Poesia atrasada

0
0
0
s2sdefault

 

Em 14 de março algumas pessoas comemoraram o Dia Nacional da Poesia. Para mim, dia de jejum e abstinência. Não festejei com um verso sequer, com uma rima sequer. Fiz o mais silencioso silêncio, dediquei minhas melhores horas a estudar a nova ortografia, fingi que não sabia de nada.

 

A poesia é um atraso. Poetas sofrem demais. Amam demais. Vêem demais. E depois ficam sonhando com empregos públicos, ou com a possibilidade de darem aulas em faculdade, ou, pior, com a justa remuneração por suas metáforas e aliterações.

 

Eu já quis ser poeta. Era um adolescente. Passou. Virei a página sem derramar uma lágrima. Esqueci. Abandonei essa veleidade. Por certo tempo um desejo envergonhado ainda permaneceu guardado por aqui, nas entranhas. Desapareceu definitivamente quando comecei a pagar contas de luz, telefone, aluguel, seguro de vida, faturas e outras loucuras.

 

Não convém atrasar o pagamento das contas. As multas, as cartas ameaçadoras, os telefonemas constrangedores recomendam o esforço da pontualidade. Poesia eu posso atrasar à vontade. Nenhuma daquelas antigas musas virá correndo, apavorada, lembrando que chegou o dia. A poesia, por definição, está vencida. Ninguém será punido se não pagar o tributo do verso aos deuses insaciáveis.

 

Morrerão de fome os deuses, se dependerem de um soneto meu, de um dístico, de qualquer coisa que cheire a poesia. Os editores que ainda ousam publicar poesia morrerão de fome também. Que aguardem para nunca mais o meu livro de poemas.

 

Poesia que se preza é poesia atrasada, póstuma, relegada, vítima da sociedade de consumo, da globalização, da corrupção crônica, da excomunhão compulsória, dos juros, das xenofobias, dos preconceitos mais bizarros.

 

Ninguém pede poesia a ninguém. Exceto os que fazem agendas para ganhar dinheiro com a emoção alheia. A poesia está atrasada. Quando chegou, a festa já havia acabado. Quando chegou, não havia ninguém esperando coisa alguma. Poesia vive atrasada porque não anda em dia.

 

Nem no seu dia nacional a poesia veio. Onde está a poesia? — ninguém perguntou. A poesia passou a noite em claro, procurando motivos para dormir, acordar cedo, sair para o trabalho, alcançar metas de produtividade, mostrar sua preocupação com a ecologia, com os excluídos.

 

Mas não será ela mesma uma excluída? E por opção? Mendiga que se recusa a ser recolhida, reintegrada, recuperada, readaptada?

 

O poeta espera a poesia chegar. E ela sempre, sempre belamente atrasada.

 

Gabriel Perissé é doutor em Educação pela USP e escritor. Web Site: http://www.perisse.com.br/

 

{moscomment}

Comentários   

0 #4 OASIS - Walter Pereira de FariasLEONEL BRIZOLA PEREIRA DE FARI 26-05-2009 08:30
Nem o fato
nem de fato
o mais nobre ato
nem quem ta por cima
escapa da ponta da espada
O dia morre
A agonia toma pe
Agarra a mao e divorcia-se
do instinto
Dar-se em circuito
Eletrifica o estado
O capital pendura
O calafeto
toma um cha de fe
e enfrenta a dialetica
A mente informal composta
vem do alem a resposta
O imortal arrasa
A casa desaba
O escritorio angustia
A morte aproxima-se
e o fim da reta
O poeta agarra-se a meta
Cai da mao a caneta
Citar
0 #3 POESIA ATRASADAERNANDES BOLSANELLO 27-03-2009 07:25
Caro Gabriel Perissé

Seus textos têm beleza poética.
Duvido que você deixaria os deuses morrerem de fome, se dependessem de um soneto seu.
Fernando Pessoa está certo: "O poeta é um fingidor".
Citar
0 #2 Poesia, que nada!venceslau alves de souza 23-03-2009 09:55
Para que poesia se podemos fazer dor! Não é esta mais divertida e prazerosa no tipo de sociedade que edificamos?
Citar
0 #1 poesia atrasadaitamar rabelo 19-03-2009 13:59
Meu amigo Gabriel, como vais?
Sabes duma cousa, a poesia não sumiu. Os poetas é que se escondem, com medo de perderem seus preciosos empregos, que lhes garante a sobrevivência. U abraço!
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados