topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
A terra é do homem trabalhador Imprimir E-mail
Escrito por Claudionor Mendonça dos Santos   
Segunda, 16 de Março de 2009
Recomendar

 

Determina a Constituição Federal que a propriedade deve atender a uma função social (art. 5º, inc. XXIII), ou seja, tal função é aquela explicitamente definida, no sentido de que deve ser racional e deve favorecer o bem estar dos proprietários e dos trabalhadores (art. 186, incisos I e IV, da CF).

 

Obviamente, a propriedade desprovida de tais características não corresponde à propriedade constitucionalmente garantida, o que deveria ensejar a desapropriação (art. 5º, inc. XXIV, da CF).

 

Breve análise do texto constitucional conclui, de forma indiscutível, que o latifúndio improdutivo, proximidade onde vivem trabalhadores rurais em indignas condições sociais, não supre as exigências estabelecidas no texto constitucional. Apesar de todo o contexto social privilegiado buscar proteção legal, é de extrema crueldade a situação que parcela da sociedade, chamada de excluída, enfrenta no dia-a-dia, especialmente diante da meta buscada por setores da elite que, a qualquer custo, buscam a criminalização do movimento social que a duras penas procura transformar o texto constitucional em realidade, retirando-o da ficção.

 

Nesse aspecto, o fundamento da dignidade humana, o objetivo fundamental da República Federativa do Brasil no sentido de erradicar a pobreza e a marginalização, reduzindo as desigualdades sociais e o princípio da solução pacífica dos conflitos, constituir-se-ia, no Brasil, em mero enunciado não fosse a atitude corajosa de grupos sociais absolutamente excluídos e que, apesar disso, não esmorecem, não se acovardam e buscam, com muito esforço, cercados de desconfianças e reprimidos por setores estatais, muitas vezes a serviço do poderio econômico, fazer valer os preceitos constitucionais.

 

O esforço de setores estatais, sempre alheios às agruras por que passam setores da sociedade, somente lembrados em períodos eleitorais, buscando a criminalização de movimentos tipicamente sociais, merece total repúdio. Em período recente, tais setores, diante dos atos lesivos cometidos por usurpadores do poder popular, acovardaram-se. Criminosamente, calaram-se. Deixaram a sociedade à mercê dos desmandos e desvarios de verdadeiros criminosos.

 

Agora, assanham-se e mostram suas garras, ensaiando ares de atrasada repressão, totalmente desvinculados dos anseios da camada mais sofrida da sociedade brasileira que, ao contrário do que se afirma, não é – jamais o foi - contrária ao direito de propriedade. Ao contrário, também querem ser proprietários, não de grandes extensões de terra para engorda de boi para comércio, servindo de pasto. Basta pequena porção que lhes assegure o sustento digno, para que se fixem em seu torrão e não se vejam obrigados a inchar as favelas ou os cortiços das grandes cidades, tangidos, muitas vezes, para a vida criminosa, à falta de alternativas, assustando a camada privilegiada que se vê aprisionada por muros e cercas eletrificadas.

 

Afinal, há várias décadas, o compositor engajado já cantava as dores dos excluídos afirmando que, assim mal dividido esse mundo anda errado, que a terra é do homem, não é de Deus, nem do Diabo.

 

Outro já manifestava desassossego e inconformismo, ao dizer que, embora a terra fosse do dono e ali ninguém pode mandar, se o trabalhador não pegar na enxadada, não tem ninguém para plantar.

 

Ora, segundo dados oficiais, 55 mil imóveis rurais classificados como grandes propriedades rurais improdutivas detêm 120 milhões de hectares que deveriam, por lei, ser desapropriados. Há, ainda, 6.847 fazendeiros que possuem fazendas acima de 5.000 hectares cada uma, totalizando 56 milhões de hectares, terras que permitiriam assentar 3 milhões de famílias.

 

É hora de plantar.

 

Claudionor Mendonça dos Santos é Promotor de Justiça e membro do Ministério Público Democrático.

 

Recomendar
Última atualização em Qui, 19 de Março de 2009
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates