Os aleijados às avessas

 

Guiado por uma de suas geniais intuições, Nietzsche escreveu sobre os aleijados às avessas. Aleijados que têm em demasia algum órgão do corpo.

 

Por exemplo, alguém que fosse uma orelha, uma grande e dominante orelha. Esse homem que fosse apêndice de sua própria e imensa orelha, esse homem ouviria demais, preocupado demais com o que se diz. Teria informações auditivas em excesso. Seria vítima de sua maravilhosa audição.

 

Um homem que não passasse de uma grande boca seria outro tipo de aleijado às avessas. Sua capacidade de abocanhar e mastigar lhe traria imensos sofrimentos. Boca por excelência, esse homem passaria o dia engolindo a tudo e a todos. Sua capacidade devoradora seria sua ruína. Pior do que a fome recorrente é o desejo insaciável, por mais que alguém possa consumir.

 

Outro aleijado às avessas: o homem-olho. Aquele olho observador, atentíssimo, absorvendo mais imagens do que a mente humana possa concatenar e compreender. Quanta dor essa visão abrangente ofereceria ao homem-olho! Quantos motivos de medo!

 

E o homem-nariz, então?! Quantos cheiros e aromas perseguiriam essa pobre criatura, "abençoada" pela tremenda capacidade de possuir, ou melhor, de ser nariz. E sendo nariz poderoso, tal homem padeceria horrivelmente. Porque seria, sobretudo, nariz, saberia que nenhuma flor é flor que se cheire, que todo perfume esconde fedor, que todo fedor prenuncia a dor.

 

Todos somos propensos a desenvolver algum tipo de deformação às avessas, hipertrofiando algo de nós, transformando-nos em seres superdotados em um único aspecto, limitados pelo fato de ultrapassarmos os limites.

 

Posso me tornar um homem-mão. E essa tamanha habilidade para pegar, fazer, manipular... será motivo diário para um cansaço indescritível.

 

Ou posso me tornar homem-pescoço, homem-joelho, homem-ventre, homem-ombro — e em todas essas situações, e em todas as demais possibilidades que nos ocorra imaginar, serei prisioneiro de uma melhoria localizada, de uma perfeição fragmentada, de um tudo que é nada.

 

O aleijado às avessas tem, na sua força, a sua fraqueza. Tem, na sua especial competência, a sua maior incompetência.

 

Podemos ir mais longe.

 

O homem-cartão-de-crédito, cujo poder de compra é sua infinita pobreza.

 

O homem-eloqüência, fadado a falar, falar, falar... e falir.

 

O homem-pontualidade... alvo fácil para a morte.

 

O homem-sorte, sem motivos para lutar, sem fracassos a superar.

 

O homem-texto, que escreve mais do que vive, e não adquiriu a sabedoria de colocar o ponto final.

Gabriel Perissé é doutor em Educação pela USP e escritor.

 

Website: http://www.perisse.com.br/

 

{moscomment}

Comentários   

0 #4 ParabensMaria Regina 29-04-2009 13:21
Gabriel,

um dia ouvi uma frase que desde então tem me ajudado muito. Ela fala do que voce falou, com muita propriedade em seu artigo. Parabens.

A frase é: "não exagere, isso lhe enfraquece"
Citar
0 #3 José Teixeira Lopes 21-04-2009 07:08
Aleijado é um termo muito preconceituoso e ultrapassado em relação às pessoas com deficiência física. Favor revisar sua terminologia, porque a idéia do texto é boa.

Um abraço
José Teixeira Lopes
Citar
0 #2 Aleijados?Itamar Rabelo 16-04-2009 13:30
Mestre Gabriel, saúde!
Algo me diz que somos todos, de certa forma, aleijados...
Um abraço!
Citar
0 #1 O SEGRÊDO ESTÁ NO EQUILÍBRIO!Osmir José do Nascimento 11-04-2009 07:39
O segrêdo estaria no equilíbrio! Evidentemente que, quando se dá escessiva prioridade a uma determinada atividade, a gente deixa as demais em segundo, terceiro, quarto... planos! Há que se ter um equilibrio! Nem tanto o mar nem tanto a terra. Se não, se morre de sêde ou afogado!
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados