Os nostálgicos da ditadura

0
0
0
s2sdefault

 

Ao ser substituído no posto, o até então chefe do Comando Militar do Leste, general Luiz Cesário da Silveira Filho, despediu-se com um discurso de exaltação ao golpe de 64. O ato de força que derrubou o presidente Jango foi saudado como um "memorável acontecimento". Na presença do comandante geral do Exército e do seu substituto no posto, o general se valeu de Garrastazu Médici para recolocar o que chamou de "página consagradora" nos "umbrais da glória".

 

A efeméride foi noticiada, no último dia 12, pela "Folha de S. Paulo", que lhe dedicou um quarto de página. Por suposto, não se trata de fato isolado ou raio em céu azul. O cidadão que acompanha com regularidade o noticiário tem observado, com preocupação, o aparecimento cada vez mais frequente de manifestações que expressam, para dizer o menos, certa nostalgia da ditadura militar. Aquela "página infeliz da nossa história", da qual depois de tanta luta conseguimos nos livrar, alguns agora querem desvirar.

 

Não faz muito, o jornal "O Globo" publicou uma série de matérias para mostrar que a OAB, a ABI e a igreja católica apoiaram a ditadura nos seus momentos iniciais. Claro que, em certo período, tal fato ocorreu e, mais, os setores conservadores de tais instituições apoiaram a ditadura até o fim. Uma mancha que não invalida a verdade maior e fato histórico indiscutível: a CNBB, a ABI e a OAB foram pontos luminosos na luta da resistência democrática. A escolha de um período e não de outro, por certo, não foi casual. Assim como não foi casual a introdução do neologismo "ditabranda" no repudiado editorial da "Folha de S. Paulo". Os dois maiores jornais brasileiros, que cresceram como conglomerados de negócios sob o manto protetor do autoritarismo, não por acaso definem como adequado para o atual momento político o mesmo objetivo: lavar a imagem da ditadura.

 

A linha editorial dos jornalões trabalha, todo santo dia, e com a competência de sempre, a rearticulação do pensamento autoritário e a defesa dos interesses conservadores. Se o governo despeja bilhões para o capitalista encalacrado na roleta do cassino financeiro, não dá outra: será elogiado pelo bom uso da racionalidade econômica. Se a Justiça do Trabalho, pressionada pela mobilização sindical, susta demissões imotivadas, como foi o caso da Embraer, isso não pode, é "delírio ideológico". Vejam, para exemplo, este trecho de editorial (Globo, 10/03): "o termo ‘criminalização dos movimentos sociais’ passa a ter um outro significado. Não mais de defesa destes movimentos, supostamente criminalizados por agentes públicos, mas para designar a utilização dessas organizações com finalidades criminosas". Logo, porrada neles.

 

A questão social, como na República Velha, volta a ser tratada como caso de polícia. Entre as causas de tal procedimento, sem dúvida, está o agravamento da crise econômica. A chamada "direita social", os setores que dominam a economia e mandam nos governos, sabe onde lhe aperta o calo. Sabe que a crise, além de profunda e duradora, se destina a mexer fundo na dinâmica dos conflitos sociais. Os beneficiários da ordem injusta não brincam em serviço quando se trata de conservar os seus privilégios. Quem fala em "ditabranda" quer, de imediato, "democradura". Quem fala em "choque de ordem", com o teor da criminalização dos pobres e dos movimentos sociais, prepara a "ordem de choque". Barbas de molho, todo cuidado é pouco com os nostálgicos da ditadura.

 

Léo Lince é sociólogo.

 

{moscomment}

Comentários   

0 #3 Dengosos da DitaduraFabio Morgado 07-04-2009 13:58
Não vivi a ditadura mas já vi o suficiente para imaginar o horror que ele causou e foi.
Gostaria que fosse divulgado os nomes das pessoas envolvidas e que se beneficiaram e/ou apoiaram a ditadura. Pode ser que alguns deles estejam aí, no poder. Como um vírus da dengue, esperando que "chova" para poderem se proliferar...
Citar
0 #2 Cuidado mesmo!Alexandra do Nascimento 06-04-2009 12:28
Quero apenas elogiar o artigo e destacar a frase final, pois ela é um alerta muito importante. Os nostálgicos da ditadura inspiram cuidados sim, pois acreditar na força (principalmente contra movimentos sociais)para "organizar" a sociedade, é uma grande ameaças às liberdades!
Citar
0 #1 ditadura e democraduraclaudio antonio ramalho de oli 29-03-2009 16:06
sinto falta da ditadura pois foi o unico governo que reispeitou os direitos do trabalhador esta democracia que vivemos nao fas diferença da ditadura só que a ditadura usava a força para oprimir e a democracia usa o dinheiro
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados