topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Ensino Público: Enlouquecemos? Imprimir E-mail
Escrito por Venceslau Alves de Souza   
Terça, 03 de Março de 2009
Recomendar

 

Engana-se o leitor que imagina que um doutoramento em Sociologia em uma das mais reputadas instituições de ensino do país deva mais que qualificar o professor a lecionar esta disciplina na Rede Pública de Ensino do estado de São Paulo. Ilude-se também se imagina que uma larga experiência internacional tem algum peso nos critérios classificatórios dessa Instituição na seleção de seu quadro. Soa ridículo, mas é verdade, não qualificam! O irônico é ouvir as autoridades repetindo em coro que é necessário melhorar a qualidade do ensino, investir na formação do professor e tantas outras obviedades que soam como demagogia até para os mais leigos.

 

Um amigo me conta que, ao tentar retornar à Escola Pública como professor de Sociologia, depois de quinze anos ausente da sala de aula e cheio de idéias novas para discutir com os alunos, a Secretaria de Educação paulistana lhe informou que, embora tivesse mestrado e doutorado em Sociologia, (e esteja no pós-doutorado em História Social), não poderia lecionar essa disciplina na Rede Pública. Ele é graduado em História, o que causaria o impedimento.

 

Confesso que fiquei boquiaberto, muito menos por sua larga formação acadêmica, e muito mais por sua extraordinária experiência de vida, que não é levada em consideração pela Instituição.

 

Estamos falando de alguém que visitou diversos guetos da América do Norte e do Sul nos últimos quinze anos, verificando de perto o que pode melhorar, de fato e de direito, a vida das pessoas, conforme sugere o extraordinário educador Tião Rocha. Em sua diáspora, pôde ler de perto o histórico de opressão e humilhação por que passam as pessoas mais simples destas regiões e que as têm transformado em cidadãos de segunda classe. Percebeu que a ausência de ideologia fundada na igualdade de oportunidades e condições acarretou a falta também de uma política inclusiva e distintiva dos pobres no processo criativo, tornando mais intrincado o enredo de sua história. Assombrado com o que viu, tornou-se acadêmico e, enquanto muitos de seus colegas permaneceram repetindo o mesmo blá, blá, blá nas salas de aula, estudou com profundidade a realidade brasileira, comparando-a à de outros países, palestrando em lugares distantes e fazendo jus à nota 10, com louvor e distinção, na defesa de suas teses.

 

Ele que já tinha sido concursado no ensino público, lecionando também no ensino privado, abandonara a carreira por entender que, com aquela escolarização que era fornecida aos alunos, de forma alguma, construiríamos uma sociedade mais fraterna e justa, que deve ser a lógica da educação de uma sociedade. Depois de convencido de que a mudança teria de vir da base da sociedade, das indiscutíveis potencialidades juvenis, decidiu retornar às salas de aula. Daí que lhe disseram que não se qualificava para o posto de professor da Rede Pública de Ensino do estado de São Paulo, deixando-nos uma pergunta em aberto: enlouquecemos?

 

Em defesa do meu amigo, do bom senso e da boa educação brasileira, garanto que a excelente idéia do governo de retornar a Sociologia às salas de aulas, um lugar de onde ela nunca deveria ter se ausentado, tem sido acompanhada pela mesma lógica ruinosa que confunde educação com escolarização e impede o país de avançar mais rapidamente rumo a uma democracia de melhor qualidade.

 

A educação preza pela construção de gente, que se importe com seus pares, enquanto a escolarização precisa de técnicos e máquinas frias. Fomos envolvidos pelas artimanhas do mercado de tal maneira que já não conseguimos enxergar certos absurdos, e resgatar a educação das mãos do mercado simplesmente não nos passa pela cabeça. Mais vale o indivíduo que "prova" seu valor de mercado do que aquele que busca a mudança social. Meu amigo não está interessado em provar seu valor de mercado, mas em estimular a crítica e a reflexão, sublimando a essência da política. Por isso não serve.

 

Não é por outra razão que nos aborrecemos com as políticas afirmativas e não entendemos por que é dever do dinheiro público financiar a arte e a poesia. A escolarização nos ensina a nos irritarmos com o ‘peso abusivo dos impostos’ e nos impede de perceber que muito disso não tem outro fundamento que não a reinserção dos indivíduos no mercado, e a retroalimentação do sistema. Revelamos, assim, falta de discernimento, e não era exatamente esta a proposta da educação.

 

Ter sociólogos com tamanha experiência empírica deveria ser privilégio de nossa sociedade. Mas, no Brasil, eles não servem. Na lógica do mercado brasileiro, somente prestam aqueles que têm uma utilidade prática segundo a ótica deste mesmo mercado! É preciso escolarizar, e é nisso que nos querem fazer acreditar.

 

A hegemonia da escolarização mercantil sobre a educação deve muito à própria Secretaria de Educação, daí porque ela não quer ver para além do que seus olhos querem enxergar. Pensar a Sociologia como pedra angular na reversão desse quadro terrível em que o mercado nos colocou não lhe parece, de fato, interessante. O paradigma é ele: o Deus mercado!

 

Venceslau Alves de Souza é professor de Comunicação Social na PUC-SP e pesquisador do NEAMP – Núcleo de Estudos de Arte, Mídia e Política.

 

Recomendar
Última atualização em Quarta, 04 de Março de 2009
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates