topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Israel no mau caminho Imprimir E-mail
Escrito por Luiz Eça   
Sexta, 20 de Fevereiro de 2009
Recomendar

 

Na verdade, o resultado das eleições não alterou o caminho que Israel vem seguindo. Apenas deixou-o mais explícito. A ultra-extrema-direita vitoriosa tem os mesmos objetivos dos últimos governos, só que não os camufla com falsas declarações favoráveis a um acordo de paz e à independência da Palestina.

 

Desde a criação de Israel, a grande preocupação da população do país tem sido com a segurança, que seria ameaçada pelos seus vizinhos, inconformados com a expulsão manu militari dos primitivos habitantes árabes da Palestina. O modo escolhido para garanti-la foi manter forças armadas muito superiores às dos inimigos, prontas para esmagar qualquer ataque, limitado que fosse, gerando terror e desestimulando futuras ações hostis.

 

Assim, contando com a decisiva colaboração dos Estados Unidos, o exército israelense travou 4 guerras vitoriosas contra os países árabes, entre 1948 e 1973. Depois dessa última, o Egito, o mais forte deles, passou para o lado americano e fez as pazes com Israel, inclusive estabelecendo completas relações diplomáticas. Os demais países do bloco antijudaico eram militarmente fracos e não tinham condições de empreender novas guerras. Quem continuou lutando foi a OLP (Organização pela Libertação da Palestina), entidade que unia movimentos islâmicos de diversas linhas de atuação: desde ataques a objetivos militares até ações terroristas.

 

De acordo com sua política agressiva, Israel reprimiu duramente todas as ações rotuladas como ameaças à segurança nacional. Chegou a invadir e a ocupar o Líbano – onde viviam em favelões a maioria dos palestinos desalojados – em 1978 e 1982, devastando o país e fazendo milhares de prisioneiros e vítimas civis. Somente na invasão de 1982 foram mortos 20.000 civis palestinos e libaneses.

 

Mais recentemente, em 1993, por pressão da opinião pública mundial, o governo de Tel Aviv concordou em assinar os acordos de Oslo, nos quais, pela primeira vez, admitia a criação de uma Palestina árabe independente, cujos limites seriam definidos posteriormente com base na resolução da ONU, que mandava Israel sair dos territórios ocupados na guerra de 1967 e voltar às fronteiras anteriores. Também em Oslo, parte da Cisjordânia ganhou "autonomia administrativa" (em certas questões), passando a ser gerida pela chamada "Autoridade Palestina".

 

De Oslo para cá, houve muitas tentativas de negociação, todas elas rompidas por atentados terroristas dos movimentos árabes mais radicais – impacientes com a lentidão das negociações - ou, na maioria dos casos, pelas próprias forças armadas de Israel. De acordo com sua doutrina de "assassinatos seletivos", elas se arrogaram o direito de matar, especialmente via mísseis lançados por aviões, aqueles que sua espionagem acusasse de terrorismo. Sem direito de defesa ou julgamento, uma aberração nos tempos de hoje, centenas dessas pessoas foram assim executadas. E, o que é mais grave, os vizinhos e transeuntes próximos dos alvos acabaram também assassinatos sem culpa alguma.

 

E Israel seguiu promovendo novas invasões. Primeiro da Cisjordânia, desrespeitando a "Autoridade Palestina", cujos edifícios públicos (inclusive a polícia) e equipamentos de infra-estrutura foram alvos preferenciais dos mísseis e bombas dos judeus. Devido a conflitos com o Hizbollah na fronteira do Líbano, seu exército e força aérea lançaram-se contra o país, danificando pesadamente sua infra-estrutura, reduzindo a escombros aldeias inteiras e matando cerca de 1.000 pessoas, quase todas civis. Mais recentemente, fizeram o mesmo em Gaza, agora com requintes de barbaridade tipo Gengis Khan. Bombardearam escolas, hospitais, depósitos de alimentos, instalações da ONU e prédios repletos de famílias de refugiados, sob o pretexto de enfraquecer o insubmisso Hamas.

 

Na verdade, Israel nunca aceitou a idéia de um país palestino livre. Pelo contrário: procurou sempre dificultar sua viabilização, permitindo e mesmo estimulando a fundação de novos assentamentos judaicos, contra proibições da ONU e compromissos firmados internacionalmente.

 

Hoje, 60 anos depois da fundação de Israel, a política de garantir segurança pelo uso da força bruta fracassou. Os judeus estão conscientes de que, a qualquer momento, o Hamas voltará a lançar foguetes e os movimentos islâmicos mais exaltados lançarão atentados terroristas. O Hizbollah, na fronteira do Líbano, continua forte e pronto a novas incursões guerrilheiras. Na área internacional, Israel perdeu um importantíssimo aliado, a Turquia, que condenou veementemente o massacre de Gaza, tendo o primeiro-ministro Erdogan brigado em pleno plenário de Davos com Shimon Peres, presidente de Israel. Some-se a isso a progressiva deterioração da imagem de Israel, hoje visto universalmente como país que não respeita o Direito Internacional e não tem escrúpulos em praticar ações desumanas e brutais contra populações civis.

 

Apesar disso tudo, Israel continua no "mau caminho". Acaba de eleger o parlamento mais direitista e agressivo de sua história. Basta dizer que todos os deputados pacifistas eleitos (árabes, esquerdistas e liberais) somaram apenas 8% dos votos.

 

A postura alienante do eleitorado, favorável a uma política de força provadamente errada, pode ser creditada à manipulação da opinião pública pelo "partido da guerra", formado pelas forças armadas, a indústria de armas e certos grupos políticos religiosos, tendo como porta-vozes líderes políticos de direita.

 

Com sua imagem fortalecida pelos triunfos nas guerras dos primeiros 25 anos do país, os militares conseguiram posição hegemônica na política israelense – haja vista o grande número deles que já foram primeiros-ministros: Rabin, Barak, Netanyahu, Sharon e Begin, sem contar os muitos que exerceram e exercem altos cargos na administração. Eles são estreitamente ligados à indústria de armas, cujos lucros sobem nesse clima de estado de guerra permanente. Frise-se que os interesses econômicos envolvidos não são de desprezar, pois Israel é hoje o quarto maior exportador de armas do mundo, constituindo-se a indústria do setor num poderoso grupo de pressão. A terceira força que integra o partido da guerra é o rabinato político. Adeptos da vinculação do Estado a conceitos pretensamente religiosos, eles podem ser comparados aos mais furiosos e reacionários membros do clero radical islâmico.

 

As citações abaixo falam por si: "Há uma proibição bíblica de entregar um único milímetro da terra de Israel (Palestina) aos gentios" (livros do rabino Shlomo Aviner); "Quando você mostra compaixão por um cruel inimigo, você está sendo cruel para os soldados puros e honestos" (citação do rabino Avinet, em publicação do alto rabinato do exército de Israel distribuída aos soldados em Gaza); "Soldados de Israel: poupem suas vidas e as de seus amigos, não se preocupando com uma população (palestinos) que nos cerca e fere" (alunos do rabi Yitzhak Ginsburg, autor de artigo enaltecendo Baruch Goldstein, assassino de árabes desarmados em Hebron).

 

Além dos grupos de pressão claramente comprometidos com a "política de força", existem em Israel intelectuais de renome, jornalistas, estudantes e políticos que defendem caminhos diferentes. Eles acreditam que agora é um bom momento para procurar um entendimento com os palestinos, inclusive o Hamas. Afinal, esse movimento ganhou as últimas eleições democraticamente, é seu representante legítimo.

 

Evidentemente, os problemas são difíceis de serem superados. O que fazer com os assentamentos na Palestina, onde vivem 400 mil judeus? Como atender aos 700 mil refugiados palestinos? E Jerusalém, poderá ser dividida entre os dois países?

 

Esses temas são os mesmos que vêm sendo discutidos sem êxito, desde os acordos de Oslo. Agora poderá ser diferente, desde que os judeus renunciem aos "assassinatos coletivos" e a novos assentamentos. E os árabes aos atentados e ao lançamento de foguetes. Com Obama, os Estados Unidos poderão ser mediadores imparciais, inclusive, exercendo pressões que eventualmente sejam necessárias, sobre ambos os lados.

 

Mas a perspectiva atual é sombria. Com a ultra-extrema-direita no poder, acabaram-se os subterfúgios. Netanyahu já afirmou que não existe problema da Palestina. Ele nem pensa em retirar-se da Cisjordânia ou acabar com um único assentamento. Quanto ao Hamas, voltando a lançar foguetes, será atacado com toda energia, até sua destruição final. Custe o que custar. Ao povo palestino, é claro.

 

Para Netanyahu, problema mesmo é o Irã. A possibilidade de Teerã vir a ter uma bomba atômica seria inaceitável. O país dos aiatolás passou a ser um fantasma a ser exorcizado a ferro e fogo, especialmente depois que o populista Ahmadinejad ameaçou varrer Israel do mapa. Não importa ele ter esclarecido que falara figuradamente; que o Irã não pretendia atacar Israel, cujo regime racista afundaria por si só.

 

Pela doutrina militarista israelense, a segurança do país fica ameaçada pela simples existência de um inimigo poderoso. No caso presente, o programa nuclear militar dos iranianos não é fato comprovado, mas ainda que o fosse eles contariam com uma ou duas bombas atômicas somente daqui a alguns anos. Mesmo trabalhando a toda, nunca teriam o suficiente para enfrentar as 200 bombas de Israel, somadas às milhares do seu protetor e fiel aliado, Estados Unidos.

 

A "ameaça atômica" de Teerã não passa de mais um pretexto para manter Israel militarizado, com apoio do povo - temente por sua segurança. E a indústria bélica faturando horrores.

 

Como se sabe, o soi disant centrista Olmert pediu licença a Bush para bombardear o Irã. Bush negou, para evitar o envolvimento americano em uma aventura guerreira com potencial de muitas mortes de "our boys" e prejuízos à combalida imagem dos republicanos. Olmert obedeceu. Será que o agressivo Netanyahu fará por menos?

 

Luiz Eça é jornalista.

 

Recomendar
Última atualização em Sexta, 20 de Fevereiro de 2009
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates