O papa e a crise mundial

0
0
0
s2sdefault

 

"A Caridade na verdade" é o título da mais recente encíclica de Bento XVI, lançada a 29 de junho. Nela o papa enfatiza a dimensão social e política do amor: "Querer o bem comum (todos os grifos são do texto original) e trabalhar por ele é exigência de justiça e de caridade. Comprometer-se pelo bem comum é, por um lado, cuidar e, por outro, valer-se daquele conjunto de instituições que estruturam jurídica, civil, política e culturalmente a vida social, que deste modo toma a forma de pólis, cidade. Ama-se tanto mais eficazmente o próximo, quanto mais se trabalha em prol de um bem comum que dê resposta também às suas necessidades reais" (n.7).

 

O documento homenageia Paulo VI ao fazer eco à Populorum Progresio (1967), uma das mais progressistas encíclicas dos últimos dois séculos. Bento XVI frisa que "as situações de subdesenvolvimento não são fruto do acaso nem de uma necessidade histórica, mas dependem da responsabilidade humana. É por isso que "os povos da fome se dirigem hoje, de modo dramático, aos povos da opulência". (…) Viva era, em Paulo VI, a percepção da importância das estruturas econômicas e das instituições, mas era igualmente clara nele a noção da sua natureza de instrumentos da liberdade humana" (n. 17).

 

Enquanto no Brasil se fala em "crescimento", o papa lembra que "Paulo VI tinha uma visão articulada do desenvolvimento. Com o termo ‘desenvolvimento’ queria indicar, antes de mais nada, o objetivo de fazer sair os povos da fome, da miséria, das doenças endêmicas e do analfabetismo. Isto significava, do ponto de vista econômico, a sua participação ativa e em condições de igualdade no processo econômico internacional; do ponto de vista social, a sua evolução para sociedades instruídas e solidárias; do ponto de vista político, a consolidação de regimes democráticos capazes de assegurar a liberdade e a paz" (n. 21).

 

Em seguida, Bento XVI critica o neoliberalismo: "O objetivo exclusivo de lucro, quando mal produzido e sem ter como fim último o bem comum, arrisca-se a destruir riqueza e criar pobreza. (…) Todavia há que reconhecer que o próprio desenvolvimento econômico foi e continua a ser molestado por anomalias e problemas dramáticos, evidenciados ainda mais pela atual situação de crise. Esta coloca-nos improrrogavelmente diante de opções que dizem respeito sempre mais ao próprio destino do homem, o qual, aliás, não pode prescindir da sua natureza. As forças técnicas em campo, as interrelações em nível mundial, os efeitos deletérios sobre a economia real duma atividade financeira mal utilizada e majoritariamente especulativa, os imponentes fluxos migratórios, com freqüência provocados e depois não geridos adequadamente, a exploração desregrada dos recursos da Terra, induzem-nos hoje a refletir sobre as medidas necessárias para dar solução a problemas que são não apenas novos relativamente aos enfrentados pelo Papa Paulo VI, mas também e sobretudo com impacto decisivo no bem presente e futuro da humanidade. (…) A crise obriga-nos a projetar de novo o nosso caminho, a impor-nos regras novas e encontrar novas formas de empenho, a apostar em experiências positivas e rejeitar as negativas. Assim, a crise torna-se ocasião de discernimento e elaboração de nova planificação. Com esta chave, feita mais de confiança que resignação, convém enfrentar as dificuldades da hora atual" (n. 21).

 

A encíclica denuncia que "cresce a riqueza mundial em termos absolutos, mas aumentam as desigualdades. Nos países ricos, novas categorias sociais empobrecem e nascem novas pobrezas. Em áreas mais pobres, alguns grupos gozam duma espécie de superdesenvolvimento dissipador e consumista que contrasta, de modo inadmissível, com perduráveis situações de miséria desumanizadora. Continua ‘o escândalo de desproporções revoltantes’.

 

Infelizmente, a corrupção e a ilegalidade estão presentes tanto no comportamento de sujeitos econômicos e políticos dos países ricos, antigos e novos, como nos próprios países pobres. No número de quantos não respeitam os direitos humanos dos trabalhadores, contam-se às vezes grandes empresas transnacionais e também grupos de produção local. As ajudas internacionais foram muitas vezes desviadas das suas finalidades, por irresponsabilidades que se escondem tanto na cadeia dos sujeitos doadores como na dos beneficiários" (n. 22).

 

E há quem suponha que a Teologia da Libertação morreu… Não apenas continua viva, como hoje encontra abrigo até em documentos papais.

 

Frei Betto é escritor, aurtor de "Calendário do Poder" (Rocco), entre outros livros.

 

Copyright 2009 – FREI BETTO - É proibida a reprodução deste artigo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização. Contato – MHPAL – Agência Literária (Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.)

 

{moscomment}

Comentários   

0 #4 LantejoulasRaymundo Araujo Filho 22-07-2009 11:46
Que me desculpe os esperançosos que algo vindo da Curia Romana, do núcleo do Poder Papal, mas creio que daquele mato não sai cachorro, em favor da Teologia da Libertação.

Ao meu ver, a presença de alguns elementos citados nos escritos e pronunciamentos do Papa, é mais ou menos o que fizeram da palavra Socialismo, ainda presente no programa do PT e em algumas mentes incautas que ainda apóiam este governo do Lula. Ali, a palavra Socialismo é mera LANTEJOULA.
Citar
0 #3 o papabraz 22-07-2009 05:46
o texto do freio beto é bom e bem sintetizado, mas deve seguir
a liberdade correio que quando lei um artigo que da um corte na
rotina das materias
, já divulgo imediamente para meus contatos que também reproduzem para outros da npossa rede de cidadão para a tranformação do seu meio, como poir exemplo sobre o sarneu feito pelo filosofi romano, o do prlinio sobre mesários e outros. `e muitoi rui ruim pedeir autorização para quem esta na rede de comunicação e se propros a escrever para ela. OS LIVROS E ARTIGOS QUE ESCREVO COLOCO O SEGUINTE- SE POR AJUDAR NA DISCUSÃO TIREM COPIAS Á VONTADE, E NÃO PRECISA PAGAR NADA E MUITO MENOS PEDIR AUTORIZAÇÃO.cOMO TENHOS TODOS OS DOCUMENTOS DA CNBB E DOS PRINCIPAIS DA IGREJA DESDE JOÃO
XXIII, q ause todos os libros da teologia da libertação, vou fazer um texto sobre esta boa noticia vindo do vaticano e encaminhar para tosos os meus contato, cujo conteudo não difere em nada dos textos do frei beto, e o unico diferencia é que não tenho a fama que ele tem.
Braz- formado filosofia, ciencias socias,história, jornalismo, e acompanho as doutrinas das principais religiões, suas teologias e seus documentos, mesmo sendo atéu, acho que dá para escrever amguns texto sobre este
novo documento da igreja.
abraço
braz pt 13- barretos -sp
Citar
0 #2 A crise mundial e o papaJoão Antônio da Silva Júnior 20-07-2009 11:47
A crise mundial, quase que exclusivamente tratada em seu viés econômico, na verdade revela-se mais ampla e põe em questão grandes males do neoliberalismo: a ambiciosa geopolitica mundial, o descaso com a ecologia, a degradação das relações humanas,...
Quiça seja uma boa oportunidade para que nós, em sociedade, ancorados nas lutas dos movimentos sociais, anvancemos na conquista de relações mais justas e equilibradas. Que bom que até o papa Bento XVI, como lembra Frei Betto, reconheça a urgência desse momento. A Teologia da Libertação é atual e necessária.
Citar
0 #1 O papa e a criseEduardo J. de Oliveira 19-07-2009 12:58
Sem dúvida alguma, a desigualdade no mundo encontra-se em descompasso ascendente e os seus riscos em escala mundial são ameaçadores. O capital e os Estados agridem e são fornecedores das ferramentas do cotidiano dessa desumanidade. Possivelmente são constituídos seres de outro planeta
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados