topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Regra da identidade física do juiz Imprimir E-mail
Escrito por Claudionor Mendonça dos Santos   
Segunda, 27 de Julho de 2009
Recomendar

 

Há muito tempo se discutemas razões por queo legislador pátrio não abraçou a regra da identidade física do juiz no processo penal, onde se discutem valores maiores, tais como a liberdade e o interesse punitivo do Estado. Era absolutamente incompreensível que o referido princípio fosse aplicado no diploma processual civil, em que são confrontados, muitas vezes, interesses meramente patrimoniais, de valor inferior àquele discutido no processo penal.

 

Visando conferir maior eficiência ao julgamento, estabelecendo que a sentença seja proferida por quem tenha mantido contato com as provas do feito, especialmente as orais, o legislador, laconicamente, determinou que "o juiz que presidiu a instrução deverá proferir a sentença" (art.399, §2º do Código de Processo Penal). Diante da concentração dos atos processuais, à primeira vista, deparou-se com a efetiva concretização do referido princípio, pois, em face da realização unificada de toda a prova, fácil seria a aplicação da referida regra.

 

Contudo, em face do absoluto alheamento dos legisladores pátrios acerca das atividades forenses, a decantada concentração de atos processuais nem sempre se torna viável, com a necessidade de sucessivos adiamentos. Nesse caminhar, às vezes a aplicação do dispositivo previsto na nova legislação apresenta dificuldades. Necessário frisar que os termos lacônicos do princípio da identidade física do juiz tornam necessárias a aplicação, analogicamente, de dispositivos previstos na legislação processual civil (artigo 132, do Código de Processo Civil), mais aperfeiçoados, ao estabelecerem que o juiz que substituir aquele que presidiu os atos instrutórios poderá refazer a prova, se entender necessário.

 

Diante do teor sucinto, há quem entenda que, no processo penal, seria inaplicável a possibilidade prevista no parágrafo único, da legislação processual civil, devendo o magistrado, na ação penal, ao substituir aquele que instruiu o feito, refazer obrigatoriamente a prova. Embora se reconheça a relevância da causa penal, é de se rechaçar tal postura. Refazer a prova simplesmente porque não instruiu o feito nas hipóteses legalmente permitidas seria verdadeiro atentado à finalidade da recente reforma que veio concretizar dispositivo constitucional pétreo, assegurando a celeridade processual (art. 5º, inciso LXXVIII, da CF).

 

Aliás, em nome da referida celeridade é que se suprimiu dispositivo altamente salutar, que determinava o afastamento do juiz que mantivera contato com a prova obtida ilicitamente. Dispunha o dispositivo que "o juiz que conhecer do conteúdo da prova declarada inadmissível não poderá proferir a sentença ou acórdão". Ora, diante da natureza humana, seria coerente e saudável, sob o ponto de vista da limpidez da prova, o afastamento do magistrado que em tais circunstâncias tomou conhecimento da prova, mesmo que ilícita. Entretanto, em atendimento à celeridade processual, suprimiu-se o dispositivo.

 

A prova ilicitamente produzida e retirada do processo macula o convencimento do magistrado, ser humano que é, não podendo, automaticamente, deletar o que vira e que poderá, indiscutivelmente, influenciar o seu julgamento. Melhor seria a manutenção do dispositivo que não provocaria tanto retardamento no andamento do feito e atenderia melhor ao outro dispositivo constitucional que determina a retirada do processo daquelas provas obtidas ilicitamente.

 

Assim, em que pese a controvérsia em torno do tema, é altamente saudável a vinculação do magistrado que, no exercício de sua atividade, tomou conhecimento das provas, tendo ele, portanto, maiores condições de proferir a decisão, atendendo de forma mais adequada ao conceito de justiça.

 

Claudionor Mendonça dos Santos é Promotor de Justiça e Associado do MPD (Movimento do Ministério Público Democrático).

 

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates