topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
O projeto JK Imprimir E-mail
Escrito por Wladimir Pomar   
Quarta, 08 de Abril de 2009
Recomendar

 

Juscelino Kubitschek, ou JK, foi eleito em 1955, num contexto mundial de fortes tensões, decorrentes da descolonização da África e Ásia, e das disputas dos Estados Unidos e aliados com a União Soviética. Por outro lado, esse foi também um período de crises econômicas, levando muitas empresas norte-americanas, européias e japonesas a mudar seu antigo modelo de exploração dos países periféricos (importação de matérias primas e exportação de manufaturados) pelo modelo de investimento em plantas industriais nesses países.

 

No Brasil, esse foi ainda um período de forte mobilização social e política em torno da nacionalização das reservas naturais, em especial do petróleo, e de um projeto soberano de desenvolvimento nacional, que desembocou na crise política que levou Vargas ao suicídio, em 1954. Foi nesse ambiente que JK, com a promessa de ampliar os direitos democráticos e realizar, através de um Plano de Metas, um desenvolvimento de 50 anos em 5, conseguiu reunir em torno de sua candidatura uma frente política ampla, dos conservadores do PSD aos comunistas do PCB, e isolar os setores reacionários e golpistas da UDN.

 

Esse Plano de Metas abrangia empreendimentos em energia, indústrias de base, transportes, alimentos e educação. A construção de Brasília e da rodovia Belém-Brasília seriam os elos a puxar as demais cadeias industriais. Cético quanto à disposição da burguesia paulista em investir em outras regiões, JK tinha clareza das mudanças em curso nos investimentos capitalistas e do papel que o Estado poderia jogar.

 

Seu Plano de Metas teve, então, como suporte, a utilização de recursos externos, em investimentos diretos e em financiamentos, e a utilização de recursos internos, por meio da emissão de papel-moeda, canalizados para os projetos coordenados pelo Estado. Capitais estrangeiros, mesmo com maquinaria obsoleta, deram surgimento às indústrias automobilística (Volkswagen, Willis, Simca) e naval (Ishikawagima, Velrome).

 

O desenvolvimento dos 5 anos JK foi superior, em termos de capital acumulado, ao da Era Vargas. A atração da mão-de-obra para a indústria e para a construção de estradas, hidrelétricas e novas plantas manufatureiras deu partida a um forte processo de retirada de meeiros, parceiros e rendeiros das malhas do latifúndio, o que foi facilitado pela extensão da legislação trabalhista ao campo. Em certa medida, reduziu a dependência do país ao chamado modelo agroexportador.

 

Por outro lado (sempre há um outro lado), o desenvolvimento da era JK, como um típico desenvolvimento capitalista desigual e, ainda por cima, dependente das decisões dos capitais dos países centrais, incrementou as disparidades regionais entre o Sudeste e as demais regiões, em especial com o Nordeste, apesar da criação da SUDENE (Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste). E, além de uma inflação voraz, uma enorme dívida externa e déficits na balança de pagamentos do país legaram à sociedade brasileira um sistema rodoviário de transportes caro e irracional.

 

Assim, como no caso da Era Vargas, se há algo a aproveitar do período juscelinista, foi a decisão política de realizar o desenvolvimento utilizando o Estado e seus grupos executivos para empurrar a burguesia. No entanto, querer repetir o modelo JK é o mesmo que retornar a uma dependência da qual o Brasil não precisa mais.

 

Wladimir Pomar é analista político e escritor.

 

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates