"Ditabranda": a Folha admite que errou... E reincide!

0
0
0
s2sdefault

 

O diretor de redação da Folha de S. Paulo, Otavio Frias Filho, deu a mão à palmatória, diante da rejeição unânime dos conceitos do seu jornal por parte dos melhores cidadãos: "O uso da expressão 'ditabranda' em editorial de 17 de fevereiro passado foi um erro. O termo tem uma conotação leviana que não se presta à gravidade do assunto. Todas as ditaduras são igualmente abomináveis".

 

Esta foi a autocrítica arrancada de um jornal arrogante, que dificilmente concede direito pleno de resposta e de apresentação do outro lado aos atingidos por sua desinformação premeditada ou involuntária. A maior mobilização da coletividade contra as falácias da mídia nos últimos anos não foi em vão. Estabeleceu um novo marco na luta da cidadania por seus direitos.

 

Depois de abrir mão do mais aberrante, Frias Filho ainda tentou, tergiversando, preservar o fulcro da tese do seu editorialista: "Do ponto de vista histórico, porém, é um fato que a ditadura militar brasileira, com toda a sua truculência, foi menos repressiva que as congêneres argentina, uruguaia e chilena - ou que a ditadura cubana, de esquerda".

 

O  fato  é que, sendo todas as ditaduras igualmente abomináveis, o empenho em estabelecer graduações na intensidade da repressão denuncia consciência culpada e o propósito de atenuar a truculência de uma delas. Para uma empresa cujo colaboracionismo com a ditadura militar já é fato plenamente estabelecido, equivale a uma distorção da verdade histórica em causa própria.

 

Ditaduras não são mais ou menos repressivas. Para manter o poder que usurparam, recorrem à força bruta, tanta quanto necessária - e, às vezes, além da necessária, como foi o caso da nada branda ditadura brasileira ao dizimar os militantes da luta armada a partir de 1971, quando já estavam inapelavelmente derrotados.

 

Prisioneiros rendidos, torturados, executados e que não tiveram sequer sepultamento cristão, pois os restos mortais foram escondidos como as provas de crimes costumam ser. E alguém ousa, ainda hoje, colocar panos quentes sobre atos tão hediondos! Quem é o cínico, afinal?

 

Também não havia motivo nenhum para tocar neste assunto doloroso se o objetivo do editorial era apenas o de atacar e denegrir Hugo Chávez, minimizando a vitória que obteve em plebiscito. Foi uma ‘forçação’ de barra por parte de quem está empenhado em mistificar e confundir as novas gerações.

 

A Folha e seus pistoleiros, digo articulistas, de aluguel omite tendenciosamente que a resistência aos golpes e ao terrorismo de estado foi muito maior na Argentina, Uruguai e Chile, países com mais tradição de lutas populares, daí a violência e os banhos de sangue a que os tiranos tiveram de recorrer para não serem derrubados.

 

Se no Brasil o poder foi usurpado facilmente pelos militares, ao contrário do Chile, em que tiveram até de bombardear o Palácio do Governo; se no Brasil o mesmo golpe resultou num totalitarismo contínuo de 21 anos sob o controle das Forças Armadas, ao contrário da Argentina, em que tiranos desalojaram tiranos para fincar nova tirania, ENTÃO UMA REPRESSÃO QUE TIROU A VIDA DE 400 A 500 RESISTENTES E TORTUROU DEZENAS DE MILHARES DE BRASILEIROS FOI, ISTO SIM, EXAGERADA!

 

A comparação correta seria com a ditadura de Getúlio Vargas, por exemplo. Mas os reacionários e as viúvas da ditadura não a fazem porque lhes seria amplamente desfavorável. Omitem que, pelos padrões brasileiros, foi o período mais escabroso em cinco séculos de História.

 

Finalmente, a desculpa esfarrapada de Frias Filho para o ataque aos professores Fábio Konder Comparato e Maria Vitória Benevides foi a seguinte: "A nota publicada juntamente com as mensagens dos professores Comparato e Benevides na edição de 20 de fevereiro reagiu com rispidez a uma imprecação ríspida: que os responsáveis pelo editorial fossem forçados, 'de joelhos', a uma autocrítica em praça pública. Para se arvorar em tutores do comportamento democrático alheio, falta a esses democratas de fachada mostrar que repudiam, com o mesmo furor inquisitorial, os métodos das ditaduras de esquerda com as quais simpatizam."

 

Nada a acrescentar ao que eu afirmei logo no primeiro momento: "Quanto a Comparato e Benevides, o que faltou (...) foi (...) base para a acusação contra eles assacada. Nenhum brasileiro pode ser taxado de cínico e mentiroso por defender os direitos humanos em seu próprio país e não se manifestar a respeito do que acontece em outros países, a menos que participe ou tenha participado de entidades cuja missão seja exercer a vigilância em âmbito internacional. "Então, ao misturar alhos com bugalhos, a Folha (...) cometeu os crimes de difamação e calúnia. É disto que teria de se retratar".

 

Não o fez nem o fará, a menos que sob vara dos tribunais. Mas, a mobilização dos humilhados e ofendidos - nós - já a obrigou a entregar os anéis para tentar salvar os dedos. Da próxima vez será pior, garantimos.

 

O alerta está dado.

 

Celso Lungaretti é jornalista, escritor e ex-preso político. Mantém os blogs http://celsolungaretti-orebate.blogspot.com/ e http://naufrago-da-utopia.blogspot.com/

 

{moscomment}

Comentários   

0 #1 Celso LungarettiRaymundo Araujo Filho 13-03-2009 11:09
Celso Lungaretti tem o insofismável mérito de ter se dedicado como poucos à campanha pró Cesare Battisti e quanto esta diatribe proto fascista dA Folha de São Paulo.

É generoso em achar que devemos taticamente estarmos aliados em batalhas pontuais com representantes do Lullo Petismo entreguista (cês precisam ler seus artigos sobre a Anistia Brasileira).

A mesma generosidade que muitos da esquerda brasileira não tiveram com ele, o acusando de delator, por 30 anos. A verdade veio comprovada e documentalmente à tona por um achado em um depoimento de um Policial que corroborava a verdade que Celso Lungaretto dizia, desacreditado dos Revolucionários (hoje, quase todos Lullo Petistas).

Foi um Policial da repressão que, inadvertidamente livrou Lungaretti da eterna pecha ede Caguete (alcagute, delator de companheiros). E não, como deveria ter acontecido, a própria esquerda, investigando os mfatosm, sem rivalidades mesquinhas.

tê-lo como interlucutore é um prêmio para mim, mesmo quando discordamos.
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados