Fome e exclusão social

 

A Constituição da República Federativa do Brasil diz que constituem seus objetivos, dentre outros, a erradicação da pobreza e a marginalização, com a redução das desigualdades sociais e regionais, com a promoção do bem de todos, sem quaisquer discriminações.

 

Diz, também, que é direito do trabalhador salário mínimo capaz de atender às suas necessidades básicas concernentes à alimentação, educação saúde etc.

 

Apesar disso, uma das grandes mazelas da sociedade brasileira reside exatamente na existência de um grande contingente de pessoas que não têm acesso à alimentação adequada, passando por sérias dificuldades, destruindo indelevelmente parte da população infantil que carregará para o resto da vida seqüelas deixadas pela fome, na primeira infância.

 

Cogita-se que cerca de trinta milhões de brasileiros vivem abaixo da linha da pobreza, correspondente à população da vizinha Argentina, verdadeira horda de marginalizados de quem se retirou a possibilidade de serem intitulados cidadãos.

 

A globalização estabeleceu parâmetros que nivelam tudo e todos. Assim, o alimento não pôde fugir a tal regra. Obviamente, o alimento é universal e geral. Diz respeito a todos e os americanos, como povo hegemônico, impuseram seu alimento básico: fast food, ou seja, alimento rápido e, por causa disso mesmo, pode-se comer em pé, misturando doce com salgado, sendo o ato de comer, entre eles, conduta que pode ser considerada profundamente individual.

 

Roberto da Matta ensina a diferença entre comida e alimento, ao dizer que alimento é tudo aquilo que pode ser ingerido para manter a pessoa viva, enquanto comida é tudo aquilo que se come com prazer, conforme as regras mais sagradas de comunhão.

 

Explica, ainda, que o alimento é como uma grande moldura, mas a comida é o quadro, aquilo que foi valorizado e escolhido entre os alimentos e que deve ser saboreado com os olhos e depois com a boca, o nariz, a boa companhia e, finalmente, o estômago.

 

No caso brasileiro, em face das agruras de grande parte da população, talvez seja necessário invocar-se o poema que deveria chegar aos ouvidos dos mandatários da nação, relembrando-os de que gente é para brilhar e não para morrer de fome.

 

Fome, principalmente de saúde, educação, transporte, segurança, emprego, enfim fome de cidadania.

 

Claudionor Mendonça dos Santos é Promotor de Justiça e membro do Ministério Público Democrático.

 

{moscomment}

Comentários   

0 #3 SÔNIA MARIA PACÍFICO 09-04-2009 19:05
Brilhante sua definição de fome.A amplitude dada aumenta ainda mais a quantidade de famintos deste paés.
Citar
0 #2 fome e exclusao socialtiago thorlby 09-04-2009 12:11
Claudionor:
Escreva, e sempre no "Correio" - precisamos sentir cada vez mais a presença do MP em nosso meio - presença que fiscaliza a lei ... presença que defende o direito ... a favor do Povo.
Eu nunca senti fome do tipo que leva a gente a vender o voto, nem o tipo que obriga a gente a trabalhar feito escravo nos canaviais, nem do tipo de vender o corpo...
Mas para se sujeitar a isso: só porque a fome é usada como ferramenta para dobrar o povo. Fome planejada, fome estruturizada, fome institucionalizada.
"Tudo o que sobra na minha mesa foi roubado dos Pobres". (Benedito, A Regra)
Citar
0 #1 Jose 09-04-2009 11:31
Parabéns,Claudionor pela colocação ,é pura verdade o que passa a maioria da população brasileira,resultado da grande desigualdade que há nesse país,onde 10% abarcanha 50%do PIB e outros 50% com o restante da população.
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados