topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Aug   September 2016   Oct
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
252627282930 
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Mobilização e consciência Imprimir E-mail
Escrito por Wladimir Pomar   
Terça, 16 de Junho de 2009
Recomendar

 

Para tratar da relação complexa entre mobilização e consciência, ou entre prática e teoria, gosto de citar um caso ocorrido no interior do Ceará, durante a seca de 1970. Mais de 60 mil camponeses (foreiros, arrendantes, meeiros e pequenos proprietários), também chamados de "cassacos", se encontravam agrupados em vários acampamentos das frentes de trabalho. Só voltavam para casa no final da semana, quando recebiam o "pagamento" (a maior parte em mantimentos) pelo trabalho na construção de estradas, açudes e outras obras públicas.

 

Os mantimentos sequer davam para as famílias se alimentarem, e a insatisfação cresceu. Os "cassacos" tomaram consciência de seu problema imediato e começaram a discutir entre si a invasão dos armazéns onde os mantimentos estavam guardados. Os líderes e militantes comunitários, isto é, os "conscientes", tanto os que estavam trabalhando como cassacos, quanto os que estavam fora das frentes, viram-se obrigados a discutir o assunto e tomar uma posição.

 

A maior parte dos "conscientes" não tinha dúvidas sobre o sucesso das invasões, já que era uma vontade generalizada entre os cassacos. Uma pequena parte dos "conscientes" considerou prematuras as invasões. Argumentaram que, em seus contatos com os cassacos, verificaram que eles estavam mesmo insatisfeitos, mas a idéia da invasão não era firme. Sugeriram, então, adiar essas ações até que elas realmente fossem uma decisão madura.

 

Essa sugestão não foi aceita pela maioria dos "conscientes". E o dia da invasão foi marcado. O que causou uma divisão entre os "conscientes" derrotados. Alguns acharam que não deviam participar de ações que seriam um fracasso. Os outros também concordavam que as ações eram um erro, por estarem acima do nível de aprendizado e mobilização dos cassacos. Porém, defendiam a participação sob o argumento de que, se não participassem, os "conscientes" derrotados seriam responsabilizados pelo possível fracasso. Além disso, não teriam condições de avaliar a experiência e elevar a consciência, tanto dos camponeses, quanto dos demais "conscientes". Mais: defendiam que os "conscientes" derrotados tivessem uma participação mais intensa do que os demais.

 

Entre os "conscientes" derrotados a sugestão de participação ativa e intensa acabou sendo aceita, o que lhes permitiu influenciar os resultados da única invasão bem sucedida. Nas demais frentes, os cassacos recuaram e não ocorreram invasões.

 

Apesar desse fracasso, ou por causa dele, os "conscientes" que haviam sido contrários às invasões prematuras passaram a ser referência, não só para os demais "conscientes", mas para parcelas diversas dos cassacos que haviam acompanhado sua atividade.

 

Esse caso nos mostra, ao contrário do que pensam os voluntaristas, que as massas iniciaram sua mobilização por conta própria, inclusive apontando uma proposta de luta para os militantes "conscientes". E mostra também, ao contrário do que pensam os espontaneístas, que a consciência pode desempenhar um papel importante para evitar que a indignação diante do aspecto negativo da realidade seja confundida com a disposição de adotar uma forma de luta ou outra.

 

Portanto, a dinâmica objetiva de aprendizado e mobilização popular não é impermeável à ação subjetiva. Os líderes e militantes que possuem consciência das contradições da realidade, como a luta entre as classes e a luta pelo poder, têm importância tanto na organização e decisão, quanto na avaliação da luta, de modo a elevar o aprendizado e a mobilização. Mas, se não levarem em conta o nível real de aprendizado das massas, certamente cometerão erros que os distanciarão dessas massas.

 

Wladimir Pomar é escritor e analista político.

 

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates