O Corinthians se ama, não se discute! A propósito de um filme de Mazzaropi

 

Você está em casa, fazendo alguma coisa, e o rádio está ligado. Você conversa com o locutor. Xinga. Não gosta do que ele diz, afinal, ele está acabando com o seu time do coração (nem tão injustamente, mas ele não tem esse direito, ora, onde já viu?!). Num acesso de fúria, você desfere uma martelada de arrebentar o rádio, a mesa e o que mais estiver embaixo. E desfere outra, e outra. Não acerta o rádio, que continua intacto. Por quê? Porque o rádio desviou dos golpes.

 

Almoço em família – você, seus pais, irmãos e um burro à mesa. E pior: o burro tem mais privilégios do que você – é mais bem tratado, a comida dele é melhor, ele recebe mais carinho. "Mas de quem são os pais, meus ou do burro?", você se pergunta, atônito.

 

Você é convidado por um amigo a presenciar uma partida de futebol no estádio. Com a derrota do time da casa, as pessoas choram no estádio. Não basta: esperneiam, berram, se descabelam, brigam, quebram tudo até. Você: "Que absurdo! Tudo isso por causa ... de um jogo?!?".

 

O que as situações têm em comum? Tudo. São absurdas; revelam algo da realidade que talvez não seja fácil de reconhecer, mas nem por isso menos vivido. A única diferença é que as duas primeiras acontecem no filme O Corintiano (dir. Milton Amaral, produção e argumento de Amácio Mazzaropi, Brasil, 1966) e a última costuma acontecer por aí atualmente...

 

Filmes sobre o Sport Club Corinthians Paulista e sua torcida estão na moda ultimamente, nem todos bons, nem por isso desprezíveis (este que aqui vos escreve continua preferindo o de Mazzaropi). Logo no início de O Corintiano, há uma advertência:

"Esclarecimento ao público: este filme conta uma história que não aconteceu, mas podia ter acontecido... É uma homenagem a todos os clubes de futebol do Brasil, e seus torcedores. Não há, nem houve, intenção de exaltar ou desmerecer um ou outro, e sim dar ao grande público que prestigia o esporte momentos de diversão e entretenimento. A Produtora".

 

Ora, se não há intenção de "exaltar ou desmerecer um ou outro", por que a escolha justamente da torcida mais fanática? E num momento em que o Corinthians passava pelo jejum de títulos mais longo de sua história? E no auge do tabu contra o Santos? No entanto, o filme passa longe de desmerecer a torcida corintiana. E, de maneira muito clara, não é uma mera exaltação: os exageros do torcedor-personagem quase arruínam a sua vida. Mas é inegável, o ridículo dos absurdos do barbeiro "seu" Manuel aproxima-nos dele, ou porque nos compadecemos dele – a emoção fácil sempre foi ponto forte dos filmes de Mazzaropi – ou porque vemos na tela algo que vemos todos os dias?!

 

De Mazzaropi, Paulo Emílio Salles Gomes disse: "Ele atinge o fundo arcaico da sociedade brasileira e de cada um de nós". Odiado por uns, amado por outros, às vezes as duas coisas ao mesmo tempo pelas mesmas pessoas, até hoje é difícil fazer uma avaliação justa de seus filmes.

 

Muito antes da Embrafilme, Mazzaropi já tinha realizado tudo aquilo que a Vera Cruz sonhara e não conseguira fazer: além de atuar, produzia, escrevia os roteiros, dirigia e distribuía os próprios filmes. Por exemplo, em 1986, o filme Um caipira em Bariloche (direção, produção e roteiro de Amácio Mazzaropi, Brasil, 1973) foi relançado nos cinemas. Foi visto por mais de 40.000 pessoas só no cine São João, em plena década da derrota do cinema e da degradação do centro de São Paulo. O que aconteceria hoje? Será que os filmes de Mazzaropi ainda teriam tanto apelo?

 

Duas declarações de Mazzaropi merecem ser citadas, ambas de uma entrevista à revista Veja, em 1970 (disponível em http://www.museumazzaropi.com.br/sucesso/suc05.htm):

 

"Veja - Você é contra o Cinema Novo?

 

Mazzaropi - Não, eu não tenho nada contra ele. Só acho que a gente tem que se decidir: ou faz fita para agradar os intelectuais (uma minoria que não lota uma fileira de poltronas de cinema) ou faz para o público que vai ao cinema em busca de emoções diferentes. O público é simples, ele quer rir, chorar, viver minutos de suspense. Não adianta tentar dar a ele um punhado de absurdos: no lugar da boca põe o olho, no lugar do olho põe a boca. Isso é para agradar intelectual".

 

Mesmo não querendo "fazer fita para intelectuais", o cinema despretensioso de Mazzaropi não é tão simples assim. Em O Corintiano, as cenas de nonsense, por exemplo, instauram uma ambigüidade entre real e irreal, factual e imaginário, a borrar as fronteiras que costumeiramente julgamos nítidas entre o possível e o impossível. Ou então as cenas do rito de umbanda, filmadas com um respeito pela religiosidade popular até hoje incomum (e mesmo em círculos "intelectuais", diga-se de passagem, ainda é difícil conceder-se à umbanda, ao candomblé, aos tambores, a dignidade que o filme concedeu...).

 

Outra declaração:

 

"Eu represento os personagens da vida real. Não importa se um motorista de praça, um torcedor de futebol ou um padre. É tudo gente que vive o dia-a-dia ao lado da minha platéia. Eu documento muito mais a realidade do que construo. Quando eu falo tanto na parte comercial, não quer dizer que é só com isso que eu me preocupo. Se um crítico viesse a mim fazer uma crítica construtiva, mostrar uma forma melhor de eu ajudar o público, eu aceitaria e o receberia de braços abertos. Mas em momento nenhum aceitaria que ele tentasse mudar minha forma de fazer fitas. Elas continuariam as mesmas, pois é assim que o público gosta e é assim que eu ganho dinheiro para amanhã ou depois aplicar mais na indústria brasileira do cinema".

 

A ingenuidade dessa declaração ressalta. Contra ela, pode-se dizer que não há descrição empírica pura, não só porque todo enunciado sobre "dados" já está imerso em um universo semiótico pré-existente (todo enunciado sobre fatos pressupõe já critérios de avaliação ou os afirmam quando e como são usados), como também porque já pressupõe sempre uma intenção da parte de quem enuncia (no fundo, as duas coisas são uma só, ditas de maneira diferente). Portanto, podemos perguntar, é só isso mesmo, fazer rir, chorar etc.? Ou: de onde nasce essa vontade de comover? Ou: O que é que torna possível esse sucesso todo? Ou: basta-nos, hoje, fazer o que o público gosta? Inúmeras perguntas mais podem ser feitas, inúmeras respostas podem ser dadas.

 

Se Mazzaropi representava mesmo os personagens da vida "real", é discutível, mas indiscutível era sua capacidade de se comunicar com seu público. E quem era seu público? Talvez essa seja mais difícil de responder...

 

Cordiais saudações.

 

* * *

 

FESTIVAL: De 06 a 12 de julho de 2009, 111 filmes de 16 países em 7 salas diferentes da cidade de São Paulo. Aula magna com Nelson Pereira dos Santos, retrospectiva sobre a década de 1990, livro de Alex Viany y otras cositas más. Como? 4º Festival Latino-Americano de Cinema. Mais infos: http://www.festlatinosp.com.br/.

 

Cassiano Terra Rodrigues é professor de Filosofia na PUC-SP e acredita que torcer é um dever de todos; conseguir, uma honra de poucos...

 

Contato: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

 

{moscomment}

Comentários   

0 #4 pliniosampaio@cidadania.org.br 24-08-2009 15:17
Querido Cassiano
Precisamos tirar a cara do Mazaroppi da primeira página. Envie-nos, ´por favor, um novo artigo. Aliás, eles são muito bem recebidos pelos nossos leitores e eu agradeço muito sua colaboração.
Um abraço, Plinio
Citar
0 #3 Eduardo Azevedo 06-08-2009 22:22
Vejam o filme Boleiros (aliás, não recomendo). Uma comédia baixo-astral. Os críticos adoraram. O público, nem tanto. Particularmente, não curti tanto o Mazzaropi, mas é impossível não reconhecer sua autenticidade. Deve ser isso que os críticos não toleram.
Citar
0 #2 Aos intelectuais corinthianosJoão Geraldo Martins da Cunha 13-07-2009 06:53
Prezados,
Eu não gosto do Corinthians, talvez já não goste de Futebol como em outros tempos, não sou nenhum fã dos filmes do Mazzaropi, mas gostei do texto. E isto por uma razão, ele levanta uma questão chave: será que é impossível agradar público e críticos? Meus anos no ensino, superior e fundamental, me fazem acreditar, lamentavelmente, que sim.
Grande abraço a todos,
João Cunha
Citar
0 #1 Orlando Batista dos Santos 13-07-2009 06:18
Pois é, Cassiano; por falar em mazzaropi, o filme Tapete Vermelho, dirigido por Luiz Alberto Pereira (com Matheus Nachtergaele, Gorete Milagres e grande elenco), não teve, a meu ver, o destaque que merecia (e merece). Lançado em 2006, trata-se de uma brilhante comédia em homenagem a Mazzaropi, o Charles Chaplim brasileiro.
Tenho observado que o povão continua gostando de Mazzaropi. Tanto que seus filmes proliferam em bancas de camelôs, para consolo de seus admiradores, embora indevidamente (?) pirateados mas, por que será que não encontramos esse material na rede legal de distribuição de filmes ou DVDs? Só Mazzaropi mesmo para responder.
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados