topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Aug   September 2016   Oct
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
252627282930 
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

A França no Brasil e o humanismo Imprimir E-mail
Escrito por Maria Clara Lucchetti Bingemer   
Terça, 05 de Maio de 2009
Recomendar

 

Sim, fui da geração que mamou a língua e a cultura francesas juntamente com o leite materno. Sim, estudei em colégio de freiras francesas, onde o ensino da língua, da cultura e da literatura francesas era obrigatório e muito exigente. Sim, meu coração se mexe com força quando ouço a Marseillaise. Sim, acho Paris a cidade mais bela do mundo, vista de qualquer ângulo. Todo o meu perfil e minha biografia dizem isto.

 

Mas será que dá para negar a afinidade com a beleza e o bom gosto que tudo que é francês tem? Não falemos da comida. Olhemos apenas a moda, a propaganda, o cinema, o teatro. Mais do que isso, olhemos a história, a cultura, as artes, a música, a literatura, o pensamento, a inteligência. Sem falar da beleza da língua, que parece música em si mesma. Shakespeare que me perdoe, mas não há nada comparável, em pureza e requinte, ao ritmo do verso alexandrino em uma tragédia de Racine. E muitos dos grandes filósofos alemães, com seu duro e complexo idioma, eram muito melhor compreendidos quando traduzidos ao francês.

 

E mais: voltemos nossos olhos para 1914. E mais ainda, para a década de 1940. Quem, deste lado do mundo, não se sentia francês até o último fio de cabelo ao acompanhar o heroísmo dos franceses diante dos exércitos do Kaiser? Ou quem não sentia como seus os feitos subterrâneos da Resistência, que sabotava inteligentemente a força bruta nazista? Quem não acompanhou com emoção o discurso do então ministro André Malraux, quando os restos do chefe da Resistência, Jean Moulin, chegaram a Paris para serem solenemente sepultados nos Invalides?

 

É possível ouvir Edith Piaf e sua voz despedaçando garganta e alma sem emocionar-se até as lágrimas? Independentemente de concordarmos ou não com as posturas do general de Gaulle, alguém negará que se tratava de um estadista e em várias ocasiões o Ocidente esteve pendente de seus lábios e de suas decisões? Quem não ficou perplexo com maio de 1968, reconhecendo que ali acontecia um giro decisivo na história da cultura?

 

Em termos religiosos e eclesiais, o mundo deve à Igreja da França alguns pioneirismos fundamentais. A experiência dos padres operários, que fizeram do submundo das usinas e das minas seus claustros e capelas, plantando de novo, em plena secularidade, o evangelho dos pobres; intelectuais que se tornaram verdadeiros fenômenos da graça eclodindo em meio ao agnosticismo e à náusea atéia, tais como o filósofo Jacques Maritain e sua mulher Raissa; o poeta e escritor Paul Claudel; a filósofa e mística Simone Weil.  

 

Filha mais velha e predileta da Igreja, a França produziu escritores do porte de Bernanos, Mauriac, Julien Green, que viriam mais tarde a influenciar fortemente o laicato brasileiro na figura gigantesca de um Alceu de Amoroso Lima.

 

Por tudo isso, é uma alegria celebrar o lançamento do Ano da França no Brasil. Cultura francesa e brasileira estiveram sempre próximas, trocaram abraços, fertilizaram-se mutuamente... Esse ano tem tudo para ser uma bela celebração. E tomara seja também uma aproximação das novas gerações - intoxicadas de uma anticultura pseudo-americana - com a fonte humanista que é possível ainda beber na cultura francesa.

 

Em meio à mediocridade reinante hoje em dia, sob o domínio do imperialismo das idéias fáceis, do idioma pobre e imposto através do computador, tomara que o Ano da França no Brasil nos recorde a beleza de refletir, aprofundar-se, e ler, ler muito. E fazer fila diante de museus, não de shoppings. E crer no ser humano e em sua capacidade de criar e produzir cultura, beleza, enlevo, profundidade... com sobriedade e bom gosto.

 

Maria Clara Lucchetti Bingemer é teóloga, professora e decana do Centro de Teologia e Ciências Humanas da PUC-RJ e autora de "Simone Weil - A força e a fraqueza do amor" (Ed. Rocco).

 

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates