidações começaram no final da tarde do dia 27 quando a agente de saúde, Luzia da Silva Nagelo se dirigia da comunidade Lago da Praia para outra chamada de Serra da Moça. Ao se aproximarem de um igarapé conhecido como banho do amor, localizado na vicinal 1 do Projeto de Assentamento Nova Amazônia, ela e seus acompanhantes foram abordados por alguns homens, dentre eles, um chamado de Junior e outro Geovani, que em tom ameaçador, disseram que "os pegariam quando voltassem" porque tinham que "acertar umas contas".

 

Na noite do mesmo dia o grupo se reuniu próximo à casa da mãe da agente de saúde. Os agressores estavam com o volume do som alto e faziam disparos de armas de fogo. As intimidações obrigaram Luzia e mais duas irmãs menores a se refugiarem em outra casa distante cerca de 200 metros dos algozes.

 

A saída da crise sistêmica do capitalismo tem que ser necessariamente política e "um projeto socialista pode maturar nesta turbulência", defende o economista, filôsofo e sociôlogo argentino Claudio Katz, que adverte ainda que a "situação econômica é muito grave e teremos de bater no fundo, pois estamos no primeiro momento da crise".

 

Katz, destacado professor da Universidade de Buenos Aires nas áreas de Economia, Filosofia e Sociologia é, simultaneamente, um ativista dos direitos humanos e pesquisador do Conselho Nacional de Pesquisas Científicas e Técnicas (CONICET) da Argentina. É autor de numerosos textos de interpretação do capitalismo contemporâneo e estudou o impacto regressivo do neoliberalismo na América Latina. Participa ativamente de fôruns continentais de impugnação do endividamento externo. O seu livro ‘El porvenir del socialismo[1]’ obteve uma menção honrosa no prêmio ‘Libertador al Pensamiento Crítico’ (Venezuela 2005). Integra ainda o coletivo internacional Economistas de Esquerda (EDI) e é atualmente assessor externo do governo venezuelano.

 

Reunidos num dos acolhedores cafés de Buenos Aires, o professor Katz dialogou sobre a realidade econômica mundial, o processo político da América Latina, a ameaça da irrupção da direita na região e o que denominou "a grande inquisição mediática", referindo-se à manipulação dos grandes conglomerados da comunicação e informação.

 

Primeiro momento da crise capitalista

 

Os teôricos da economia assinalaram que a crise atual do capitalismo é sistêmica e não cíclica, mas o que chama a atenção é que não se vê uma saída para implementar um novo modelo, ou uma alternativa capaz de substituir o sistema capitalista. Acredita que encontrar uma saída para esta crise é mais um problema político que econômico?

 

Creio que definitivamente o grande problema é político porque todas as grandes crises econômicas resolveram-se positiva ou negativamente por processos políticos, tenham ou não intervindo nesses processos as maiorias populares. Esta é uma crise muito profunda, em que os neoliberais têm tentado diminuir a gravidade culpando a avareza e ocultando a especulação financeira. Também os heterodoxos apresentam esta crise como resultado de falta de regulação. Mas esta é uma crise de sistema, uma crise do capitalismo.

 

E parece-me que é uma crise do modelo capitalista dos últimos vinte ou vinte e cinco anos do modelo neoliberal, cujas conseqüências estamos agora vendo. Tivemos duas ou três décadas de plena ação neoliberal: privatizações, desregulações, ampliação do raio de ação das empresas transnacionais à antiga União Soviética, à China, a todo o planeta, e agora vemos as conseqüências dessa expansão de capital, da superprodução, da super-acumulação, e os efeitos da pobreza, da miséria e do desemprego que a OIT (Organização Internacional do Trabalho) prognostica que venham a ser muito graves nos próximos anos.

 

Então, parece-me que estamos no primeiro momento da crise, no ponto de partida.

 

Quer então dizer que teremos de bater no fundo?

 

Sim, vamos ter que bater no fundo, e em especial terão de fazê-lo as populações dos EUA e da Europa, que não estão acostumadas a tal, ao contrário das latino-americanas, e terão de processar esse bater no fundo, o que vai levar tempo.

Recordemos que nestas últimas décadas de neoliberalismo os sindicatos foram debilitados nos países centrais, foram enfraquecidas as políticas e ideologias da esquerda e das forças progressistas na Europa e nos Estados Unidos e será necessário reconstruir a experiência de mobilização social, o que já se vai começando a notar, mais na Europa que nos EUA. Já se vêem em França e na Grécia, países onde houve mobilizações populares, que está mudando o clima político. Mas encaminhamo-nos para vários anos de desemprego, pobreza, exclusão social e será necessário ver como reagem os povos.

 

Que visão tem do processo político e sócio-econômico que se está desenrolando na América Latina?

 

Creio que é distinto dos processos que ocorrem nos Estados Unidos e na Europa, e é especialmente distinto primeiro porque nós já vivemos este tipo de crise, não nos anos 30, mas nos anos 80 e 90, em que fiascos financeiros conduziram à expansão da pobreza na Argentina, na Bolívia, na Venezuela, no Equador…

 

Há já uma certa experiência dos povos com este tipo de exclusões do neoliberalismo. Ao mesmo tempo, provavelmente, o impacto econômico da crise não será tão grave como nos países centrais. Como nós já vivemos tantas crises, de forma tão próxima, os nossos bancos estão com as carteiras um pouco mais limpas, já houve uma valorização do capital e, como tal, é provável que o processo não seja tão traumático.

 

Mas o mais importante da América Latina são as experiências políticas. Parece-me que o mais interessante da nossa região é que houve uma resistência ao neoliberalismo e com resultados. Tivemos sublevações em muitos países e muitos governos novos: Bolívia, Venezuela, Equador, que mudaram a agenda das sociedades latino-americanas. Nesse sentido creio que são bastante distintos os governos, digamos, nacionalistas, radicais, progressistas da Venezuela, Equador e Bolívia dos governos como o de Lula ou de Kirchner, que em última instância recompõem o poder dominante.

 

O fato de aparecerem esses tipos de governos na América Latina não é um sintoma da reconfiguração do sujeito político?

 

Sim. O que se passa é que há sintomas e sintomas. Um sintoma é o que leva a Venezuela a tomar o controle nacional sobre os seus recursos, decidir-se por nacionalizações, adotar medidas de redistribuição da riqueza, promover uma integração regional com os princípios da ALBA (Aliança Bolivariana para os Povos da América) e com princípios de intercâmbio comercial equitativo.

 

Outro muito distinto é o MERCOSUL e a Unasul, de políticas que recompõe mais os interesses dos grandes grupos econômicos dominantes da América Latina que os interesses genuínos das maiorias populares. É o caso atual da Argentina, em que houve mudanças e transformações muito importantes, mas em que a distribuição da riqueza continua a regredir, possivelmente de modo contínuo e mais agravado que nos anos 90. As mudanças que interessam aos povos são as que melhoram os níveis de vida da população e que reduzem a desigualdade. E esta melhoria popular e redução da desigualdade só se começam a observar em alguns países latino-americanos, não em toda a região.

 

Um bofetão no neoliberalismo

 

Que opinião lhe merecem as nacionalizações que o governo de Chávez está realizando na Venezuela?

 

Em primeiro lugar parece-me que são muito auspiciosas, porque põem um ponto final na idéia que só se pode privatizar. É como um bofetão no neoliberalismo. É a reversão completa dos princípios neoliberais que crêem que os grandes recursos naturais dos países devem ser geridos por grupos privados. Parece-me que é interessante o fato de Chávez ter prometido as nacionalizações e ter cumprido com o que prometeu. Em geral, na América Latina estamos acostumados a que se prometa uma coisa e que depois não se cumpra. E parece-me ainda que as nacionalizações são uma necessidade num país como a Venezuela, pois este é carente de uma estrutura industrial minimamente integrada.

 

Na verdade é carente quase de uma indústria no sentido em que dizemos indústria, por exemplo, no Brasil, México ou Argentina. A Venezuela é um país de níveis intermédios, baseado numa riqueza petrolífera e numa cultura rentista derivada da sua exploração. E a única mudança numa sociedade como a venezuelana é o desenvolvimento industrial, que o Estado faz como ninguém. A burguesia venezuelana não o fez no passado e não o fará no futuro. É um grupo social que viveu sempre da renda petrolífera, é um grupo muito parasitário, que se acostumou sempre à fuga de capitais, ao esbanjamento, ao consumo, ao estilo de vida Miami, à falta de investimento e, assim, só se poderia fazer um processo de industrialização se o Estado pagasse as rendas.

 

O único perigo que vejo é o custo das indenizações, porque aqui há uma equação muito complicada. Se o preço do petróleo se mantivesse alto, haveria espaço de manobra. Mas se nos próximos anos começar a baixar, como tem acontecido no último ano, parece-me que comprometer os recursos do tesouro em indenizações a estas empresas pode tornar-se problemático, tendo em conta que a administração popular, a que Chávez chama de controle obreiro, pode ser exercida tanto em empresas nacionalizadas como não nacionalizadas. Aí vejo um problema, mas o processo parece-me muito promissor.

 

As nacionalizações que estão ocorrendo na Argentina vão na mesma direção daquelas realizadas por Chávez na Venezuela?

 

Não. O governo de Cristina Kirchner adotou algumas medidas de nacionalização, por exemplo, de fundos de pensões, que eram privados, e que voltaram para as mãos do Estado, e um conjunto de pequenas empresas também passou à órbita do Estado.

 

Mas, primeiro, não são as empresas estratégicas, o que é uma diferença-chave em relação à Venezuela. Não só não são as empresas estratégicas como o que mais chama a atenção é que as nacionalizações na Venezuela têm repercussão direta na Argentina, porque se nacionaliza-se uma empresa argentina como a Techint, o governo de Kirchner apóia as reclamações e as críticas feitas pelos grupos econômicos dominantes em relação a tais nacionalizações.

 

Batalha contra a direita

 

Considera que o processo político na América Latina, dadas as experiências de governos denominados progressistas, segue o seu curso, ou como diz Fidel Castro, pode haver uma irrupção da direita?

 

Creio que a direita está retomando a ofensiva. E isso se vê na campanha midiática internacional que existe contra Chávez, contra Correa, e no intento de reeleição de Uribe, nas tentativas da direita chilena com Piñer; vê-se no Peru com o governo de Alan García, no México com Calderón e no Panamá com o recente triunfo de Martinelli. Ou seja, há como que uma linha "direitista" latino-americana, que retrocedeu, mas que ainda têm os seus bastiões. Os principais bastiões, sem lugar a dúvidas, são Uribe na Colômbia e Calderón no México, e isso se mantém.

 

Há uma pressão importante na Argentina que se viu nos conflitos rurais do ano passado, que visa retomar a ofensiva. Mas diria que os principais objetivos da direita não foram atingidos. A direita tinha o objetivo de derrubar o governo de Evo Morales através de um golpe de Estado e fracassou no ano passado, como fracassou no objetivo de secessão das províncias do oriente boliviano; fracassou também no intento de derrotar eleitoralmente tanto Chávez na Venezuela como Correa no Equador. Pode-se dizer que, nos três países onde o processo político mais avançou, a direita não conseguiu recompor o seu poder. E em outros lugares predominam os meio-tons. A direita ganhou no Panamá, mas perdeu em El Salvador, onde a Frente Farabundo Martí ganhou as eleições. É um equilíbrio, mas creio que há que evitar aqui o impressionismo, a idéia que a direita está voltando.

 

Estamos praticamente às portas do bicentenário da emancipação da América Latina. Neste bicentenário poderíamos assinalar novamente a entronização da Espanha no hemisfério?

 

Não, parece-me que o momento de entronização da Espanha foi no quinto centenário do descobrimento, em 1992. Nesse momento, década de 90, Espanha demonstrou os seus investimentos na região, comprou petróleo, telecomunicações e entrou em força. No último ano, pelo contrário, está-se a assistir a um processo contrário, porque a crise está afetando a Espanha mais severamente que qualquer outro país com interesses no exterior em toda a Europa. O desemprego e a dívida pública na Espanha estão a níveis recorde e a crise econômica, industrial e financeira espanhola é provavelmente uma das mais graves da Europa.

 

Parece-me que tal fato a médio prazo vai afetar muito as poupanças espanholas na América Latina. Vamos chegar ao bicentenário num momento em que há uma crise do domínio norte-americano muito evidente em toda a região e uma crise de domínios na América do Sul, e uma política de estreitamento de vínculos na América Central. É como se o continente tivesse se partido em dois. Os Estados Unidos reforçam o seu domínio, o seu controle, sobre o México, o Caribe, a América Central, a Colômbia e o Peru, mas perde capacidade de influência no cone Sul. Não nos esqueçamos que no ano passado foram expulsos os embaixadores norte-americanos da Bolívia e da Venezuela, e ambos os países estiveram durante doze meses sem os chefes das missões diplomáticas de Washington.

 

Então, na reunião de Trinidad e Tobago, viu-se uma política de Obama que tenta voltar ao esquema de Clinton, mais diplomático. Tal demonstra as dificuldades reais que os Estados Unidos enfrentam devido à sua crise econômica e ao pântano militar em que estão atolados no Oriente Médio.

 

Immanuel Wallerstein fala do declínio dos Estados Unidos enquanto império…

 

Eu não me considero muito distante da idéia do declínio inexorável do império norte-americano. Pode, no entanto, declinar e também recompor-se. Já se recompôs muitas vezes.

 

Parece-me que é como uma filosofia de vitória. Parece-me que é uma predestinação onde a história são sucessões de potências que ascendem e descendem. Não creio que o ciclo da história contemporânea esteja assinalado por essa inexorabilidade. Parece-me que distintos desenlaces dão resultados distintos.

 

Paradoxo do capitalismo

 

Ainda que os Estados Unidos estejam débeis no cenário global continua a ser previsível a sua continuidade como a grande hegemonia mundial?

 

Os Estados Unidos são a potência militar de todo o território mundial. E são o protetor de todos os capitalistas do mundo. Não há nenhum país capitalista que esteja disposto ou que tenha possibilidades de substituir o Pentágono no controle de centenas de bases militares em todo o mundo.

 

Primeiro, os Estados Unidos têm a OTAN, e tanto a Europa como o Japão encostam-se nessa organização. Os Estados Unidos mantêm a supremacia militar, e é esse o grande instrumento de dominação que subsiste. No plano econômico e financeiro, a situação é mais complexa porque, paradoxalmente, os Estados Unidos são o centro da crise atual, mas o refúgio de todos os capitalistas do mundo é o dólar. Há então um paradoxo: o país mais ameaçado é o refúgio, e ao mesmo tempo é o país que procura a reconstituição do FMI que impõe a política monetária mundial através da Reserva Federal. Há que separar o conjuntural do médio prazo. Os Estados Unidos estão numa crise muito aguda, mas continuam a ter as ferramentas chave da geopolítica mundial.

 

Vê-se na América Latina uma capacidade de intervenção por parte da direita espanhola através da Fundaciôn FAES, de José María Aznar, no fascista Partido Popular e seus líderes na região como os Vargas Llosa, Enriques Krause, Marianos Grondona, Jorges Castañedas. Essa intervenção pode estar gerando alguma perturbação nos governos progressistas?

 

Eu diria que os perturba mais a direita latino-americana que a espanhola. A direita latino-americana é suficientemente conservadora e reacionária, mantendo reservas e recursos suficientes, como os Mariano Grondona, Piñera, Vargas Llosa e os herdeiros de Octavio Paz. A direita cultural, neoconservadora, latino-americana, governou a região durante décadas, e alimenta os governos militares, mantendo um pensamento elitista, liberal, europensante e eurocêntrico.

 

A grande inquisição midiática

 

E têm a capacidade de manipulação mediática…

 

Claro, é essa a novidade. Porque governaram historicamente através da igreja, dos seus recursos, das suas escolas, e agora como têm os meios de comunicação sob o seu domínio exercem uma influência despótica através dos mesmos.

 

Os meios de comunicação são agora o que foi a Igreja Católica?

 

São a grande inquisição e exercem uma influência nefasta. Por isso me parece tão salutar e transformadora a decisão de Chávez de não renovar a licença da RCTV. Creio que essa medida é muito mais transcendente que qualquer nacionalização de uma empresa siderúrgica.

 

Mas com essa resposta países de direita como Colômbia, Peru ou México vão dizer que Claudio Katz é um tipo totalitário. Que responderia a isso?

 

Dizem isso porque para eles manipular monopolisticamente um grupo de meios de comunicação é um exemplo de democracia. Há uma hipocrisia absoluta. Os donos dos meios de comunicação são um punhado de pessoas, um grupo minúsculo que não é eleito.

 

É algo paradoxal, pois se todos os congressistas têm de ser votados e qualquer presidente, presidente da câmara e governador também, por sua vez os meios de comunicação, que têm um poder muito mais sólido e estável que todas as autoridades eleitas de qualquer país, a esses ninguém elege, são puro poder do divino. Dizem que competem entre si através da mudança de canais, mas a oferta é minúscula. Ou seja, o telespectador pode optar entre a CNN e a Globovisión, mas isso nada muda, vêem o mesmo.

 

Como é possível democratizar os meios de comunicação na América Latina?

 

Do mesmo modo como se democratiza qualquer instituição. Os meios de comunicação não podem ser privilegiados em relação a outras instituições. Temos que democratizar a vida política, as escolas, as instituições, as forças armadas, a sociedade, tudo. Tem de haver uma preocupação quotidiana de acabar com as discriminações de gênero, de raça, de etnia.

 

Na América Latina estamos mudando as constituições de muitos países para incorporar novos direitos, para incorporar os direitos esquecidos dos indígenas, da juventude, das crianças. Ou seja, o desenvolvimento da sociedade é a ampliação dos direitos. O único direito de que não se pode falar é o direito à comunicação. Esse quer ser intocável.

 

O sociólogo brasileiro Emir Sader, atual secretário executivo do CLACSO (Conselho Latino-Americano de Ciências Sociais), dizia que os meios de comunicação, para serem democratizados, necessariamente teriam que passar ao controle do Estado. Concorda?

 

Creio que têm de ser propriedade pública, mas atenção, não podem ser manuseados por um governo, porque isso levar-nos-ia a formas totalitárias. Há muitas experiências nos últimos 50 ou 60 anos de instituições públicas que não dependem do governo. O caso da BBC de Londres é muito comentado. Não o estudei, pelo que não posso opinar, mas conheço muitas experiências onde o importante é que estejam sujeitos a um regime legal que impeça a sua manipulação pelo governo, por exemplo. Não podemos passar de meios manipulados por grupos capitalistas a meios manipulados por governos. Tem que haver liberdade informativa, mas também propriedade pública. Creio que há que discutir os mecanismos de propriedade democrática dos meios de comunicação.

 

Tem a sensação de que a América Latina está passando por um processo de reconfiguração política?

 

Tenho a sensação de que é um processo de longo prazo e que terá que enfrentar desafios importantes. Não será linear. E estamos num ponto em que a nossa batalha contra a direita vai ser muito dura, a direita de Uribe, de Calderón, de Alan García e também a direita militar. Os Estados Unidos mantêm as suas bases militares. Não podemos deixar-nos levar pela imagem de Obama como aquele que transformou as relações com a região. As bases do Comando Sul com uma estrutura de controle militar em toda a região continuam intactas, inclusivamente medidas mínimas como o fechamento de Guantánamo não se implementam, o embargo a Cuba não se levanta… Isto é, os grandes problemas de soberania política na nossa região, no bicentenário, continuam na ordem do dia.

 

Colômbia, uma sociedade militarizada

 

Como analisa o armamento da Colômbia para enfrentar os seus conflitos internos e as repercussões diretas na economia do país?

 

O pior da Colômbia são esses gastos terríveis, esse esbanjamento de fundos em material militar que não se faz para defender a soberania nacional, que não são necessidade do país para defender as suas fronteiras frente a uma agressão externa, única justificação real que uma nação pode apresentar em certo momento para destinar tantos recursos à atividade bélica.

 

Apenas se estivesse ameaçada a soberania do país e a vida dos seus cidadãos tal seria justificável. Na Colômbia ocorre a aurora da formação de uma sociedade militarizada para servir aos interesses dos grupos dominantes, que gerem os recursos deste país. Creio que há tendência à militarização na América Latina, em marcha não só na Colômbia como também no Brasil, que cada vez mais destina elevada percentagem de fundos públicos para gastos militares, fabricando submarinos, assinando convênios com a França para fazer investimentos extraordinariamente elevadas no setor e com forças militares em ocupação no Haiti neste momento.

 

Temos de estar muito conscientes na América Latina que a nossa censura é ao Pentágono, ao imperialismo, aos norte-americanos, mas também ao gasto militar na região com fins não populares. Temos que estar muito atentos a isso e manter o alerta.

 

Mas também para os países fabricantes de armas isso é um excelente negócio…

 

Eles vivem disso. A guerra é uma necessidade do imperialismo, uma necessidade estrutural, não uma opção. Se fabricam-se armas, é preciso usá-las. Há um grupo de fabricantes que vive diretamente disso: Estados Unidos e todo o seu dispositivo militar associado – Israel, Colômbia, Egito, Austrália. Para os Estados Unidos é necessário manter a sua supremacia bélica como advertência permanente a países como a China, no sentido de ficarem quietos, de não tentarem desafios. Há uma reprodução de guerras e uma tendência à guerra infinita, à guerra sem proporções, como forma de exercer permanentemente essa supremacia, advertindo o resto do mundo que ninguém se pode atrever a desafiar o poder imperialista. É contra isso que temos de batalhar.

 

Finalmente, não descarta que neste processo terminemos, se não numa guerra mundial, numa série de conflitos periféricos como estratégia para superar a atual crise do sistema capitalista?

 

Sim, é possível. Mas há uma grande diferença em relação aos anos 30, que é o fato de não ser já uma guerra entre potências como a França contra a Alemanha ou os Estados Unidos contra o Japão. Há um imperialismo coletivo, associado, que faz a guerra contra as frentes periféricas, e faz guerras de advertência contra países periféricos que possam ascender.

 

Parece-me que vamos ter muitos conflitos porque o imperialismo precisa deles, com ou sem crise financeira. Os Estados Unidos acabaram de devastar o Iraque, agora preparam-se para devastar o Afeganistão e estão advertindo permanentemente o Irã com uma possível invasão, tal como estão fazendo com a Coréia do Norte.

 

A crise acentua essa tendência para a guerra, porque está na natureza do sistema, e por isso são tão importantes as alternativas como o Fórum Social Mundial e a emergência de coligações anti-bélicas por todo o mundo contra a guerra. Surgiram e emergiram minorias coletivas na Europa e na América Latina de resistência à guerra, e parece-me que vão continuar a surgir novas, renovando-se.

 

[1] El Porvernir del Socialismo, coedição Ediciones Herramienta e Ediciones Imago Mundi, Buenos Aires, 2004, 256 páginas, ISBN 950-793-026-4

 

O original encontra-se em http://www.argenpress.info/2009/07/entrevista-con-el-economista-argentino.html .

 

Traduzido por João Camargo.

 

Esta entrevista foi retirada de http://resistir.info/ .

 

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates