Professores de ética

 

É tautológico falar em falta de ética no Congresso Nacional. Os escândalos se sucedem, do deputado que está "se lixando" para a opinião pública aos funcionários do Senado que, a exemplo de notórios senadores, ostentam um padrão de vida muito superior a seus vencimentos e à renda declarada.

 

Felizmente há exceções. Lástima que a indignação e o protesto de parlamentares íntegros tenham pouca ressonância nas ruas. Em geral, noticiam-se farra de passagens aéreas, castelos mirabolantes, mansões paradisíacas. Poucos tomam conhecimento da coerência de parlamentares incorruptíveis, incapazes, inclusive, de aceitar caixa 2 em suas campanhas eleitorais.

 

A corrupção decorre da falta de caráter. Esta se manifesta, de modo especial, quando a pessoa se vê investida de uma função de poder, do policial que extorque o comerciante ou do delegado que embolsa pagamento de fianças ao empresário que suborna o funcionário público para obter licitações fajutas; do prefeito que se apropria dos recursos da merenda escolar a parlamentares que se julgam no direito de pagar, com dinheiro público, o salário de sua empregada doméstica.

 

Como dar um basta em tanta maracutaia? Difícil. O ser humano padece de duas limitações insuperáveis: defeito de fabricação e prazo de validade. É o que a Bíblia chama de "pecado original". Sempre haverá homens e mulheres desprovidos de caráter, de princípios éticos, dispostos a não perder a primeira oportunidade de enriquecimento ilícito. A solução não reside no cultivo das virtudes, que tem sua importância. Fosse assim, os colégios religiosos, onde estudaram Collor e Maluf, seriam fábricas de anjos.

 

A solução é criar, via profunda reforma política,  instituições que inibam os corruptos e mecanismos de controle popular. Em suma, tornar a nossa democracia, meramente delegativa, mais representativa e, sobretudo, participativa.

 

Enquanto a solução não aparece, sugiro que convidem, para ministrar um curso de ética no Congresso Nacional, suas excelências José Gomes da Costa, Rodrigo Botelho, Francisco Basílio Cavalcanti, Clélia Machado, Sebastião Breta e Fagner Tamborim.

 

O que essas pessoas fizeram não deveria ser considerado extraordinário. No entanto, frente aos casuísmos, ao nepotismo, à malversação, ao cinismo de parlamentares tentando justificar o injustificável, convém propalar o exemplo desses professores de ética.

 

José Gomes da Costa é gari da prefeitura de São Paulo. Ganha R$ 600 por mês. Vinte e seis vezes menos que um deputado federal. Com este salário, sustenta a si e três filhos. Dia 18 de maio último, ao varrer a rua, encontrou um cheque do Banco do Brasil no valor de R$ 2.514,95. José precisaria trabalhar quatro meses, sem nenhuma despesa, para acumular esta quantia. Procurou uma agência do banco e devolveu o cheque. Motivo: vergonha na cara.

Gari, Rodrigo Botelho encontrou, em 26 de maio de 2008, durante Campeonato Mundial de Tênis de Mesa, no Rio, mochila com R$ 3 mil em dinheiro. Viu o nome do dono nos documentos, chamou-o pelo microfone e devolveu. Rodrigo é normal, tem caráter.

 

Francisco Basílio Cavalcante, faxineiro do aeroporto de Brasília, pai de 5 filhos, ganha salário mínimo. No dia 10 de março de 2004, encontrou uma bolsa de couro no banheiro do aeroporto. Dentro, US$ 10 mil e um passaporte. Se fosse juntar o salário que ganha, sem gastar um só centavo, levaria 3 anos e 4 meses para obter igual soma.
Francisco declarou: "Tem que ser assim. O que não é nosso precisa ser devolvido. Um dinheiro que não é da gente não pode ser do bem. Não pode trazer felicidade".

 

Clélia Machado, 29, é auxiliar de serviços gerais e faz bico como manicure. Sozinha, cria duas filhas, uma de 7 anos, outra de 9. Sua renda mensal não chega a R$ 550. Todos os dias ela faz a faxina do banheiro do posto da Polícia Rodoviária Federal em Seberi (RS), onde trabalha há três anos. A 11 de março de 2008, encontrou, junto à privada, um pé de meia enrolado em papel higiênico. Dentro, US$ 6.715. Clélia entregou os dólares aos policiais. Entrevistada, declarou: "Bem que podia ser meu de verdade. Mas já que não me pertencia, devolvi na hora. Era o certo a fazer."

 

O gari Sebastião Breta, 43, da prefeitura de Cariacica (ES), devolveu os R$ 12.366 mil que achou num malote no lixo. O nome do homem que fora roubado estava gravado numa etiqueta. Sebastião ganha salário mínimo. Indagado se pensou em ficar com o dinheiro, disse: "Nunca. Desde a primeira vez que vi sabia que devia devolver. Quando não consigo pagar as minhas contas fico doido, pensava o tempo todo como estaria o dono do dinheiro, imaginava que ele também não podia pagar suas contas porque tinha perdido tudo. Eu e minha mulher não conseguiríamos dormir à noite. Acho esquisito pegar o que não é da gente".

 

Fagner Tamborim, 17 anos, entregador de jornais na cidade de Pirajuí, a 398 km de São Paulo, ganha R$ 90 por mês. Enquanto pedalava sua bicicleta, encontrou na rua um malote com R$ 6 mil. Devolveu-o ao dono. "Vi que tinha muito dinheiro e cheques. Levei pra minha mãe, que ligou para o banco."

 

O melhor do Brasil é o brasileiro, não necessariamente nossos parlamentares.

 

Frei Betto é escritor, autor, em parceria com Verissimo, Cristovam Buarque e outros, de "O desafio ético" (Garamond), entre outros livros.

 

{moscomment}

Comentários   

0 #4 Falta de caráterHélio 02-06-2009 07:00
O que corrói o caráter são diversos fatores. O principal é decorrente do próprio sistema econômico. Prá saber mais, leiam "A corrosão do caráter" de Richard Sennet, editora Record. Vale a pena. OBS. Essas pessoas simples referidas por Frei Betto, tiveram educação "de berço", como se diz; outros também tiveram, mas na base do "levar vantagem", ser esperto", competir sempre, ganhar, ganhar, ganhar ou ter, ter, ter.
Citar
0 #3 O Que Fazer, ou Como Fazer?Raymundo Araujo Filhor 01-06-2009 15:19
Que me desculpe o Frei Beto, mas seu artigo é pueril. Estaria bom para jovens do primeiro grau e tenra idade. Não acho que seja o caso do Correio.

Saber discernir o certo do errado, acho que quase todos aqui sabem. E não me refiro a nenhuma rigidez maniqueísta e nem, neste casso, de divergências ideológicas.

Mas, com efeito...há coisas que até as pedras sabem que são erradas e lesivas à coletividade universal, desde que sigamos um preceito civilizado que Os Meios Não Podem Justificar, por si só, s Fins.

O mais importante, portanto, é sabermos como fazer isso. Institutos? Associações? Estas já existem vários, e não têm adiantado muito.

O que temos de fazer, então? Na minha opinião é nos concentrarmos na tal transferência dos meios de produção e responsabilidade social para a maioria da população gerenciar, de forma participativa direta e como principais beneficiários.

E quais são os instrumentos para isso? A Organização Popular para a Luta Política (senão pior..que Deus me livre da necessidade desta opção).

E, isso passa também por não contemporizar com velhos amigos, hoje discordantes, mas que atravessaram o Rubicão do Bom Senso de Medidas, e se atolaram na capitulação ideológica e mesmo na corrupção financeira.

E, quem contemporizou que se recupere deste erro, lançando aos quatro ventos e de forma inequívoca, uma boa autocrítica e uma palavra radical CONTRA estes, inclusive lhes dando nomes.

Enquanto muitos cabalavam votos para a reeeleição de Lulla, aventando uma esperança ilusória e que sabíamos vãs, muitos companheiros eram (são) perseguidos e alijados do processo político e até profissional, por dizerem com clareza o que o Frei Beto diz aqui, com cuidados excessivos, ao meu ver.

E sem dar nomes aos Bois. Aos Corrompidos e Corruptores.

Aí ficaria um texto prá gente grande.
Citar
0 #2 DiscordoFlávio 01-06-2009 06:34
Desta vez tenho que discordar... para esses indivíduos do congresso, acho que não tem mais jeito, não adiantaria curso nenhum... mas o Curso de Ética deveria estar como matéria básica em todas as escolas primárias para tentarmos gerar pessoas diferentes do que estão sendo condicionadas as que vivem assistindo a tudo isso que estamos cansados de ver... Ética sempre!!!
Citar
0 #1 ParabénsGilson Souza 31-05-2009 22:21
A falta de caráter é tão comum nas pessoas que desacreditamos uns nos outros. Graças a Deus que ainda existam pessoas que prezam pelo nome. E olha que os exemplos citados no artigo são de pessoas que honram o nome,pois é apenas isso que lhes restam, diferentemente da maioria dos políticos brasileiros. Parabenizo ao Frei Betto do qual sou admirador.
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados