topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Aug   September 2016   Oct
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
252627282930 
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

Como será? Imprimir E-mail
Escrito por D. Demétrio Valentini   
Sábado, 30 de Maio de 2009
Recomendar

 

Tempos atrás a gente só fazia esta pergunta para fantasiar como seria a vida após a morte. Se não era possível descer a muitos detalhes, ao menos se sonhava São Pedro de bom humor, abrindo a porta para a gente ir entrando. As atenções se voltavam para o outro mundo.

 

Agora, com tantas mudanças em andamento, a pergunta vale para este mundo mesmo. Em meio ao ritmo alucinante de mudanças, nos perguntamos como será o dia de amanhã, como será a vida nos próximos anos.

 

A pergunta é tão freqüente, e angustiante, que muitas empresas já contratam futurólogos, para que tentem identificar estratégias de sobrevivência, num contexto de situações que mudam tão rapidamente.

 

Um deles é o escocês Eamon Kelly. Ele aprendeu a pensar o futuro, constatando as mudanças radicais por que passaram trabalhadores nas minas de carvão na Escócia, que simplesmente foram desativadas.

 

Ele faz algumas previsões, sempre aliadas a advertências. Supõe, por exemplo, que em poucos anos outros dois bilhões de pessoas no mundo serão integradas na economia mundial. Mas adverte que se esses dois bilhões assumirem o padrão de consumo dos americanos, seria necessário explorar cinco planetas como o nosso. Como só temos este, como se fará esta reeducação de costumes?

 

O Brasil está agora festejando a descoberta de surpreendentes reservas de petróleo, no pré-sal. Só o campo de Tupi poderia fornecer de cinco a oito bilhões de barris. Mas se perguntamos pelas conseqüências da queima deste petróleo, quantos milhões de toneladas de gás carbônico seriam lançadas ao ar? Em que medida iria colaborar para o aquecimento global, que já está ficando perigoso?

 

Aí a pergunta sobre o futuro se reveste de angústia. E se o processo de aquecimento atingir um patamar de descontrole total, numa dinâmica irreversível de mudanças climáticas, como ficará nosso planeta? Após a sua reciclagem total, quem sobraria para contar a história? Chegaria o fim da espécie humana?

 

A pergunta pode ter incidências bem próximas e práticas. Como será o relacionamento entre as pessoas, que estarão com certeza super conectadas, mas com o risco de se desconectarem de valores vitais básicos, como a natureza, a família, a comunidade? Como ficará a vida sem este contexto salutar de convivência humana? Quem dará conta de administrar as tensões daí resultantes?

 

Como ficará o sistema de comunicação através do rádio e da televisão, arduamente construído ao longo de décadas, se passar a ser usado sem nenhuma regulamentação e sem compromissos éticos?

 

E assim a ladainha das interrogações poderia incidir sobre situações bem concretas. Como ficará o trânsito nas cidades e rodovias, se continuar o atual ritmo de novos veículos entrando em ação? Como ficará a vida e a economia quando finalmente se esgotarem as reservas de combustíveis fósseis?

 

Por mais que se escamoteie a pergunta, ou se diversifiquem as respostas, o certo é que já ninguém mais prescinde da ligação estreita que existe entre as condições de vida no planeta e a intervenção humana em seu processo.

 

É urgente identificar, com clareza, quais são as incidências reais na vida do planeta, de nossa atividade humana. Para direcioná-la com responsabilidade e compromisso ético, em busca do bem de toda a espécie humana e de todo o planta.

 

Faz cem anos, apenas, que o avião levantou vôo. Foram tantas as mudanças de lá para cá. Daqui para frente, serão muito maiores, e mais rápidas. Como constatou a Conferência de Aparecida, vivemos não só uma época de muitas mudanças, mas uma mudança de época.

 

Como será? Quem viver, verá!

 

D. Demetrio Valentini é bispo da diocese de Jales.

 

Website: http://www.diocesedejales.org.br/k

 

Recomendar
Última atualização em Sábado, 30 de Maio de 2009
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates