topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Aug   September 2016   Oct
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
252627282930 
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
O PMDB e o Padrão de Política Imprimir E-mail
Escrito por Léo Lince   
Quarta, 18 de Fevereiro de 2009
Recomendar

 

A entrevista do senador Jarbas Vasconcelos na revista Veja, sem a menor sombra de dúvida, foi a bomba da semana. Ainda não se sabe, vai depender do desdobrar dos acontecimentos, qual será o potencial de abalo do petardo. Tanto pode, como aconteceu naquela célebre entrevista do Pedro Collor, ser o sinal de alerta para o combate geral à corrupção que mina os pilares da República ou, pelo contrário, esgotar-se em si mesma, como o clarão fugaz dos fogos de artifício.

 

A importância do chamado "desabafo" do senador, que tem o mérito de estimular o debate sobre uma questão crucial da política brasileira contemporânea, está menos no que foi dito e mais no ponto a partir do qual se origina a denúncia. Dizer que o PMDB "é um partido sem bandeiras, sem propostas, sem norte. É uma confederação de líderes regionais, cada um com seu interesse, sendo que mais de 90% deles praticam o clientelismo, de olho nos cargos", embora verdadeiro, não constitui novidade. Até as pedras da rua sabem. A grande novidade, mais uma vez a lembrança de Pedro Collor, é ouvir semelhante juízo da boca de Jarbas Vasconcelos. Ele foi prefeito, governador, deputado e agora é senador pelo denunciado PMDB, do qual é nome nacional e quadro histórico. Se o seu libelo se esgotar na mera entrevista, será o fim da picada.

 

O grupo da moral homogênea que dirige o ajuntamento peemedebista, como era de se esperar, fez cara de paisagem. Os dois escassos nomes citados na entrevista tiveram reações semelhantes. Renan Calheiros, que voltou a dar cartas no Senado, afirmou nem ter lido, logo, nada tinha a declarar. Sarney leu, mas foi lacônico: "não vou diminuir o debate" e, na certa, tampouco estará interessado em aumentá-lo. Michel Temer, que acumula as presidências da Câmara dos Deputados e do PMDB, não se sentiu obrigado a tomar qualquer providência. Disse, naquele formalismo postiço de mordomo, não estar disposto a "imprimir relevância ao que é destituído de especificidade". São da turma que querem o esquecimento rápido do episódio e, para tanto, esperam a "compreensão" do próprio denunciante.

 

Por isso mesmo, está absolutamente certo o PSOL, com sua pequena e aguerrida bancada, quando declara concordância com a denúncia do senador e, ao mesmo tempo, cobra dele o detalhamento de situações, nomes e fatos. Certamente não faltarão ao senador, com a vivência dos problemas que lhe animaram a conceder tão contundente entrevista, condições para satisfazer tal requisito. Na certa, o PSOL também deve ter cobrado o apoio do senador para a oportuna iniciativa pela construção, no Congresso Nacional e junto a outras entidades da sociedade, de um Fórum Permanente pela Ética na Política. Operando no mesmo sentido, o presidente em exercício do Conselho Federal da OAB, Vladimir Rossi Lourenço, cobrou do Ministério Público a apuração com urgência das denúncias feitas.

 

Ao acusar o seu próprio partido de estar dominado pelo intestino grosso da baixa política, Jarbas Vasconcelos recolocou em cena o debate sobre a corrupção sistêmica. Ele sabe que o pau que sustenta a lona do circo onde o fisiologismo faz a festa está na chefia dos executivos. Responsabilizou, com acerto, o governo Lula, mas poderia ter ido além. Para ficar apenas nos três maiores orçamentos do Brasil, faltou nomear o tucano Serra e o demo-pefelista Kassab. O PMDB está lá, ao que consta com as práticas de sempre, na base de apoio. Ao disputarem o partido símbolo da pequena política, tais governos não são prisioneiros, mas beneficiários e artífices de um mesmo e detestável padrão de política.

 

Léo Lince é sociólogo.

 

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates