Estados Unidos: a corrida armamentista no campo cibernético

0
0
0
s2sdefault

 

A chamada Terceira Revolução Industrial, tendo por base a microeletrônica na primeira metade dos anos 70, auxiliou sobremodo a derrocada política dos países do Leste europeu na década de 80, em decorrência da sua incapacidade de acompanhar o mesmo grau de produtividade do eixo norte-atlântico, a partir dos Estados Unidos.

 

Muitas das inovações propiciadas por ela originaram-se do financiamento maciço da Casa Branca, ao direcioná-las de início para o setor público. Destaque-se que este posicionamento de Washington não era novo, dado que, no final da Segunda Guerra Mundial, o governo Truman amadureceu o projeto de associação tecnológica entre o Estado e o segmento privado.

 

O local escolhido para abrigar a maior parte dos programas foi a Califórnia – estima-se que 1/5 do produto interno bruto do estado, atualmente o mais rico do país, derive destas parcerias.

 

Desde o seu princípio, o objetivo do projeto foi o de manter as forças armadas estadunidenses à frente das dos demais países, principalmente da União Soviética, desprovida naquele momento de armamento nuclear e ainda com a infra-estrutura bastante avariada. Isto proporcionaria aos Estados Unidos a possibilidade de manter-se sempre em larga vantagem.

 

Conquanto não haja mais a necessidade de uma corrida armamentista, visto o fim da dicotomia amero-soviética, mesmo assim os Estados Unidos mantêm aceso o dilema de segurança, remotamente inspirado em um adágio da Roma Antiga: se queres a paz, prepara-te para a guerra. Destarte, o percentual destinado a gastos militares situa-se há muitos anos estabilizado.

 

Não obstante a postura mais diplomática perante a sociedade internacional, a Casa Branca anunciou há poucos dias o estabelecimento de mais um comando militar, direcionado para a área de informática, com o fito de reforçar a proteção do país concernente a ameaças cibernéticas oriundas, às vezes, até de governos estrangeiros.

 

Assim, ele se somaria a um órgão civil, estruturado recentemente no âmbito da presidência da República por ser supervisionado pelo Conselho de Segurança Nacional. O novo ente será o responsável por coordenar a segurança cibernética dos sistemas do próprio governo e das bolsas de valores, bancos, aeroportos, entre outros.

 

Em função do histórico advindo da administração predecessora, quando o recém-inaugurado Departamento de Segurança Interna adquiriu poderes excepcionais de monitoramento sobre a população estadunidense, sob a justificativa de identificar rapidamente todo eventual traço de atividade terrorista, teme-se que as novas burocracias sejam uma continuidade disso.

 

Oficialmente, a redefinição administrativa põe a termo a longa disputa tácita entre a Agência de Segurança Nacional (ASN), desenvolvida na Guerra Fria para a guerra eletrônica, e o Departamento de Defesa. É possível que uma parcela da responsabilidade daquele órgão desloque-se para o novel organismo militar, até porque as agências de espionagem são proibidas por lei de exercer a sua atividade-fim internamente.

 

Desta maneira, a postura da Casa Branca, ao estruturar mais dois órgãos específicos para o campo do mundo informático, teria sido a de atualizar-se administrativamente perante os inimigos do século XXI, isto é, os conectados com o cibernético.

 

Relembre-se que o antigo titular do Departamento de Defesa durante a gestão Bush, Donald Rumsfeld, havia desejado redefinir a atuação tecnocrática não só de seu ministério, mas de todo o Executivo federal da mesma maneira que o presidente Truman fizera: para outra conformação de poder mundial, outro aparato burocrático.

 

Virgílio Arraes é doutor em História das Relações Internacionais pela Universidade de Brasília e professor colaborador do Instituto de Relações Internacionais da mesma instituição.

 

{moscomment}

Comentários   

0 #1 Zeitgeistgabriel 11-06-2009 23:26
Assista Zeitgeist.
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados