topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Aug   September 2016   Oct
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
252627282930 
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

O Rio de Janeiro continua lindo Imprimir E-mail
Escrito por Gabriel Brito   
Terça, 26 de Maio de 2009
Recomendar

 

Para quem pensava que aquele Rio de Janeiro da bossa nova, dos bondinhos, da felicidade do povo local e da máxima expressão de nossa brasilidade tinha ficado na nostalgia, o Comitê Olímpico Brasileiro tem uma boa nova: ele ainda existe, e será ainda mais materializado quando a Cidade Maravilhosa, cada vez mais, receber de braços abertos os Jogos Olímpicos de 2016.

 

Se alguém pensa se tratar de um delírio, nossas autoridades esportivas podem com enorme prazer comunicar que aquela metrópole dos cartões postais está mais vívida do que nunca. Caso ande desinformado dos acontecimentos recentes, basta assistir ao breve filme panorâmico da cidade mostrado aos inspetores do Comitê Olímpico Internacional (COI), muito revelador até mesmo para nós, habitantes nativos incólumes a tamanha revolução.

 

Na película, cuja estética e cenografia são de fazer inveja até naquele pessoal que foi se reunir em Cannes, o Rio de Janeiro erradicou seu déficit habitacional, ou seja, não há mais sem tetos; o trânsito flui tão naturalmente como sangue em veias; a moradia em favelas não se faz mais necessária, o que extinguiu os morros da paisagem da cidade; e, claro, os servidores públicos são a fina flor da cordialidade humana.

 

Tudo isso sem precisar de mais de 5 minutos para escancarar aos surpreendidos – e, portanto, também desinformados - enviados internacionais os até então desconhecidos avanços da sociedade brasileira.

 

Não vamos nem comentar o funcionamento dos serviços essenciais da cidade, pois já são assuntos superados que se encontrarão em nível indiscutivelmente superlativo daqui a sete anos. Tampouco falemos do Rio de Janeiro que não foi nos Jogos Pan-americanos, quando a limpeza da Lagoa Rodrigo de Freitas e a expansão do metrô, entre outros legados, foram deixadas para uma próxima.

 

Todo o cenário descrito acima seria lindo, não fosse falso. Foi apenas o famoso trabalho de fachada, tradicionalíssimo por aqui, das autoridades locais, que deram uma pequena ‘higienizada’ no atual visual da cidade. Também foram estratégicos, como confirmou o prefeito Eduardo Paes, ao escolher um feriado, livre de trânsito, para realizar o passeio avaliativo dos membros do COI. "Temos de dar um jeitinho para conseguir trazer as Olimpíadas".

De resto, tudo certo

Se por um lado já foi possível solucionar as principais mazelas sociais cariocas, por outro há alguns pontos que permanecem obscuros para aqueles que insistem em não se contentar com a vinda de grandes eventos - vistos e curtidos por quase todos no mundo, até os críticos – pelas mãos exatamente do que há de pior em nossa sociedade. Gente que faz sua incompetência, entre outros péssimos costumes, arruinar completamente os setores nos quais se envolvem, mas que ainda assim recebem a graça divina de serem os patronos e condutores de megafestividades mundiais.

 

Por exemplo, segue desconhecida do público a prestação de contas do Pan-americano de 2007, cuja devassa foi prometida pelo Tribunal de Contas da União para, no máximo, o meio do ano passado. Mesmo diante de todas as evidências de descalabro gerencial, ainda não há culpados, muito menos punidos pela histórica sangria que o esporte causou aos cofres públicos.

 

E o melhor: pelo critério das instalações esportivas da cidade, "Madri está à frente", disse Nawal El Moutawakel, marroquina que preside a comissão do COI. Nosso Pan foi em 2007 e já estamos defasados, portanto. Talvez pelo fato de só aqui ter-se construído um complexo aquático para 6 mil pessoas e se descoberto, um ano e meio depois, que a capacidade mínima em Olimpíadas é de 12 mil. Pequeno erro de cálculo – coisa de país formado por 75% de analfabetos funcionais, incapazes de ler e interpretar, somar e dividir, então, espero que compreendam. Tóquio, só para dar um exemplo, pretende utilizar grande parte das instalações até hoje conservadas da Olimpíada de 1964!

 

Quanto aos custos da Olimpíada, até pelo recente retrospecto, também podemos nos manter tranqüilos. O Ministério do Esporte, cujo orçamento de 2009 foi reduzido em cerca de 85% por conta da crise, já gastou a módica cifra de 50 milhões de reais em apenas seis consultorias, sendo cinco não licitadas e uma não esclarecida, conforme informou a Folha de S. Paulo. Só para efeito de comparação, não há nenhum esporte no país que receba algo ao menos próximo disso de fonte diretamente oficial.

 

Outro a nos tranqüilizar, o que por sinal tem sido sua especialidade, foi o presidente Lula, ao afirmar que o orçamento dos jogos deve ficar na casa dos 30 bilhões de reais. Levando em conta que o Pan foi orçado em 300 milhões e saiu para 4 bilhões, imaginem se nossa ineficácia de planejamento contábil mantiver o padrão?

 

O COB, por sua vez, mostra o quão amigo é do esporte: faz lobby na Câmara para evitar a obrigatoriedade de repassar 30% de seu orçamento (2% da arrecadação bruta de todas as loterias federais, graninha pouca) diretamente aos clubes. Pois é, aos clubes, justamente os que promovem a prática do esporte e revelam os atletas. A proposta de alteração na Lei Pelé, que versa sobre o assunto, já foi aprovada. Restou a Nuzman, presidente do COB, enfiar uma emenda junto. Difícil pensar por que o COB, uma entidade administrativa basicamente, precisa mais de dinheiro que as próprias entidades da prática esportiva.

 

De toda forma, para usar um termo muito em voga no Rio, cedo ou tarde haverá o choque, no caso, de realidade. "Defender um projeto virtual é meio complicado hoje em dia", disse Mercedes Coghen, também à Folha. É certo que a dirigente defende seu peixe, mas o fato é que Madri já tem uma estrutura infinitamente mais avançada para receber os jogos no ano que vem, fosse necessário.

 

"Tais negócios são uma obsessão para o governo e a prefeitura, que sempre estão em viagem buscando grandes investimentos. Enquanto isso, pau nos pobres aqui", disse a socióloga Vera Malaguti ao Correio da Cidadania, em entrevista recente. Pois é, pelo bem do esporte brasileiro, que venha logo o dia 2 de outubro, quando se decidirá, enfim, a sede dos jogos de 2016. Com Madri, Tóquio e Chicago na parada, creio que teremos de nos preocupar apenas com a farra da Copa de 2014, essa sim já inevitável.

 

Gabriel Brito é jornalista.

 

Recomendar
Última atualização em Sábado, 30 de Maio de 2009
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates