O movimento estudantil na USP e a ofensiva conservadora

0
0
0
s2sdefault

 

A conjuntura atual, não somente nacional como internacional, é marcada centralmente pela crise econômica deflagrada nos EUA no segundo semestre de 2008. Um cenário como este proporciona grandes perspectivas de movimentação. Muitas pessoas, que perdem seus empregos ou pioram de vida, passam a ver que não têm mais muito a perder e tendem a descer de cima do muro em busca de saídas políticas para sua insegurança econômica. Mas nisso reside um perigo, pois pessoas podem fazê-lo para qualquer um dos lados, esquerda e direita.

 

Adotemos aqui critérios de "esquerda" e "direita" amplos, não apenas ligados a partidos políticos que são, ou dizem ser, de um lado ou de outro. E ignoremos a definição de "centro", que nada mais é do que uma posição tática oportunista e cômoda de quem está de um dos lados, mas prefere fingir-se neutro ou travestir-se de moderado. Para "esquerda", pensemos nas forças progressistas, estendendo o rótulo a todos aqueles que não aceitam como naturais as desigualdades existentes na sociedade e buscam transformá-la a fim de promover justiça social. Para "direita", admitamos a classificação de quem busca a manutenção da ordem estabelecida, por achá-la natural ou cômoda, com suas injustiças e desigualdades, estendendo a classificação até mesmo àqueles que aceitam fazer concessões, como praticar algum tipo de filantropia vazia de vez em quando.

 

A crise econômica por que passamos é considerada por estudiosos diversos como a mais grave desde a de 1929. Esta, há 80 anos, gestou um sentimento de revolta que em muitos países, como Alemanha e Itália, cresceu e acabou por se tornar o monstro mais tarde batizado de nazi-fascismo. Nada impede que isso volte a acontecer, e uma análise mais atenta pode indicar que uma movimentação conservadora é algo mais real do que eventualmente possa parecer.

 

Peguemos o caso da Universidade de São Paulo (USP). Existem três eixos que, aprovados em assembléia de estudantes, vêm sendo trabalhados ao longo deste ano: "nenhum centavo a menos para a educação", "abaixo a Univesp" e "abaixo a repressão". Todos eles podem ser pensados como reação a ataques perpetrados pelo movimento conservador em curso. Quem tiver dúvidas que siga adiante com a leitura.

 

Cortar verbas destinadas à universidade pública atende aos interesses dos setores dominantes por diversos motivos. Vejamos: a precarização dela abre espaço para a indústria do ensino superior privado superá-la (como já acontece nos níveis fundamental e médio). E promove o estrangulamento financeiro de cursos como os proporcionados pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH), que, pelo caráter de reflexão crítica sobre a sociedade que eles têm, não interessam ao mercado, cujo interesse é o lucro e não a solução dos problemas das pessoas. Cursos que podem ser "lucrativos", no entanto, como os da Escola Politécnica, têm a oportunidade de fugir da asfixia pulando na canoa furada do financiamento privado. Retira-se a autonomia ou mina-se a qualidade, ou os dois, se pensarmos que qualidade implica autonomia. São enquadrados todos, de uma forma ou de outra, no que espera de nós o Deus Mercado.

 

Instituir a Universidade Virtual do Estado de São Paulo (Univesp) com o discurso de que ela expandirá as vagas da USP para alunos que antes ficavam de fora é uma estratégia enganadora, pois oculta que serão vagas sem qualidade. O ensino à distância pode até ter sua função como complemento à formação ou para casos específicos, mas o programa em questão é destinado à licenciatura em ciências. Como formar um professor que aprende a dar aulas sem as ter antes? É um contra-senso e empurra a educação brasileira para um círculo vicioso que pode levar à instituição dessa modalidade não-presencial em todos os níveis e cursos, com lições e leituras entrecortadas por bate-papos e visitas a sites de relacionamento. Sem falar que isso priva a formação docente da possibilidade de organização, discussão e construção coletiva do conhecimento. É a individualização imposta para conter a união que faz a força. Absurdo, mas útil ao governo do Estado, preocupado em melhorar estatísticas, aumentando o número de professores da rede estadual com diplomas pregados na parede como se isso por si só melhorasse o ensino precário oferecido por José Serra e sua turma.

 

A entrada da Polícia Militar no campus Butantã da USP encarrega-se de demonstrar a pertinência da luta contra a repressão. Há trinta anos, portanto desde a ditadura (dura, e não branda), isso não ocorria. Contudo, as elites, em especial por meio da chamada "grande mídia", ignoram a gravidade do fato. Defendem, contra os piquetes, o direito de ir e vir previsto na Constituição, como se as catracas que todos os dias condicionam esse direito dos cidadãos ao poder econômico de empresários do setor de transportes não existissem. É a velha história do "para os amigos tudo, para os inimigos a lei".

 

Quando se verificam as incansáveis tentativas de revisão da história do país, como a criação do neologismo "ditabranda" da Folha de S.Paulo, começa-se a entender melhor alguns porquês. Na ditadura, jornais do grupo Folha funcionavam como sustentáculo do regime. Agora, eles querem ao mesmo tempo limpar seu histórico e legitimar as forças de repressão à esquerda, forças estas que estão dispostos a usar, como têm demonstrado, para garantir uma saída à direita para a atual crise, com a manutenção da ordem e com a conta sendo paga por aqueles que trabalham, enquanto banqueiros e especuladores pegam o banquinho (gentilmente financiados pelo Estado) e saem de mansinho.

 

Mantém-se, assim, o país longe de experiências de esquerda como as da Venezuela, da Bolívia e do Equador. Durante o governo militar, guerrilheiro virava terrorista na versão da mídia. Hoje, favelado vira traficante, e militante de movimento social, baderneiro e vagabundo. É a imoralidade avançando para desmoralizar quem ainda preserva um pouco de integridade, mesmo que em meio à adversidade.

 

Outros exemplos poderiam ser citados para demonstrar a articulação das elites para impor o seu projeto de país, que transcende a universidade, como a perseguição ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), a inversão de papéis no curso das investigações da Operação Satiagraha, a exposição dada pela mídia ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, espaço maior do que sua função permite e do que sua capacidade intelectual merece etc. etc. etc.

 

É por tudo isso que o movimento estudantil da USP não pode assistir passivamente a essa ofensiva. O momento exige um enfrentamento com todas as armas de que este dispõe, e ele não pode se dar ao luxo de desperdiçar nenhuma. A conjuntura mudou e uma greve agora não só é justa como também oportuna. Mais estudantes despertaram para a mobilização após a invasão do campus pela PM; o risco que uma greve precipitada representava, de alargar ainda mais o abismo que separa a massa de estudantes daqueles que participam do movimento estudantil, diminuiu. A necessidade, porém, de agir de modo conseqüente permanece. A falta de disputa ideológica nos cursos e o sectarismo podem jogar no colo do conservadorismo muitos estudantes menos envolvidos nos debates.

 

Para fazer o contraponto a esse movimento reacionário mais amplo, temos de aproximar estudantes diversos, acumular forças e construir a unidade da esquerda para uma greve na universidade que alcance o fim desejado, visto que ela é não um fim em si mesma, mas um meio para algo maior. A hegemonia da direita atrai para ela a mediocridade e força a esquerda a sofisticar sua atuação. Chegou a hora de unir todos aqueles que não desistiram de lutar por dias melhores, sem intrigas entre si. Nenhum centavo a menos para a educação. Abaixo a Univesp e a repressão. Paz entre nós e guerra aos senhores.

 

Max Gimenes é estudante de Ciências Sociais.

 

{moscomment}

Comentários   

0 #7 Apoiado.Talita Amaro 28-06-2009 21:37
Pois é, quando temos um movimento social/estudantil verdadeiro ele é criminalizado pela mídia, que alegra os dias da massa sedenta, e torna o ato da presença da PM na USP favorável.

Por que dormis, Brasil?
Citar
0 #6 Oriana Harumi Tanaka 16-06-2009 14:21
Fantástico. Em momentos como esse ve-se ainda mais necessária a presença da mídia independente no cenário nacional. como confiar em notícias que seguem um jogo tão grande de interesses? que distorcem informações a tal ponto que, um acontecimento como a presença da PM na universidade, torna-se legitimado aos olhos da população?

parabéns pelo seu trabalho! adoro desde sempre!
Citar
0 #5 òtima análiseNilton Queiroz 16-06-2009 12:01
Isso mesmo Max Gimenes

Gostei muito do seu texto, e gostaria de colocar mais alguns detalhes que acho de fundamental importância para o movimento estudantil neste momento:
È de fundamental importância neste momento de antagonismo de ideais, entre direita e esquerda, sabermos onde atacar e onde recuar, pois nos últimos tempos o movimento estudantil adquiriu como tática a ocupação de espaços institucionais, como a ocupação da reitoria da USP, e hoje será que é possível adquirir vitórias neste modo, será que uma releitura do resultado do movimento de ocupação não seria propicio ao momento?
Creio que o movimento na rua, ganhando a população e garantindo lastro social das camadas mais merecedoras de vagas nas universidades públicas será o melhor e mais cansativo meio de se ter vitória a favor de uma universidade pública, de qualidade gratuita, laica para todos e todas, e não se trancafiar na Cidade Universitária travando luta entre nós mesmos.
Citar
0 #4 O movimento estudantil e a ofensiva consElizabeth Castellão Martins 15-06-2009 08:04
Gostei muito do texto, inclusive para análise histórica junto a professores. Gostaria de ter mais referências sobre o autor Max Gimenes ou seu contacto.
Grata,
Elizabeth
Citar
0 #3 A USP PRIVATIZADAWerner Pessoa 14-06-2009 05:19
Caríssimo estudante;

A VIOLÊNCIA não se justifica,mas V.Senhoria seria capaz de responder alguns questionamentos,por gentileza,como :

- QUANTOS ESTUDANTES ORIUNDOS DAS PERIFERIAS PAULISTANAS ESTUDAM NA USP COM DIREITOS A BOLSAS DE ESTUDOS E INICIAÇÃO CIENTÍFICA ?

- QUANTOS DESTES POBRES ORIUNDOS DAS PERIFERIAS URBANAS CHEGAM E CONCLUEM A PÓS-GRADUAÇÃO NOS CURSOS DE ELITE DA USP ?

- VOCÊ ACREDITA QUE O VESTIBULAR SEJA CAPAZ DE AVALIAR O POTENCIAL DOS CANDIDATOS ?

- AS UNIVERSIDADES PÚBLICAS PREPARAM OS FUTUROS PROFISSIONAIS PARA A REALIDADE DO NOSSO POVO?

- QUAL A SUA OPINIÃO SOBRE AS FUNDAÇÕES UNIVERSITÁRIAS E OS VALORES MOVIMENTADOS POR ESTAS INSTITUIÇÕES DE FORMA OBSCURA ?

- O QUE DIZER DO COMÉRCIO DE TÍTULOS DE MESTRES E DOUTORES NAS UNIVERSIDADES PÚBLICAS ?

- O PROJETO GENOMA SERIA UMA JUSTIFICATIVA PARA A EXTIÇÃO DAS QUOTAS PARA NEGROS E AFINS ?

- O QUE DIZER DAS INÚMERAS TAXAS COBRADAS NOS ESPAÇOS PÚBLICOS DE ENSINO,PESQUISA E EXTENSÃO ?

- POR QUE O ART.207 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988(CAPÍTULO DA EDUCAÇÃO) É VIOLADO ?

ESTES E OUTROS QUESTIONAMENTOS PRECISAM SER RESPONDIDOS PELA COMUNIDADE ACADÊMICAS,DE PREFERÊNCIA EM PÚBLICO COM A PRESENÇA DA POPULAÇÃO MARGINALIZADA E EXCLUÍDA...
Citar
0 #2 Intolerancia!!!!Fabio 12-06-2009 21:20
E pensar que o Gov. Serra um dia foi contra o regime e suas intolerancias. Ele que foi ativo nas lutas pela UNE, se esqueceu muito rapido do significado da palavra JOVEM. Temos um Secretário da Educação que quando Ministro sucateou o Ensino Federal e Estadual em beneficio das entidades privadas, seus financiadores de Campanha. O que podemos esperar dessas pessoas, que no discurso dizem uma coisa, mas atrás dos bastidores fazem outra completamente diferente. Tá na hora desses senhores (Serra e Paulo Renato) fazerem uma reflexão sobre o mal que estão causando à Educação no Estado de São Paulo. Se essa for a politica do Serra para a Educação, coitados dos Brasileiros se ele for Presidente, aí ele e o Paulo Renato irão enterrar de vez as esperanças de um Brasil mais informado e um povo mais alfabetizado. Aliás, prá eles, quanto mais burros forem os brasileiros, melhor prá serem enganados.
Citar
0 #1 controle total.Amauri José da Silva 12-06-2009 11:01
Isso é o pensamento da elite dominante, que governa o sistema capitalista: criar uma geração de robôs que atendam os seus ditames.
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados