Criação literária

0
0
0
s2sdefault

 

Como sublinha Bartolomeu Campos de Queiros, tudo que existe – esta publicação, o computador, a cadeira em que me sento, o cômodo no qual me encontro – foi fantasia na mente humana antes de se tornar realidade. Daí a força da literatura de ficção. Também ela foi fantasia na mente do autor e remete o leitor a uma realidade onírica que lhe possibilita encarar a vida com outros olhos. A fantasia impulsiona todos os nossos gestos, atitudes e opções.

 

A ficção funciona como um espelho que faz o leitor transcender a situação em que se encontra. O texto desvela o contexto e impregna o leitor de pretextos, de motivações que o enlevam, aquele entusiasmo de que falavam os gregos antigos, estar possuído de deuses, de energias anímicas que nos devolvem ao melhor de nós mesmos.

 

Toda ficção, narrativa ou poética, é descobrimento, revelação. Somos múltiplos e, ao ler, uma de nossas identidades emerge por força do encantamento suscitado pela quintessência da obra ficcional: a estética.

 

A literatura ficcional não tem que ser de esquerda ou de direita. Tem que ser bela. Fazer da ficção um palanque de causas é aprisioná-la numa camisa de força, transformando-a num espelho que não reflete o leitor, reflete o autor e seu proselitismo.

 

A ficção não tem de ser engajada, o escritor sim, tem o dever ético de se comprometer com a defesa dos direitos humanos neste mundo tão conflitivo e desigual.

 

No prólogo do evangelho de João, um dos textos mais poéticos da Bíblia, só comparável ao Cântico dos Cânticos, diz que "o Verbo se fez carne". Na arte literária a carne – a criatividade do autor – se faz verbo. Instaura a palavra, que organiza o caos.

 

No Gênesis, Javé cria o Universo pelo poder da palavra. Ele se faz palavra, manifestação que nos remete, como na obra ficcional, à transcendência (o autor sobrepassa a cotidianeidade ou lhe imprime novo caráter), à transparência (o texto reflete o que está contido nas entrelinhas), a profundência (a narrativa ou o poema nos convida a algo mais profundo do que percebemos na superfície da realidade).

 

Ler ficção é uma experiência extática – estar em si e fora de si. Somos alçados ao imaginário, induzidos à experiência da catarse, de modo a oxigenar a nossa psiquê. A estética nos imprime um novo modo de encarar as coisas. Como lembra Mário Benedetti, a literatura não muda o mundo, mas sim as pessoas. E as pessoas mudam o mundo.

 

A estética literária nos envia ao não dito, à esfera do desejo, suscitando-nos sonhos, projetos, utopias, do encontro com o príncipe encantado (Branca de Neve) ao reencontro amoroso com a opressiva figura do pai (A metamorfose, de Kafka, e Lavoura arcaica, de Raduan Nassar). Como assinala Aristóteles, a poética completa o que falta à natureza e à vida. A arte não se satisfaz com o estado factual do ser. Convida-nos à diferença, à dessemelhança, ao tornar-se.

 

Suscitar em crianças e jovens o hábito da leitura é livrá-los da vida rasa, superficial, fútil, e educá-los no diálogo freqüente com personagens, relatos e símbolos (a poesia) que haverão de dilatar neles a virtude da alteridade, de uma relação mais humana consigo mesmo, com o próximo, com a natureza e, quiçá, com Deus.

 

Frei Betto é escritor, autor de "A arte de semear estrelas" (Rocco), entre outros livros.

 

{moscomment}

Comentários   

0 #4 Antonia 23-08-2009 14:34
Lindo artigo, ler é transcender e viajar no mundo da criação interior.
Parabéns pelas belas palavras, querido Frei Betto.
Citar
0 #3 muito bomPercival Henrique da Silva 06-08-2009 17:33
Comecei a ler este artigo por achar o tem interessante e a media que finaliza a leitura concretizei a minha alegria, principalmente ao ver de quem é a sua autoria, (Frei Betto), sem mais comentários.
Citar
0 #2 O gosto pela leituraBonifácio Solak 06-08-2009 11:39
Ter o hábito, habituar-se a nos indica que fazemos sempre, todos os dias, diversas vezes por dia. Lemos, como hábito, sempre que aprece uma janelinha de tempo que muita gente utiliza para outras atividades. O leitor lê. Para se chegar a fazer por hábito foi preciso, antes, ter o gosto para ler. Todos podemos ajudar as crianças a terem gosto pela leitura. Depois vem o hábito. Vi amigos que não podem ficar numa fila de banco, se não tiverem um livrinho de bolso para fazerem sua fantasia voar. è o seu modo de ficar na fila sem estar na fila. Este hábito nasceu com o gosto pelo livro.
Citar
0 #1 Não temos acesso...Bruna Kézia 03-08-2009 21:15
Não temos gosto pela leitura pelo fato de não termos contato com a poesia, com a verdadeira arte de interpretar, com beleza sonora que há, com o poder de criar, criatividade não só na arte, mas na vida. Não temos apreço a arte, pelo fato de não termos acesso a mesma...Quantos talentos disperdiçados no Brasil, no Mundo..Quantas vidas podeiram ser diferente se nelas houvesse a arte, a verdadeira arte, de se emocionar, diante das coisas de Deus e do tão temido Mundo...Acesso, oportunidade e escolha..é o que precisamos, meninas e meninos, de familias sem instruções...
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados